Categorias
Sem categoria

Saudoso Pacaembu e sofredor, graças a Deus!

Foi fim de abril. Dia 28. Mas de 1940.

Zico, Agostinho, Jango, Sebastião, Brandão, Dino, Lopes, Servílio, Teleco, Joane e Carlinhos foram escalados por Del Debbio para entrar pela primeira vez no gramado do estádio Municipal paulistano. O Bailarino Servílio marcou o primeiro gol alvinegro no campo de todos os paulistanos. Um pouco mais de todos os corintianos que ali viram os grandes times da primeira metade dos anos 1950. Deram a volta olímpica no IV Centenário da capital, no Paulista de 1954. Deram fim ao tabu sem vitórias em Paulistas contra o Santos, em 1968. Deram muitos murros no concreto. Derrubaram grades. Amaldiçoaram traves. Imaginaram sapos, porcos, peixes, todos os bichos enterrados. Viram uma fila do tamanho do amor ao Corinthians tirar outras voltas olímpicas até 2009. Quando o torcedor comemorou invicto o título paulista. Quando pôde, enfim, celebrar um estádio que foi “dele” por usucapião. Uso campeão mesmo sem título.

Quer algo mais corintiano?

O Pacaembu. Esse é mais que corintiano.

Mais que o velho campo da Ponte Grande. Que o Parque São Jorge. Que a Arena de Itaquera. O Paca é Corinthians. É “Saudosa Maloca” que vai tocar neste fim de semana contra o Flamengo. De despedida de uma casa que será sempre um pouco mais alvinegra.

Outro rival ganhou mais títulos no estádio. Mas pergunte a cada canto do mais lindo estádio de espírito do Brasil. A cada porta estreita que não tem cabimento para tanta paixão: quem é o “dono” daquilo ali?

Até quem não quer saber sabe. Ele vai dizer que não “pode” ser “dono” do Pacaembu quem ficou de 1954 a 2009 sem dar volta olímpica no estádio Paulo Machado de Carvalho (nome de enorme são-paulino…). Fato. Mas, desde que o Corinthians voltou a ser Timão, em 1977, foi na casa tricolor que o alvinegro encontrou o lar de conquistas brasileiras (três das cinco). As Copas do Brasil foram celebradas fora de São Paulo. O último Rio-São Paulo também foi no Morumbi. Os Paulistas, até 2009, fora do Pacaembu. Os Mundiais, fora.

Mas a Libertadores tinha mesmo de ser dentro. Lá onde todos diziam que “nunca serão” eles foram. E, mesmo se fosse do Boca para fora, ainda assim os corintianos seriam no Pacaembu o que eles são pela vida. Vencedores sem títulos necessários. Campeões por serem apenas o que são. Sem os dentes. Feios. Sem educação. Sem um monte de coisa, como adoram falar os rivais.

Mas com algo que é deles de tão público. Algo que é do povo que é tão deles. Vão dizer que Itaquera tem muita ajuda de todo o povo – e tem mesmo. Vão dizer que o Pacaembu também foi apropriado mas é de todo munícipe – e é mesmo.

Mas também por isso o povo é Corinthians. É público. É popular. É Pacaembu. É Corinthians.

Que as autoridades e movimentos de moradores que impediram o melhor negócio para todos que seria remodelar o estádio para ser eternamente corintiano agora convivam com o barulho silencioso da ausência de Corinthians no Pacaembu.

Os domingos serão mais tranquilos e seguros. O odor do filé miau das churrasqueiras de calçadas será outro. Aquela onda sonora de gols e uuuus! irá cessar. Aquela horda humana de gente de todos os credos e cores (ou melhor, apenas uma fé e duas cores) não estará mais pelas ruas que sobem e descem como a vida e o Corinthians.

Estará tudo mais pacífico. Harmonioso.

Menos vivo. Menos humano. Menos corintiano.

É o último jogo antes de o Corinthians ter, enfim, uma casa quase do seu tamanho.

É o primeiro jogo de uma saudade imensa de dias ali vividos, logo, sofridos.

Vai ficar em cada canto do campo um elástico de Rivellino, um calcanhar de Sócrates, uma sentada na bola de Luizinho, uma cabecinha de ouro de Baltazar, um cruzamento de Cláudio, uma antecipação de Domingos, uma falta de Marcelinho, uma celebração de joelho de Neto, uma gota de suor de Zé Maria, uma gota de sangue de Wladimir, uma bolada em Palhinha, uma ordem de Brandão, um dedo no time de Luxemburgo, uma mão na boca de Tite, uma ponte de Gilmar, uma espalmada de Ronaldo, um pênalti defendido por Dida, aquelA defesa do Cássio, aquela cabeçada do Paulinho, aquela mordida do Sheik, um desarme de Gamarra, um toque de Belangero, um lançamento de Zenon, um passe de Rincón, uma risada de Vampeta, uma careta de Tévez, uma chuteira branca de Casagrande, uma celebração de Viola, um coração de Idário, um gol de Teleco, o fenômeno Ronaldo, um pé de Basílio, um voto da Democracia Corinthiana. Um pouco de todo corintiano.

Um muito da vida desse bando que leva a loucura para Itaquera. Mas deixa na maloca do Pacaembu o que Adoniran escreveu com o coração alvinegro que tinha, e a sensibilidade de todas as cores. Um bardo que bradava pelas coisas de São Paulo. Uma voz que saberia preservar eternamente o Pacaembu.

Como cantou em “Saudosa Maloca”:

 

Si o senhor não “tá” lembrado
Dá licença de “contá”
Que aqui onde agora está
Esse “edifício arto”
Era uma casa véia
Um palacete assombradado
Foi aqui seu moço
Que eu, Mato Grosso e o Joca
Construímo nossa maloca
Mais, um dia
Nóis nem pode se alembrá
Veio os homi c’as ferramentas
O dono mandô derrubá
Peguemo todas nossas coisas
E fumos pro meio da rua
Aprecia a demolição
Que tristeza que nóis sentia
Cada táuba que caía
Duia no coração
Mato Grosso quis gritá
Mas em cima eu falei:
Os homis tá cá razão
Nós arranja outro lugar
Só se conformemo quando o Joca falou:
“Deus dá o frio conforme o cobertor”
E hoje nóis pega a páia nas grama do jardim
E prá esquecê nóis cantemos assim:
Saudosa maloca, maloca querida,
Dim dim donde nóis passemos os dias feliz de nossas vidas
Saudosa maloca,maloca querida,
Dim dim donde nóis passemo os dias feliz de nossas vidas.

 

Onde o corintiano passou dias felizes da vida. Até mesmo os infelizes.

Dia de pegar a páia nas gramas do jardim e plantar o coração na nova casa.

Que ninguém deixe ninguém mandar derrubar o Pacaembu.

Que todos mantenham o Pacaembu no lugar que ninguém vai tirar: aqui dentro.

*Texto publicado originalmente no blog do Mauro Beting, no portal Lancenet.
 

Categorias
Sem categoria

De Daniel Alves a Alan Kardec

Categorias
Sem categoria

O Placar Semanal e a Cultura de Vitórias

O jogo é o produto final de todo clube de futebol. São os 90 minutos (ou menos, em partidas das categorias de base) mais importantes da semana e, na maioria das vezes, reflexos daquilo que se construiu durante os treinamentos.

Há alguns anos, quando ainda trabalhava no Paulínia FC, sob coordenação de Lucas Leonardo, o Departamento de Pedagogia do clube criou uma planilha com o objetivo de escancarar o desempenho de cada uma das categorias em competição. Se para muitos controles do clube como scouts qualitativos e quantitativos (obtidos através de relatórios, outras planilhas, softwares e/ou filmagens) o objetivo era analisar o desempenho de cada categoria nos quatro momentos do jogo, esta planilha preocupava-se com a divulgação de uma componente muito importante e, culturalmente, maior que qualquer aplicação de um Modelo de Jogo: o resultado.

Poder visualizar após as rodadas do final de semana o desempenho (de resultado) de cada uma das categorias através de um Placar Semanal era um procedimento simples, mas que tinha o intuito de fazer com que cada equipe se sentisse inserida e relevante no macroprojeto do clube.

Alguns anos se passaram e a Planilha ganhou algumas modificações. A principal delas se refere à distribuição de pesos diferentes para cada uma das categorias. Sendo assim, do sub-11 ao Profissional a distribuição dos pesos de acordo com a importância subjetiva de cada equipe se dá da seguinte maneira:

• Sub 11: Peso 1
• Sub 12: Peso 1,5
• Sub 13: Peso 2
• Sub 14: Peso 2,5
• Sub 15: Peso 3
• Sub 17: Peso 4
• Sub 20: Peso 5
• Profissional: Peso 10

Abaixo, um exemplo da planilha desconsiderando as Categorias sub-12 e sub-14, não oficiais na Federação Paulista de Futebol:


Os campos Jogos, Gols Pró, Gols Contra, Saldo de Gols, Pontos Disputados, Pontos Feitos, Aproveitamento e Total, são completados automaticamente a partir do preenchimento das células correspondentes aos placares das partidas. Em caso de vitória, ocorrerá a alteração automática das células referentes aos pontos feitos. O mesmo para os casos de empate e derrota.

Os demais campos (Vitórias, Empates, Derrotas, Data, Competição, Rodada, Adversário e Local) precisam ser devidamente preenchidos.

Na sequência, um exemplo da planilha preenchida após uma situação hipotética de rodadas do final de semana:

O resultado de campo nunca deve ser a única variável analisada em um clube de futebol. Da mesma forma, em hipótese alguma (inclusive na formação), ele deve ser negligenciado. Jogar, na sua mais pura essência, nada mais é que uma constante busca humana pelo prazer, pelo vencer!

Que a planilha publicada na entrada do clube, que também pode ser divulgada nos e-mails de toda diretoria, conselho, funcionários, imprensa e, por que não, para a torcida através das redes sociais ou do site do clube, seja mais que um amontoado de números que promovam uma competição intercategorias. Que seja uma ferramenta que atue como um motor interno, que motive todo e qualquer funcionário na busca pelas vitórias. Afinal, o que realmente importa nos clubes de futebol não dura mais do que 90 minutos.

Aos interessados, o modelo de planilha apresentado na coluna estará disponível por e-mail.

Categorias
Sem categoria

Portuguesa pode ser rebaixada por abandono de partida

A sexta-feira santa reservou um dos episódios mais surreais e lamentáveis da história do futebol brasileiro.

Um oficial de justiça interrompeu a partida de abertura da Série B entre a Portuguesa e o o Joinville, em Santa Catarina, aos 17 minutos do primeiro tempo.

A situação decorreu de uma liminar deferida pela Justiça paulista obtida por um torcedor da Portuguesa que a recolocava na Série A.

Assim, aos 17 minutos do primeiro tempo, o delegado da partida, Laudir Zermiani, informou o quarto árbitro da existência da liminar e o técnico da Lusa, Argel Fucks, pediu para que os jogadores saíssem do campo.

Os atletas do Joinville, por seu turno, permaneceram em campo e, após 30 minutos, período máximo de paralisação regulamentar, a equipe paulista informou que não retornaria ao gramado.

Antes do final de semana terminar, a liminar foi cassada.

Sob o ponto de vista jusdesportivo, a Portuguesa pode ser punida por abandono de campo com a consequente exclusão da Série B. A equipe paulista teria violado o artigo 69 do Código Disciplinar da FIFA que prevê penas de exclusão vitalícia, rebaixamento e eliminação.

Artículo 69 [único]
1. El que intente influir en el resultado de un partido contraviniendo los principios de la ética deportiva será sancionado con la suspensión por partidos o la prohibición de ejercer cualquier actividad relacionada com el fútbol y una multa en cuantía no inferior a CHF 15,000. En los casos graves se impondrá la prohibición de ejercer de por vida cualquier actividad relacionada con el fútbol.

2., En caso de influir ilícitamente en el resultado de un partido a través de un jugador o un oficial, tal como se menciona en el apartado 1, se podrá imponer una multa al club o a la asociación a la que pertenezca el jugador o el oficial. En los casos graves se podrá sancionar al infractor con la exclusión de una competición, el descenso a una categoría inferior, la sustracción de puntos y la devolución de premios

Sob o ponto de vista procedimental, a súmula foi encaminhada à Procuradoria do STJD que deverá oferecer denúncia ao Tribunal Desportivo, que será o órgão responsável pelo julgamento.

O Regulamento da FIFA dispõe sobre influência ilegal no resultado, assim, caberá à Portuguesa convencer o Tribunal de que tinha a intenção de jogar, mas que abandonou a partida para atender à Justiça Brasileira.

Diante do exposto, percebe-se que a Justiça Desportiva ainda terá significativo protagonismo na temporada 2014 do futebol brasileiro. 

Categorias
Sem categoria

Liderando pela confiança

 Começa mais um campeonato brasileiro se inicia e alguns clubes começam a sentir os efeitos da troca recente da sua comissão técnica e isso não será um luxo destes, pois ao longo do campeonato será inevitável que outros clubes troquem de comando à beira do campo.

Como os clubes podem lidar com isso? De que maneiras os novos comandantes podem acelerar o impacto de seu método de treinamento e de sua forma de jogar?

Penso que um dos níveis de liderança de John C. Maxwell seja especialmente valioso para promover um ambiente de mais confiança entre o treinador e os atletas: o 2º nível da liderança, denominado de permissão.

Este nível se baseia inteiramente nas relações humanas, aonde quando um líder atinge este nível ele será seguido pelas pessoas porque elas irão querer segui-lo. Quando um líder gosta das pessoas com quem se relaciona e as trata como indivíduos que possuem valor, este começa a desenvolver uma forte relação de confiança entre elas. O seu ambiente de trabalho fica muito mais positivo, assim são construídas relações fortes e duradouras.

Todo treinador enquanto líder pode e precisa estar atento a seguinte frase: “Você pode gostar das pessoas sem lidera-las, mas não pode lidera-las sem gostar delas”.

Quando um treinador consegue ir além da falsa percepção de poder que sua posição proporciona e aprende a funcionar no nível da permissão as relações humanas mudam. Os atletas fazem mais do que seguir uma orientação, pois na verdade começam a seguir o treinador porque passam a querer isso. Neste momento os atletas sentem-se mais queridos, cuidados, incluídos, valorizados e confiáveis, criando uma situação de trabalho em conjunto com o treinador e com os demais atletas.

Este nível de liderança traz benefícios ao treinador que utiliza-lo, tais como:

• Tornar o trabalho de todos mais gratificante;
• Aumenta o grau de energia do grupo;
• Abre os canais de comunicação entre as pessoas;
• Concentra-se no valor de cada atleta;
• Alimenta a confiança.

Existem alguns melhores comportamentos para conseguir atuar no nível da permissão e vou compartilhar um destes contigo agora.

O treinador precisa tornar-se o principal incentivador da equipe
Enquanto o treinador da equipe existe muito poder para incentivar as pessoas, isso pode contribuir para que se cause impacto positivo nos atletas, pois as pessoas em geral valorizam afirmações de incentivo vindas daquele que a lidera. Palavras como “estou contente por você trabalhar comigo”, ajudar sensivelmente para que se construa uma equipe incrivelmente valiosa, desde que isto tenha vindo de alguém que genuinamente tenha os melhores interesses nas pessoas.

Assim, se um treinador deseja que seus liderados tenham sempre uma atitude positiva este necessita incentivá-los e com isso o treinador contribuirá efetivamente para que todos consigam trabalhar empenhados num resultado comum e atendendo as expectativas positivas de todos.

Até a próxima e treinadores mãos à obra, que o Campeonato Brasileiro apenas começou e tem muito trabalho pela frente!

Categorias
Conteúdo Udof>Colunas|Sem categoria

O que o Campeonato Brasileiro precisa aprender com Luciano do Valle

O Campeonato Brasileiro de 2014 começou sem o grito de gol de Luciano do Valle, um dos maiores comunicadores da história do esporte nacional. Entretanto, o Campeonato Brasileiro de 2014 não começou em silêncio. No lugar do luto, um dos piores tipos de barulho: a gritaria advinda dos tribunais, que ameaça a principal competição do país.

É significativo que a morte de Luciano do Valle tenha acontecido no primeiro fim de semana do Campeonato Brasileiro de 2014. Vítima de infarto, o narrador esportivo de 66 anos foi acometido por um mal súbito no sábado, quando viajava a Uberlândia para narrar Atlético-MG x Corinthians.

A primeira rodada do Campeonato Brasileiro teve apenas 16 gols em dez partidas. É a pior média de um fim de semana inaugural desde 1994, quando o torneio registrou 1,37 gol por jogo na rodada de abertura.

A ausência de gols é uma espécie de homenagem a Luciano do Valle. Sem ele, os gols não teriam mesmo o sentido adequado. Ainda que tenha sofrido muitos problemas nos últimos anos, o narrador principal da TV Bandeirantes mudou a história do esporte na televisão brasileira.

Luciano do Valle mudou porque soube transmitir emoção em qualquer situação. Em qualquer jogo. Em qualquer competição. Uma das maiores contribuições dele foi abrir espaço para modalidades como basquete, futebol americano, vôlei e até sinuca na TV aberta.

Além de narrador, Luciano do Valle foi um empreendedor. Ele desenvolveu produtos como a seleção brasileira de másters e o futebol dente de leite, e ainda criou espetáculos como um jogo de vôlei no Maracanã.

“A rivalidade que existia entre mim e a Paula foi totalmente criada por ele. O Luciano soube aproveitar que as duas estavam no Brasil e usou isso para promover o basquete. Ele colocou nossos nomes na cabeça do público”, disse a ex-jogadora de basquete Hortência, um dos maiores nomes da modalidade no país, no velório do narrador.

“Ele era um realizador. Eu estive com o Luciano em tantas empreitadas que vocês nem fazem ideia. O Luciano sonhava durante a noite e realizava durante o dia”, completou o narrador esportivo Octávio Muniz.

Todos os jogos da primeira rodada do Campeonato Brasileiro tiveram um minuto de silêncio em homenagem a Luciano do Valle. Mas será que esse tempo foi suficiente para pensar no que ele ensinou para o esporte nacional?

Com um espaço na TV aberta, Luciano do Valle soube promover produtos que não eram exatamente populares. Soube transformar figuras como o pugilista Adilson Maguila em personagens populares.

A marca Maguila, aliás, foi registrada por Luciano do Valle e doada ao pugilista. “Ele foi bom para mim, e eu fui bom para ele”, resumiu o ex-atleta no domingo, durante o enterro do narrador.

O maior diferencial de Luciano do Valle como narrador sempre foi a emoção. Ele não foi um profissional de bordões ou de precisão técnica – na fase final da carreira, principalmente.

O maior ensinamento de Luciano do Valle, porém, não foi esse. Ele mostrou ao esporte nacional que produtos podem ser potencializados se tiverem a promoção adequada. Que há espaço para diferentes modalidades, campeonatos e ídolos se um trabalho adequado for realizado em torno disso.

Essa era a homenagem que o futebol brasileiro podia ter prestado a Luciano do Valle. A primeira rodada do Campeonato Brasileiro podia ter servido como marco para um modelo de promoção e de divulgação dos jogos.

Além disso, o Campeonato Brasileiro podia ser um pouco mais visto como um produto. Algo que perde valor quando é questionado ou ameaçado de diferentes lados. Algo que não dá espaço a contendas judiciais como as que se arrastam desde o ano passado.

No fim, é isso: não importa se a razão é a da Portuguesa ou da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Não interessa se a infração do Figueirense prescreveu ou se o Icasa tem direito de jogar a Série A. Não faz diferença em qual divisão deve estar o Betim. Em todas essas batalhas, quem perde é o futebol.

Enquanto o produto não for promovido de forma adequada e esse tipo de notícia ainda tomar espaço, o futebol brasileiro não vai ser grande. Não foi grande nem na voz de Luciano do Valle.

O futebol brasileiro tem uma história de momentos grandes, mas de realidade pequena. É uma oscilação que quase repete o roteiro de um jogo. E desde o último sábado, o país ainda tem um motivo a menos para esperar 90 minutos por poucos gritos de gol. 

Categorias
Sem categoria

Luciano do Valle

Fim de tarde à beira da praia em Porto de Galinhas. As pessoas reconhecem Luciano e acenam. Tiram fotos. Ele olha para mim com aquela piscada de olho longa que era toda dele. Responde assim à minha pergunta se não estava com saudade da correria paulistana:

– Toda vez que me bate uma vontade de voltar, penso neste horário, quase seis da tarde, na Marginal Tietê… Aí eu fico aqui mesmo, em Porto de Galinhas.

2003. Estávamos na TV Record. Já tinha trabalhado com Luciano de 1997 a 2001 na Band. Ele e Juca Silveira tinham me levado para lá. Onde estreei em Araçatuba. Corinthians em campo no SP-97. Depois da transmissão, me disse que narraria a Copa da França, em 1998. A Olimpíada de Sydney, em 2000. E penduraria o microfone que desde moleque era dele. E foi de poucos com tamanha qualidade, intensidade, paixão.

Eu tinha um tipo assim em casa. Eu sabia que agora tinha mais um ídolo. Mestre. Colega. Amigo. Do mesmo jeito.

Apenas ri do comentário do Luciano. Eu e Osvaldo Pascoal já tínhamos ouvido isso. Ouviríamos algumas vezes em Copas do Mundo e América. Do Brasil. Brasileiro. Série A e B. Estaduais. De todas as divisões. Libertadores. Mercosul. Sul-Americana. Campeonato Italiano. Espanhol. Liga dos Campeões. Mundial de Clubes. Futebol feminino.

Tudo isso eu comentei ao lado dele. Muito, mas muito mais ele fez. Pelo vôlei. Basquete. Indy. Tantos esportes. Esporte total. Narrador total. Empresário total. Apaixonado total. Brasileiro total. Aquele cara que um dia narrou numa noite de sábado, 21h45, em Porto Alegre, um jogo de série A e, logo depois, madrugada adentro na churrascaria de POA, mal dormiu e, 11 da manhã de domingo, depois de pouso em Araraquara, narrou segunda divisão paulista em Matão. Com o pique que o comentarista dele (eu) não tinha.

Coloco aqui algumas das tantas lembranças pessoais por ser Luciano aquele sujeito que há mais de 40 anos frequenta nossa casa na hora do lazer e prazer. Todos têm momentos de alegria e tristeza trazidos pela linda voz de Luciano. Ele é da família. Ele nos contou quando fomos campeões. Ele narrou quando perdemos. Ele nos confortou quando apenas empatamos nesta vida que ele tanto venceu. Também por saber virar algumas derrotas.

Ele não parou em 2000. Não parou naquela tarde de 2003. Nem quando voltou para a Band, em 2006. Quando mal conseguia superar problemas de saúde para levantar da cama. E ainda assim levantava a audiência só de falar gol. Cesta. Ponto. Recorde. Record. Band. Bandsports. Globo. SBT. As rádios onde começou. As televisões onde implantou equipes de esporte. Onde criou ou recriou esportes. Onde inventou narradores, comentaristas, apresentadores, repórteres. Onde foi tão generoso com quem começava. Onde foi tão competitivo com quem tentava ser igual a ele.
 

 

Não conseguiram.

Ou, se dessem certo, ouviriam dele o respeitoso silêncio. Luciano era elegante. Quando discordava, silenciava. Quando gostava, gritava como se fosse gol.

Por isso ele é e será sempre referência. Merece ter toda transmissão da Band a ele dedicada. Ao menos um gol de Luciano por jornada esportiva. Um dos estúdios da Band em SP merece o nome dele. O do Show do Esporte, por exemplo, precisa ser chamado estúdio Luciano do Valle. Para não dizer ao menos um estádio. Um ginásio. Uma praça esportiva.

Luciano era o esporte. Qualquer esporte. Ele conseguiria inventar o Beach Basket. Ele narraria futebol de botão na TV. Ele faria qualquer coisa. Por saber fazer de qualquer coisa algo.

Sem bordão. Apenas emoção.

A mesma que, depois daquela conversa em Porto de Galinhas, por outros tantos motivos, o levou de volta aos centros mais agitados. Luciano não conseguia viver pelos ares.

Foi nos ares que sentiu o coração de tantas paixões. Pouco antes da Copa que tanto ele queria ver no Brasil. Não do jeito que será. Até por ter perdido muito da graça sem Luciano. Outro craque que deixa um mundial órfão. Como foi a Copa-06 sem Fiori, que foi dias antes. Como Pedro Luiz, mestre e descobridor de Luciano, nos deixou horas depois da final de 1998.

Como Luciano do Valle deixa órfão o microfone da Band. Ainda bem que os queridos Teo José, Nivaldo Prieto, Ulisses Costa, Oliveira Andrade, Carlos Fernando, Heverton Guimarães podem dar conta do recado.

Mas é claro que Luciano é o primeiro e único. Foi ele que fez da emissora o que ela é até quando ela não quis ser.

Bandeirantes, o Canal do Esporte. Tudo na conta de Luciano.

Esporte, o Canal de Luciano do Valle.

*Texto publicado originalmente no blog do Mauro Beting, no portal Lancenet.

Categorias
Sem categoria

Os conteúdos de formação – parte I

É consenso que a boa formação é uma das soluções para o desenvolvimento do futebol brasileiro nos próximos anos. Para isso, investir nas Categorias de Base em todos os âmbitos, da capacitação profissional às melhorias de infraestrutura, do trabalho interdisciplinar às ricas experiências competitivas, é a opção que os clubes têm encontrado para valorizar seus atletas, agregar valor à marca e se destacar no cenário nacional.

Sob o viés da componente técnica da modalidade os avanços são cada vez mais significativos. Se há cerca de 10 ou 15 anos, as competências trabalhadas na formação centravam-se no desenvolvimento dos diferentes fundamentos técnicos do jogo, atualmente, clubes de ponta do futebol brasileiro têm currículos de formação bem definidos com conteúdos específicos a serem ensinados nas diferentes categorias.

Neste espaço, em outras publicações, foi discutida uma proposta curricular com Conteúdos e Temas relativos ao desenvolvimento de jogadores mais completos, inteligentes e que atendam às demandas do futebol moderno. Para lembrá-los, os Conteúdos são os seguintes: Lógica do Jogo, Competências Essenciais do Jogo, Referências do Jogo, Nível Estratégico-Tático do Jogo, Funções no Jogo e Relação com Companheiros. Além disso, é válido mencionar também que o Jogo (em sua essência e complexidade) é o método de ensino utilizado em todas as sessões de treino.

Nesta semana, a proposta da vez consiste na distribuição destes conteúdos com algumas especificações em relação aos temas e sub-temas nas diferentes faixas etárias e categorias.

Fase de Transição Esportiva / Categorias Sub 11, 12 e 13
Por se tratar das categorias iniciais do trabalho de formação, as atividades nas equipes de transição esportiva podem fugir à lógica do jogo de futebol (sem alvos, com excesso de alvos, com regras “anti-lógicas”, com exclusividade de uso do membro não dominante).

Nestas categorias os atletas precisam aprender alguns conceitos gerais sobre o que é jogar bem a modalidade. Para isso, vivenciar em ambiente de jogo as competências essenciais (relação com a bola, estruturação do espaço e leitura de jogo) é fundamental. Então, nos diferentes jogos que os atletas estiverem submetidos, recorrentemente eles deverão ser questionados se estão aplicando bem as competências essenciais do jogo. Em caso de resposta negativa, provavelmente, o jogo aplicado estará num nível anárquico, correspondente a um baixo entendimento coletivo, natural para estas categorias.

Conceitos como aprender a jogar longe da bola, procurar por espaços vazios e ter a própria meta como referência defensiva precisam ser amplamente estimulados. Espera-se que quanto melhores os estímulos, mais qualificadas fiquem as escolhas e antecipações das ações para as diferentes situações-problema.

Nesta faixa etária, julga-se importante o conhecimento de algumas referências do jogo de futebol. Sendo assim, a vivência das plataformas de jogo básicas, 1-4-4-2, 1-3-5-2 e 1-4-3-3, a aprendizagem das zonas de risco (favoráveis às finalizações e cruzamentos), das faixas e linhas do terreno de jogo, o mecanismo de abertura do campo quando em posse e fechamento quando sem bola, devem ser competências adquiridas no treino. É necessário também fazer reconhecer e estimular, didaticamente, que o jogo de futebol possui dois momentos que, estatisticamente, definem os jogos: os contra-ataques (ou transições se optarmos por dificultar a linguagem).

Nestas idades, os meios táticos devem ser vivenciados progressivamente com a ciência de que alguns deles (pressing, ultrapassagem, mobilidade com trocas de posição,) ainda não conseguem ser aplicados em ambiente específico devido ao nível de desenvolvimento dos jogadores e a compreensão que têm do jogo. Ainda assim, os jogos conceituais devem ser utilizados para o aprendizado dos diferentes meios táticos ofensivos, defensivos e de transição. Ênfase aos meios táticos apoio, desmarque, mobilidade sem trocas, fintas e dribles, equilíbrio, compactação, recomposição, flutuação. No período final da transição esportiva, já na categoria sub 13, tabelas, amplitude, profundidade, penetração, retardamento, balanços defensivo e ofensivo devem ser aprendidos.

É tema de trabalho neste período da formação a aprendizagem defensiva a partir de múltiplas referências. O fato de jogadores chegarem ao início da especialização sem conceitos básicos de defesa como a organização coletiva para a marcação a partir da bola, dos adversários, do local do terreno e dos companheiros, justifica a necessidade da compreensão (e aplicação) destes conceitos.

As bolas paradas decidem jogos. Ainda mais nas categorias de base em que, infelizmente, disputam-se partidas em dimensões oficiais. Como o cumprimento da lógica do jogo de futebol é o norte de todo o processo de formação, criar maneiras de manter ou recuperar a posse, proteger ou atacar o alvo a partir das diferentes situações de bola parada e reposições são temas a serem treinados. Jogadas ensaiadas e possibilidades de reposição de acordo com as diferentes circunstâncias do jogo devem ser estimuladas para evitar situações de perigo do adversário e potencializar as da própria equipe.

Ainda nesta fase um tema que não pode ser esquecido é a aprendizagem de uma posição. Detectar o perfil do jogador que está inserido no processo de formação do clube e estimulá-lo principalmente em uma função não significa que o mesmo estará submetido à especialização precoce.

Neste período, enquanto o atleta aprende a fazer uma função e é estimulado numa gama de regras de ação que amplie seus recursos individuais de participação no jogo, detecta-se o potencial de desenvolvimento do atleta para o exercício de outras funções, cobradas num outro momento ao longo do processo.

Para concluir, o último conteúdo preconiza uma ampla utilização de jogos em pequenos grupos, de até 3 vs 3 jogadores. Somente na categoria sub-13, as situações de treinamentos devem proporcionar uma maior utilização de jogos em médios grupos, até 7 vs 7 jogadores. Quanto menos elementos, menos imprevisibilidade e complexidade no sistema. Como todos os jogadores estão em níveis iniciais de aprendizagem da modalidade, jogar em menor complexidade facilita a compreensão além de aumentar a densidade de ações técnicas, que estão em período sensível para serem aperfeiçoadas em especificidade.

Na próxima coluna que trate o tema, a proposta de conteúdos para a Especialização Esportiva, do sub-14 ao sub-17.
Agu
ardo sugestões, críticas e comentários. Abraços e até a próxima semana. 

Categorias
Sem categoria

Marketing irregular na Copa pode dar cadeia

Circulou o mundo a imagem de Neymar após a partida contra o Atlético de Madrid pelas semi finais da Champions League exibindo elástico de sua cueca com a marca Lupo. Tal atitude trouxe imensa publicidade gratuita para a marca brasileira.

Há algumas décadas os organizadores dos grandes eventos esportivos tem buscado privilegiar seus patrocinadores oficiais coibindo o chamado marketing de emboscada.

Marketing de emboscada consiste em estratégia publicitária para divulgar a marca de uma empresa em um evento não patrocinado por ela.

Para a Copa do Mundo de 2014 uma das exigências da FIFA é a proteção aos seus parceiros comerciais.

Diante disso, a Lei Geral da Copa criminaliza durante o evento ações de marketing de emboscada, conforme se apreende pela leitura dos artigos abaixo:

Marketing de Emboscada por Associação

Art. 32. Divulgar marcas, produtos ou serviços, com o fim de alcançar vantagem econômica ou publicitária, por meio de associação direta ou indireta com os Eventos ou Símbolos Oficiais, sem autorização da FIFA ou de pessoa por ela indicada, induzindo terceiros a acreditar que tais marcas, produtos ou serviços são aprovados, autorizados ou endossados pela FIFA:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano ou multa.

Parágrafo único. Na mesma pena incorre quem, sem autorização da FIFA ou de pessoa por ela indicada, vincular o uso de Ingressos, convites ou qualquer espécie de autorização de acesso aos Eventos a ações de publicidade ou atividade comerciais, com o intuito de obter vantagem econômica.

Marketing de Emboscada por Intrusão

Art. 33. Expor marcas, negócios, estabelecimentos, produtos, serviços ou praticar atividade promocional, não autorizados pela FIFA ou por pessoa por ela indicada, atraindo de qualquer forma a atenção pública nos locais da ocorrência dos Eventos, com o fim de obter vantagem econômica ou publicitária:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano ou multa.
Diante disso, eventual atitude semelhante à do Neymar em partida válida pela Copa do Mundo poderá levar o atleta à prisão, sem prejuízo a eventuais punições disciplinares.

Diante disso, eventual atitude semelhante à do Neymar em partida válida pela Copa do Mundo poderá levar o atleta à prisão, sem prejuízo a eventuais punições disciplinares.

Portanto, torcedores, atletas e publicitários devem ficar bastante atentos para que eventual ato promocional não termine na justiça criminal.

Categorias
Conteúdo Udof>Artigos

As retribuições econômicas do atleta brasileiro de futebol profissional: tipos e reflexos tributários no Brasil e no exterior

O presente trabalho visa compreender os diferentes tipos de retribuições econômicas percebidas pelos atletas brasileiros de futebol profissional e seus reflexos tributários, e, para tal, lança mão de uma breve trajetória histórica do profissionalismo no futebol brasileiro e trata algumas das particularidades do contrato de trabalho do atleta profissional e sua interação com a legislação atinente ao tema, bem como sua evolução ao longo dos anos.

Por fim, busca entender e elencar as especificidades da tributação dos diferentes tipos de retribuições econômicas recebidas pelos atletas de futebol profissional que são oriundas do vinculo empregatício motivado por conta de contrato de trabalho entre atleta (empregado) e entidade de prática desportiva (empregador), seja esta com sede no Brasil ou no exterior, bem como as obrigações perante o Fisco.

Para ler o artigo na íntegra, basta clicar aqui.