Categorias
Sem categoria

A vertente física do jogo de futebol no treinamento com Jogos – parte III

Dando continuidade ao tema da vertente física do futebol sob a ótica da Periodização de Jogo, esta semana serão discutidas algumas possibilidades de treinamento com tempos superiores a 30 segundos e com até 5 minutos de duração por série.

Conforme pode ser visto nas colunas iniciais que abordaram o tema (parte I e parte II), para esta faixa de tempo os jogos assumem, se corretamente aplicados, um caráter glicolítico.

Em linhas gerais, todas as atividades que podem ser trabalhadas por até 30 segundos de duração por série e que foram apresentadas no texto anterior (finalização, reposições, cruzamentos, penetrações, ultrapassagem, mobilidade, 1×1, desarme, pressão, recuperação imediata) também podem ser realizadas para esta faixa de tempo.

Exceção feita ao jogo de bolas paradas que, pela sucessão repetitiva de pausas e cobranças (de faltas, escanteios e laterais), inviabiliza o caráter glicolítico da atividade. Se após as cobranças o treinador optar por estender as transições para se aproximar do estímulo glicolítico, pode diminuir a densidade das ações de bola parada e, consequentemente, fugir do objetivo inicial.

Para esta faixa de tempo, outras ações táticas intensas podem ser estimuladas, como: ataque rápido, zona pressionante, bloco alto, flutuação, compactação. Em termos ofensivos, orientam-se atividades relacionadas à progressão ao alvo adversário e à finalização; já em termos defensivos, orienta-se atividades relacionadas à recuperação da posse de bola.

Em espaços menores, de até ¼ das dimensões oficiais, as atividades devem envolver pequenos e médios grupos com, no máximo, 6 x 6 jogadores. Neste formato, encontram-se atividades com um nível de complexidade inferior ao jogo formal. Estas dimensões, além de permitirem a abordagem ideal de diversos conteúdos nas categorias de formação, são também uma boa alternativa para um grupo de jogadores que não está participando da parte principal do treino, ou então, um pequeno grupo de atletas que não foi convocado para uma determinada partida e precisa treinar em especificidade.

Nos espaços maiores e também com mais elementos, de 7×7 a 11×11, os jogos criados devem adquirir maior semelhança com o futebol. Sendo assim, eleva-se o grau de complexidade e diminui-se a quantidade de ações técnicas para cada jogador.

Para garantir o estímulo predominante do metabolismo pretendido é indispensável a utilização de regras que acelerem o jogo, por exemplo: restrição do número de toques, limitação de toques para trás, retirada dos arremessos laterais, tempo para recuperar a posse, tempo para finalizar, tempo para chegar ao campo de ataque. Logicamente, as regras devem ser estabelecidas em função do que precisa ser trabalhado (já vi casos em que primeiro se definem as regras para depois o objetivo do treino).

O tempo de pausa utilizado é de, aproximadamente, 50% do tempo de estímulo. Então, para um esforço de 4 minutos, com muitas acelerações, mudanças de direção, alguns saltos, alguns sprints, algumas ações técnicas, recupera-se por cerca de 2 minutos. O tempo de pausa, inclusive, é o momento ideal para os ajustes e intervenções para manter a qualidade do treino e direcioná-lo para o cumprimento do seu objetivo. Como pretende-se uma velocidade de jogo aumentada, intervenções diretas durante o tempo de estímulo podem limitar a intensidade do exercício.

Após a publicação da próxima coluna sobre o tema, referente às atividades com mais de 5 minutos de duração, será apresentado uma proposta de microciclo de uma Periodização de Jogo, aplicada na equipe que trabalho atualmente.

Enquanto isso, como de costume, aguardo críticas, opiniões e sugestões para enriquecermos as discussões.

Categorias
Sem categoria

A estrela solitária chegou ao céu como Santos

O futebol emburreceu um pouco mais na quarta-feira.

A eterna Enciclopédia eternizada em General Severiano e Maracanã agora é estrela entre Santos.

Nilton.

Lateral-esquerdo que era atacante. Quarto-zagueiro que jogou pelos outro três.

Campeão do mundo em 1958.

Bi mundial em 1962

Eterno botafoguense que virou estátua e estádio.

Eterno alvinegro que não era Botafogo. Mas virou o jogo, o coração e a estrela desde a estreia.

Que poderia ter sido nas Laranjeiras. Quando o moço já velho para o futebol da Ilha do Governador se sentiu ilhado e isolado na suntuosa sede do Fluminense. Quando viu ídolos que tiraram a fala e a coragem dele de atuar ao lado.

Quando ele voltou de chuteiras embrulhadas nas mãos para casa.

De onde só saiu para fazer história e dar aula no Botafogo. Iluminado letrado que foi o primeiro João do compadre Mané.

Quiseram os deuses da bola que o maior ponta-direita não jogasse jamais contra o maior lateral-esquerdo.

Certíssimas coisas aconteceram com o Botafogo.

Coisa de Santos.

Lei de Nilton.

O homem que não precisou jamais beijar o escudo para ser Botafogo.

O craque que não sujava uniforme.

O moço que chamava a bola e ela entendia.

Velho que nos deixa as memórias que ele perdeu nos últimos anos e que nós ainda assim não vamos entender.

Mais de Nilton você lê na obra do amigo dele Maneco Muller. Que agora está puxando a cadeira ao lado de Sandro Moreyra, João Saldanha e Armando Nogueira para saudar a chegada da sabedoria entre os Santos.

No ano em que perdemos Djalma e Nilton. Todos os Santos.

No ano em que o futebol brasileiro perdeu os laterais que iam a fundo e ao fundo.

No ano em que devemos celebrar sempre a honra e o privilégio de torcer por todos os Santos.


*Texto publicado originalmente no blog do Mauro Beting, no portal Lancenet.

 

Categorias
Sem categoria

Júlio Baptista e a polêmica da leitura labial: aspectos jurídicos

Durante toda a semana, o principal assunto não foi os resultados dentro das quatro linhas, mas as palavras do atleta Júlio Baptista flagradas pela transmissão de TV na partida entre Vasco e Cruzeiro, dizendo para o zagueiro vascaíno Cris “faz logo outro gol”, quando o jogo estava 2 a 0 para o Vasco.

A polêmica difundida foi de de que o Cruzeiro poderia ter “facilitado” a vitória do Vasco, que luta para não ser rebaixado à Série B.

Doutro giro, Júlio Baptista e Cris asseguraram que a discussão girou em torno de um pedido do zagueiro para o Cruzeiro parar de pressionar. Como resposta, o armador do clube mineiro teria dito para o Vasco fazer o terceiro gol, se quisesse tranquilidade na partida.

Sem entrar no mérito, aproveita-se o ensejo para indicar repercussões jurídicas de eventual facilitação de resultado.

Há duas repercussões possíveis. Uma na esfera desportiva e outra na esfera criminal, nos termos do Estatuto do Torcedor.

Na esfera desportiva seria configurada infração aos artigos 243 e 243-A do CBJD:

Art. 243. Atuar, deliberadamente, de modo prejudicial à equipe que defende.

PENA: multa, de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.000, 00 (cem mil reais), e suspensão de cento e oitenta a trezentos e sessenta dias. (NR).
§ 1º Se a infração for cometida mediante pagamento ou promessa de qualquer vantagem, a pena será de suspensão de trezentos e sessenta a setecentos e vinte dias e eliminação no caso de reincidência, além de multa, de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.000,00 (cem mil reais).(NR).
§ 2º O autor da promessa ou da vantagem será punido com pena de eliminação, além de multa, de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.00 0,00 (cem mil reais). (NR).

Art. 243-A. Atuar, de forma contrária à ética desportiva, com o fim de influenciar o resultado de partida, prova ou equivalente. (Incluído pela Resolução CNE nº 29 de 2009).

PENA: multa, de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.000,00 (cem mil reais), e suspensão de seis a doze partidas, provas ou equivalentes, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, ou pelo prazo de cento e oitenta a trezentos e sessenta dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código; no caso de reincidência, a pena será de eliminação. (Incluído pela Resolução
CNE nº 29 de 2009).

Parágrafo único. Se do procedimento atingir-se o resultado pretendido, o órgão judicante poderá anular a partida, prova ou equivalente, e as penas serão de multa, de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.000,00 (cem mil reais), e suspensão de doze a vinte e quatro partidas, provas ou equivalentes, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, ou pelo prazo de trezentos e sessenta a setecentos e vinte dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código; no caso de reincidência, a pena será de eliminação. (Incluído pela Resolução CNE nº 29 de 2009)

Portanto, o atleta estaria sujeito à multa, suspensão e até mesmo eliminação.

Já no âmbito criminal, o Estatuto do Torcedor assim dispõe:

Art. 41-C. Solicitar ou aceitar, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem patrimonial ou não patrimonial para qualquer ato ou omissão destinado a alterar ou falsear o resultado de competição esportiva: (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
Pena – reclusão de 2 (dois) a 6 (seis) anos e multa. (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).

Art. 41-D. Dar ou prometer vantagem patrimonial ou não patrimonial com o fim de alterar ou falsear o resultado de uma competição desportiva: (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
Pena – reclusão de 2 (dois) a 6 (seis) anos e multa. (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).

Art. 41-E. Fraudar, por qualquer meio, ou contribuir para que se fraude, de qualquer forma, o resultado de competição esportiva: (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
Pena – reclusão de 2 (dois) a 6 (seis) anos e multa. (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).

Ou seja, o além das penas desportivas, o atleta estaria sujeito à penas de reclusão.

Conforme bem salientou o procurador-geral do STJD, Paulo Schmitt, é improvável que tenha havido alguma manipulação ou facilitação.

Outrossim, é imprescindível alertar todos os protagonistas dos eventos esportivos que, quaisquer atos não desportivos que busquem influenciar nos resultados das competições, além de poderem eliminá-los, podem levá-los à cadeia, eis que constituem crime.

Categorias
Sem categoria

Que tipo de líder eu sou?

 Os atuais e futuros líderes no ambiente esportivo, seja na área de gestão do negócio ou na área técnica precisam começar a responder a pergunta título da coluna desta semana:

• Que líder eu sou?
• Qual o meu tipo de liderança e como eu posso aumentar minha capacidade de transformar o negócio sob minha responsabilidade?

Ok, você deve estar pensando, mas primeiro como descobrir meu perfil de liderança e a partir daí poder me desenvolver para me tornar este líder que o esporte necessita?

Vou aqui sugerir uma abordagem na utilização do Eneagrama, já comentado em colunas anteriores, para responder tal questionamento. O Eneagrama é originário da Ásia e do Oriente Médio e este termo é uma combinação das palavras de origem grega ennea (“nove”) e gram (“algo que é escrito ou desenhado”) e refere-se ao sistema de nove pontos ou números que se encontra no seu símbolo gráfico conforme figura abaixo.

Apenas para conhecimento, os 9 tipos do Eneagrama são:

• Tipo 1 – Perfeccionista
• Tipo 2 – Prestativo
• Tipo 3 – Realizador
• Tipo 4 – Romântico
• Tipo 5 – Observador
• Tipo 6 – Questionador
• Tipo 7 – Entusiasta
• Tipo 8 – Desafiador
• Tipo 9 – Pacifista

Mas, quanto a questão da liderança como o Eneagrama pode nos ajudar? Aqui está a resposta para a questão inicial da coluna de hoje, pois o Eneagrama fornece condições para que possamos conhecer o paradigma de liderança e características relacionadas a cada tipo de personalidade e com isso todos podem ter clarificados seus pontos fortes e os aspectos necessários de desenvolvimento no caminho rumo à excelência como líder.

A partir deste conhecimento sobre seu tipo de personalidade e suas características de liderança é possível desenvolver seu foco na obtenção de resultados, desenvolver o autodomínio, elevar sua capacidade de comunicação, elevar sua capacidade de liderar equipes altamente produtivas e assumir o comando das mudanças.

Adicionalmente ao tema abordado quero compartilhar contigo algumas questões, elaboradas por uma grande coach e desenvolvedora do ser humano chamada Flávia Lippi, que lhe ajudarão a refletir se você atua com um líder transformador atualmente:

1. Qual legado que você vai deixar para sua equipe? Como isso será feito e como será medido?

2. O que você pode fazer para que sua equipe dependa cada vez menos de sua presença para obter resultados consistentes?

3. Você se considera um criador do futuro?

Então, responda as questões acima e pense sobre como sua liderança tem a capacidade de transformar o negócio do futebol. As ferramentas para o seu desenvolvimento como líder estão disponíveis, basta uma nova atitude em busca de evolução.

Até a próxima.

Categorias
Conteúdo Udof>Artigos

Análise dos resultados dos campeonatos, Italiano, Espanhol, Inglês e Alemão

Nos campeonatos disputados por pontos corridos, a regularidade nos jogos em casa e fora são a chave para os times que almejam o título, ou ainda, terminar no topo da tabela e tentar a classificação para campeonatos mais expressivos (Ex: Sul-Americana e Libertadores na América do Sul e Champions League e Copa da Uefa na Europa).

Nos campeonatos, Italiano, Espanhol, Inglês e Alemão, as equipes que conseguiram bons resultados em casa e fora durante toda a temporada se sagraram campeões e, por consequência, aqueles com os piores resultados foram rebaixados.

No campeonato Italiano a Juventus foi campeã com pouco mais de 76% de aproveitamento, teve 14 vitórias em casa e 13 fora e a melhor defesa com apenas 24 gols sofridos em 38 jogos. Os três melhores colocados no campeonato tiveram aproveitamento acima de 60%, sendo que o número de vitórias em casa ficou acima dos 68%.

No número de gols em casa algumas equipes foram superiores a Juventus, porém a campeã italiana manteve a regularidade fora de casa. Já os rebaixados tiveram aproveitamento abaixo dos 30%, marcando poucos gols, principalmente fora de casa.

No campeonato Espanhol o Barcelona foi o grande vencedor com aproveitamento de aproximadamente 88%, obtendo 18 vitórias em casa e 14 fora. Além disso, a campanha do Barcelona somou 115 gols marcados (63 em casa e 52 fora). A melhor defesa ficou com o Atlético de Madri que foi apenas o 3º colocado, com 31 gols sofridos contra 40 do Barcelona e 42 do Real Madrid.

Os três rebaixados tiveram aproveitamento abaixo dos 32% e a defesa mais vazada foi a do Mallorca com 72 gols sofridos (30 em casa e 42 fora).

No campeonato Inglês o campeão foi o Manchester United com aproveitamento de 78%, com 16 vitórias em casa e 12 fora. O diferencial do campeão foi o seu ataque que contabilizou 45 gols em casa e 41 fora, porém, contou somente com a 5º melhor defesa do campeonato.

A melhor defesa ficou com o time do Manchester City que levou 34 gols em 38 partidas e levou o vice-campeonato. Os três rebaixados ficaram com aproveitamento inferior a 31% e o posto de pior defesa ficou dividido entre Wigan (18º colocado) e Reading (19º colocado).

O campeonato alemão se difere pelo número de participantes (18 ao invés dos tradicionais 20), porém os números do campeão Bayern de Munique não deixam de ser surpreendentes. O aproveitamento foi de 89% e a equipe ainda teve o melhor ataque (56 gols em casa e 42 fora) e a melhor defesa (11 gols em casa e 7 fora).

O 2º e o 3º colocados tiveram aproveitamento bem distante do campeão, conquistando 64% e 63% dos pontos possíveis. Os rebaixados tiveram rendimento abaixo dos 30% e a pior defesa ficou com o TSG 1899 Hoffenheim (18º colocado).

O diferencial de todos os campeões para as demais equipes foi o equilíbrio dentro e fora de casa. Com exceção do Italiano, em todos os outros três campeonatos o time que se sagrou campeão contou com o melhor ataque.

O Bayern de Munique foi o time que mais se destacou tendo o maior aproveitamento entre os 4 campeões (89%) e a defesa mais sólida com apenas 18 gols sofridos.

Referências

CAMPEONATO ITALIANO 2012/13. Disponível em: http://www.ogol.com.br/edicao.php?id_edicao=47710. Acesso em: 15 de junho de 2013.

LIGA BBVA 2012/13. Disponível em: http://www.ogol.com.br/edicao.php?id_edicao=47536. Acesso em: 15 de junho de 2013.

LIGA INGLESA 2012/13. Disponível em: http://www.ogol.com.br/edicao.php?id_edicao=47347. Acesso em: 16 de junho de 2013.

BUNDESLIGA 2012/13. Disponível em: http://www.ogol.com.br/edicao.php?id_edicao=47388. Acesso em: 16 de junho de 2013.

Categorias
Sem categoria

Leitura labial

O jogo valia pouco para o Cruzeiro, que já tinha assegurado com antecedência o título do Campeonato Brasileiro de 2013. Valia muito para o Vasco, cada vez mais ameaçado de rebaixamento.
 
Entre perspectivas dicotômicas, uma cena chamou atenção: no segundo tempo, durante uma conversa entre o meia cruzeirense Júlio Baptista e o zagueiro vascaíno Cris, as câmeras de TV flagraram o representante da equipe mineira dizer: “Faz logo o terceiro gol!”.
 
O que existe de história é isso. É óbvio que uma cena assim dá margem a uma série de interpretações, mas são apenas ilações. A imagem da TV é insuficiente para discernir o contexto ou construir absoluta certeza sobre o que aconteceu ali.
 
Ainda assim, a cena entre Baptista e Cris foi dissecada. Houve discussões sobre o Cruzeiro ter “entregado” o jogo para o Vasco, sobretudo porque o goleiro Fábio e o zagueiro Dedé, torcedores da equipe carioca, terem pedido para não atuar. Pesou também a evidente – e natural, aliás – diferença de motivação entre as equipes.
 
No domingo, outra cena do Campeonato Brasileiro chamou atenção. Durante o segundo tempo do jogo entre Flamengo e Corinthians, o zagueiro flamenguista Wallace e o atacante corintiano Emerson conversaram. Enquanto falava, o defensor cobriu a boca com as mãos para impedir que as câmeras identificassem o teor da conversa.
 
A estratégia de Wallace não é nova, mas é curioso que ela tenha acontecido imediatamente após a polêmica do jogo entre Cruzeiro e Vasco. Trata-se a consequência (a polêmica gerada pelas gravações), mas preserva-se a causa (a conversa entre os atletas no meio do campo).
 
Nesse caso, porém, o problema não é um desvio de conduta de cruzeirenses ou vascaínos. O que motivou toda a celeuma do fim de semana foi uma interpretação fundamentada em argumentos débeis, desprovida de uma noção exata do contexto.
 
O desafio de qualquer profissional que trabalha com comunicação é transmitir mensagens. A conversa entre Júlio Baptista e Cris é um exemplo de que até conteúdos aparentemente simples, se forem deslocados do contexto, podem gerar reações totalmente diferentes.
 
Esse caso escancara um dos problemas do modelo de venda de direitos de mídia no esporte brasileiro. Enquanto a geração do conteúdo for responsabilidade dos parceiros de transmissão, a preocupação maior será sempre a informação.
 
Em grandes campeonatos – a Copa do Mundo e a Liga dos Campeões da Uefa, por exemplo – as imagens de torcedores que entram no campo não são mostradas. As entidades que organizam esses certames entendem que a veiculação disso apenas daria notoriedade aos invasores, que buscam exatamente isso quando ultrapassam o limite das arquibancadas.
 
O Campeonato Brasileiro não tem margem para impor essa determinação. Quem gera o conteúdo e distribui para as emissoras é a própria Globo, e a Globo, como empresa de mídia, tem a informação como preocupação anterior à competição.
 
A polêmica criada sobre o diálogo entre Júlio Baptista e Cris é pobre, rasa e clubista. É um debate baseado em uma imagem deslocada, sem contexto, sem informações claras. Ainda assim, essa discussão absurda roubou exposição que poderia ter sido dada ao que aconteceu em campo no Brasileirão. Para isso, bastava a CBF controlar as imagens geradas da competição.
 
Ter nas mãos o que é veiculado é um caminho extremamente pertinente para os donos de eventos esportivos. Esse controle também possibilita, por exemplo, uma padronização na exposição de parceiros e patrocinadores. As TVs podem cortar marcas que estão em backdrops de entrevistas porque são elas que gravam e transmitem. Não há uma padronização do vídeo.
 
Outro caminho possível nesse caso é um acordo com a mídia. Acordo, contudo, pressupõe que as duas partes abram mão de algo. O cenário ideal para o dono do evento é tomar frente na discussão. Há vários caminhos para isso.
 
Parceiros de mídia devem ter privilégios na cobertura. Eles pagam por isso. Deixar nas mãos deles a geração do conteúdo, porém, é ser suscetível a coisas que podem denegrir a imagem de um evento. O dono da competição precisa ter isso sempre em mente.
 
A geração do conteúdo também tem uma clara influência na questão técnica. Ver jogos pelo canal Premiere FC é suficiente para saber que não existe uma padronização de qualidade nas exibições do Campeonato Brasileiro. O que é mostrado muitas vezes não condiz com o status da principal competição do esporte mais popular do país.
 
A transmissão é uma operação cara. Se o dono do evento não assumir isso ou não estipular parâmetros em contrato, é natural que o parceiro adote medidas para reduzir as despesas. Qualquer parceiro. Em qualquer evento.
 
A Globo tem uma visão de negócios. O futebol é transmitido às 22h das quartas-feiras porque dá menos audiência do que a novela, que ocupa a faixa anterior na programação, e perde para atrações do mesmo horário em outros dias.
 
A visão de negócios também é uma das justificativas para o atual calendário do futebol brasileiro. A Globo gosta do formato vigente porque ele permite que a emissora tenha um número maior de jogos do Corinthians, time que registra índices mais altos de audiência na Grande São Paulo, região de referência para o mercado publicitário.
 
Um dos itens mais recorrentes nas propostas do Bom Senso F.C., grupo formado por jogadores de futebol para discutir o futuro da modalidade, é o desmembramento de rodadas. Os atletas defendem que o número de jogos no ano seja reduzido, mas que isso não altere o volume de partidas na TV.
 
Para aceitar isso, a Globo teria de abrir mão de exibir um contingente tão grande de jogos do Corinthians. Teria de mostrar jogos de times cujos resultados nos últimos anos estiveram distantes da audiência que a emissora almeja com o futebol.
 
Como negociante, a Globo está no papel dela ao brigar pelo que é melhor para a empresa. O melhor cenário para ela é encaixar o futebol nos locais ideais da grade e limitar as exibições ao que dá mais audiência.
 
Aí é que precisa entrar o detentor dos direitos. Essa é mais uma das consequências nefastas do atual modelo de negociação de mídi
a no Brasil, que é totalmente individual. A margem dos clubes para conversar com a TV é muito diferente do que eles teriam se pensassem de forma coletiva.
 
Recentemente, em evento realizado em São Paulo, Luis Paulo Rosenberg, vice-presidente licenciado do Corinthians, deu uma demonstração de como isso funciona. Questionado sobre a divisão desigual das receitas de mídia no futebol brasileiro, o dirigente contestou essa ideia.
 
“Se vocês considerarem a quantidade de jogos do Corinthians que a TV exibe, o atual cenário é até uma concessão que nós fazemos. O clube podia faturar muito mais se nós exigíssemos um valor proporcional ao que ocupamos na grade anual”, teorizou.
 
A lógica de Rosenberg é clubista a ponto de ser distorcida. O problema não é apenas a divisão do dinheiro, mas exatamente o quanto o Corinthians domina a grade. Isso só é bom para o clube e para a TV, mas tem efeito prejudicial para o futebol como um todo.
 
A leitura labial, a geração das imagens e a distribuição das grades de TV são assuntos que necessariamente devem pautar discussões dos donos de um evento. Em outros países, isso é padronizado em reuniões das ligas que organizam as competições.
 
Mas quem é o dono do Campeonato Brasileiro, mesmo?
Categorias
Conteúdo Udof>Artigos

A relação entre jornalistas esportivos e clubes de futebol

A proposta deste artigo é ampliar o debate em torno da relação entre jornalistas esportivos e clubes de futebol – dirigentes, jogadores, médicos, fisiologistas e fisioterapeutas.

Além de refletir sobre o trajeto da notícia – que transita de um vestiário até os torcedores -, analisar-se-á a dependência da imprensa em relação aos clubes, a postura dos dirigentes de futebol, os conflitos éticos, as relações comerciais e o real interesse do consumidor.

Introdução

A editoria de esporte é, inegavelmente, a melhor e mais completa escola para um jornalista! Lidar com dirigentes de clubes, esportistas, jogadores de futebol e torcedores não é tarefa
das mais fáceis. O jornalista que vivencia essas rotinas confronta-se ,cotidianamente, com diversas questões de cunho ético e moral. Trata-se de um relacionamento estreito e, por vezes, complicado.

Há uma necessidade premente de se detectar – e de se distinguir – a notícia do fato “plantado”. Em se tratando de Jornalismo Esportivo, o fator paixão costuma embaçar um olhar mais objetivo e, infelizmente, preceitos da profissão – de neutralidade, de coerência, de ética, de objetividade, de isenção -, nem sempre são respeitados.

Os bastidores de uma cobertura esportiva – que abarca tudo o que não é noticiado pela mídia, tais como: as dificuldades do jornalista em busca da notícia, o lado sensacionalista, a relação comercial, os interesses obscuros de alguns dirigentes e a necessidade de informar, em tempo real -, são alguns dos fatores que contribuem para tencionar a tênue relação entre clubes de futebol, imprensa e público-consumidor.

Para ler o artigo completo, basta clicar aqui.

Categorias
Sem categoria

A Universidade Corporativa e o futebol

As discussões sobre futebol são infindáveis. Distintos olhares, diferentes perspectivas e opiniões frequentemente proporcionam a interpretação do produto final de um clube, o nível de jogo de futebol apresentado, de inúmeras maneiras.

Exemplificando, para uns, o nível de jogo apresenta limitações físicas; para outros, o problema da qualidade incide na deficiência das finalizações. Se considerarmos, dentro de um mesmo clube, para o mesmo jogo, ainda encontraremos opiniões como: a equipe tem muita garra, erra muitos passes, marca errado, movimenta bastante, faz poucos cruzamentos, etc.

Num olhar fragmentado é usual o nível de jogo apresentado se restringir a um ou outro elemento que generaliza o desempenho. Porém, diversos estudos nos apontam que a performance esportiva é, e sempre será, multifatorial.

Uma vez que sabemos o quão conflitante é discutir a modalidade e que inúmeros são os fatores que afetam o desempenho, qual solução deve ser encontrada pelos clubes para promover um ambiente de discussões favorável ao crescimento profissional de seus colaboradores? Tal crescimento profissional e, consequentemente, da instituição, possibilita um alinhamento de conceitos que, se bem conduzidos, favorecem a construção do futebol moderno, praticado por clubes de elite do futebol mundial.

A solução reside na formação de grupos de estudos propostos pelo gestor da área técnica do clube, responsável pelas diretrizes de trabalho das categorias iniciais (sub-11, 12 e 13) ao profissional. O conceito de capacitação continuada, aplicado em muitas empresas, precisa ser estendido ao futebol.

Vejamos algumas reflexões que apontam para esta questão independentemente do cargo que você ocupa:

O investimento em formação está cada vez mais frequente, no entanto, será que todos os profissionais de sua instituição enxergam cada jogo de futebol de maneira semelhante?

O clube já tem definido um projeto de futebol? Cada categoria possui conteúdos norteadores para o desenvolvimento do trabalho ou fica a critério de cada comissão qual Jogar será construído.

O técnico da categoria sub-17 do clube tem ciência daquilo que está sendo trabalhado na categoria anterior?

O clube pratica uma discussão multidisciplinar sobre o desempenho de cada um dos atletas inserido no projeto?

Como os profissionais do clube lidam com os constantes avanços tecnológicos e ferramentas que permitem uma análise precisa do desempenho da equipe?

O clube capacita seus treinadores para a difícil tarefa de gerenciar pessoas?

Existem discussões formais sobre cases de sucesso que podem ser estudados e interpretados para analisar elementos que sejam adaptáveis à realidade do clube?

O clube possui uma bibliografia básica que todo funcionário da área técnica deve ter acesso para sua atuação profissional?

Existe um procedimento de capacitação das diferentes funções de uma comissão técnica, de modo que se mantenham as especialidades, mas que amplie o olhar global para o jogo?

Estas são apenas algumas questões que, se respondidas, podem mostrar o cenário atual de capacitação dos gestores de campo. Seguramente, o clube que conseguir colocar em prática o incentivo ao estudo, as discussões construtivas e ao alinhamento de opiniões dará passos significativos à sustentabilidade.

A vantagem competitiva é pré-requisito para o sucesso esportivo. Para alcançá-lo, está cada vez mais difícil consegui-lo sem capacitação. A capacitação específica de um clube não está nas salas de aula das universidades e tampouco no empirismo da prática repetitiva. Que cada clube de futebol defina suas metas e encontre seus caminhos para alcançá-las.

O caminho da educação continuada pode até ser o mais demorado, no entanto, quem vai mais devagar geralmente vai mais longe.

Abraços e até a próxima semana.

Categorias
Conteúdo Udof>Artigos

Patrocínios no futebol brasileiro atingiram R$ 767 milhões em 2012

O mercado brasileiro de futebol apresentou profunda evolução em suas receitas com patrocínios nos últimos anos.

Em 2012, as receitas cresceram, mas em um patamar bastante inferior ao registrado em anos anteriores.

Os clubes de futebol, CBF e Federação Estaduais em 2012 produziram R$ 767 milhões em receitas diretas geradas com empresas patrocinadoras.

Os maiores contratos de patrocínio do futebol brasileiro estão com a CBF, que sozinha representa quase um terço do mercado. Em 2003, essa fonte de receita gerava R$ 80 milhões e em 2012 atingiu R$ 236 milhões. Isso representa uma evolução de 194%, ou 119% acima da inflação do período.

Os clubes de futebol viram suas receitas crescerem muito nos últimos anos, passando de um faturamento conjunto de R$ 72 milhões em 2003 para R$ 497 milhões em 2012. Isso representa uma evolução de 586%, ou 511% acima da inflação do período.

Para ler o artigo na íntegra, basta clicar aqui.

Leia mais:
As maiores receitas com estádios do futebol brasileiro
As finanças dos maiores clubes brasileiros em 2012 

 

Categorias
Sem categoria

Fernandinho e a inscrição no Mundial de Clubes: aspectos jurídicos

O mais importante torneio de clubes do mundo se aproxima e junto com ele uma indagação jus-desportiva bastante interessante. O atleta Fernandinho poderá ou não ser inscrito para o Mundial de Clubes da Fifa?

No que tange à inscrição dos atletas, em uma tradução livre, assim dispõe o regulamento do Mundial de Clubes em sua cláusula 23 :

1 . Um jogador é elegível para jogar na Copa do Mundo desde que ele esteja devidamente registrado para o seu clube de acordo com o Regulamento da Fifa sobre o Estatuto e a Transferência de Jogadores, bem como com os regulamentos da Associação (Confederação) do clube participante. Portanto, os requisitos que devem ser cumpridos para que um jogador seja elegível para participar da Copa do Mundo incluem, mas não estão limitados a:

a) inscrição como amador ou profissional na Associação (Confederação) do clube participante durante o período de inscrição fixado pela associação ou fora do período de registo, se a exceção estiver listada no Regulamento da FIFA sobre o Estatuto ea Transferência de Jogadores;

b) a adesão à limitação de inscrições, com clubes diferentes e participação em jogos oficiais com vários clubes durante uma temporada, conforme estabelecido pelos regulamentos da FIFA sobre o Estatuto ea Transferência de Jogadores,

c) se o jogador estiver inscrito como profissional, deve existir contrato de trabalho escrito que vincule o jogador profissional ao seu clube e atender às exigências relativas comprimento mínimo e máximo .

2 . Os protestos relativos à elegibilidade dos jogadores (cf. art. 9 par. 3 do Regulamento ) serçai decididos pelo Comitê Disciplinar da Fifa, de acordo com o Código Disciplinar da Fifa .

3. Os clubes participantes são os únicos responsáveis pela relação de jogadores elegíveis . Não cumprimento levará às consequências previstas no Código Disciplinar da Fifa.

A “janela de transferências internacionais” do futebol brasileiro terminou no dia 19 de julho de 2013, ou seja, data limite para contratação de jogadores elegíveis para o Mundial.

Fernandinho assinou contrato de trabalho antes do encerramento da “janela de inscrições”, mas o seu nome somente foi publicado no BID em 14 de agosto de 2013 .

O BID corresponde ao Boletim Informativo Diário-Eletrônico da CBF e, segundo o Regulamento Geral das Competições, o atleta somente terá condição de jogo após a divulgação de seu contrato neste Boletim, veja-se?

Art. 33 – Somente poderão participar das competições os atletas que tenham os seus contratos registrados na Diretoria de Registros e Transferências – DRT, observados os prazos e condições de registro definidos no REC.

Art. 34 – A DRT publicará o Boletim Informativo Diário-eletrônico – BID-e, disponível em seu site, no qual constarão os nomes dos atletas cujos contratos tenham sido registrados pelo clube contratante.

De um lado tem-se a existência do contrato de trabalho antes do fechamento da “janela de transferências” e, de outro, o procedimento burocrático da CBF para que o atleta tenha condição de jogo em competições nacionais.

Destarte, o Clube Atlético Mineiro cumpriu o item 1, da cláusula 23 do regulamento do Mundial ao firmar com o atleta contrato de trabalho dentro do período de transferências internacionais.

Assim, por mais que a publicação do BID tenha sido posterior à “janela”, o atleta já estava devidamente vinculado ao Clube em data anterior a 19 de julho de 2013.

Além disso, há de se destacar que um dos princípios que rege o desporto é o “par condition”, ou seja a paridade de condições de disputa. Ou seja, para que exista uma competição esportiva, é indispensável que os critérios de disputa sejam equivalentes.

Ora, torna-se necessária a igualdade de tratamento, uma vez que a “janela de transferência” de outros países tem períodos distintos. Na Alemanha, por exemplo, pode-se contratar até 31 de agosto.

Vale destacar que o Clube Atlético Mineiro somente recebeu o regulamento oficial da competição no dia 02 de agosto, ou seja, após o “fechamento da janela”.

Diante de todo o exposto, conclui-se que a medida jurídica mais adequada será a aceitação da inscrição do meia Fernandinho. Urge destacar que, se em um primeiro momento parece se tratar de uma demanda do Clube Atlético Mineiro, analisando-se mais profundamente constata-se que a questão é de interesse de todo e qualquer clube brasileiro que um dia venha a disputar a competição.