Categorias
Áreas do Conhecimento>Humanidades|Conteúdo Udof>Artigos Áreas do Conhecimento>Humanidades|Conteúdo Udof>Colunas Áreas do Conhecimento>Técnico Pedagógico|Conteúdo Udof>Colunas Artigos Colunas Colunas - Conteúdo Udof>Artigos Sem categoria

Rasgando a declaração dos direitos da criança

João Batista Freire & Rafael Castellani

Assistimos recentemente a um vídeo em que alguns pais vaiavam um garotinho de uns seis anos, aproximadamente, porque ele, brincando de ser goleiro durante um jogo entre crianças, tomou um gol. Cenas como essa, lamentavelmente, são mais frequentes do que imaginamos.   

No decorrer de nossa trajetória profissional, de décadas, como professores de Educação Física, lidando com a formação, acadêmica e cidadã, de jovens na Universidade, de crianças em escolas da educação básica e escolas de esporte, de jovens esportistas e com treinamento de alto rendimento em diversas modalidades, principalmente no futebol, cansamos de assistir cenas semelhantes às do vídeo em que o garotinho é vaiado. São cenas de humilhação e de abuso.

Crianças são frequentemente abusadas no esporte, ou porque são humilhadas, ou porque são submetidas a treinamentos exaustivos e de especialização precocemente, ou porque passam a ser responsáveis, desde muito cedo, pelo sustento da família, ou porque são agredidas verbalmente por pais, professores, técnicos, torcida.

São inúmeras as situações presenciadas por nós que denotam o quão abusiva e humilhante é, ou pode ser, a prática esportiva realizada por crianças e jovens: O que pensar quando um pai pula o alambrado e invade o campo para bater em uma criança que tinha feito uma falta no filho dele?  Por sorte esse pai foi contido a tempo por algumas pessoas com juízo, mas a violência já estava manifestada. Ou então, outro fato muito frequente, vaias e xingamentos de alguns pais contra o professor das crianças ou até contra as próprias crianças da equipe adversária.

Em 24 de setembro de 1990 o Brasil ratificou a Convenção Sobre os Direitos da Criança, que foi adotada pela Assembleia Geral da ONU em 20 de novembro de 1989. No artigo 31 dessa convenção, lê-se que “Os Estados Partes reconhecem o direito da criança ao descanso e ao lazer, ao divertimento e às atividades recreativas próprias da idade, bem como à livre participação na vida cultural e artística.” (O Brasil é um Estado Parte). No Artigo 32, a Convenção declara que “Os Estados Partes reconhecem o direito da criança de ser protegida contra a exploração econômica e contra a realização de qualquer trabalho que possa ser perigoso ou interferir em sua educação, ou que seja prejudicial para sua saúde ou para seu desenvolvimento físico, mental, espiritual, moral ou social.”

Em nosso país, ratificamos solenemente a convenção, mas, na prática, pouco se fez. Em 1990 criamos no Brasil o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e, apesar da sua importância e do avanço que significou para a proteção de crianças e adolescentes, ainda são diariamente desrespeitados, passam fome, morrem de doenças que não deveriam mais existir, recebem educação de péssima qualidade, meninos e meninas (principalmente) são violentadas dentro das próprias famílias. Tivemos avanços, sem dúvidas, mas o prejuízo ainda é gigantesco. Já não se permite mais o trabalho antes dos 16 anos (embora ele exista em alguns lugares), mas, no esporte, é diferente. No futebol, por exemplo, uma criança de 14 anos, ou menos, pode ser submetida a treinamentos quase idênticos aos que realizam atletas profissionais adultos. Para dar conta das inúmeras sessões de treinamentos e competições, perdem dias, semanas e até meses de aulas. Crianças de 14 anos deixam suas residências, seus familiares e amigos para morar em alojamentos dos clubes com a missão de representar aqueles poucos (cerca de 3%) que conseguem a profissionalização no futebol. Antes mesmo dos 14 anos, algumas crianças arcam com a responsabilidade de garantir o sustento da família e alimentam a esperança de ascensão social. Crianças que possuem o sonho de tornar-se jogador ou jogadora profissional de futebol, podem sofrer abusos (inclusive, sexuais) no ambiente nem sempre confiável e seguro do futebol. Geralmente silenciam sua dor e escondem seu sofrimento com medo de terem que interromper esse sonho ou frustrarem seus familiares. 

Um futebol que foi forjado em brincadeiras de rua, nos clubes proíbe a brincadeira, em nítido desrespeito à convenção da ONU ratificada pelo Brasil. Cada vez mais cedo ocorre a especialização esportiva. Já existe a categoria de crianças de 6 anos de idade (sub 7). Daqui a pouco sub-6, 5, 4… aonde chegaremos? Há projetos em análise que diminuem para 12 anos a idade mínima para uma criança poder alojar-se em clubes. Contratos são feitos clandestinamente com as famílias para garantir aos agentes a exclusividade dos negócios, caso a criança se torne jogadora habilidosa e tenha seu potencial reconhecido no mundo do futebol.

No futebol brasileiro, criança não pode ser criança. Aquilo que foi escrito na Convenção Sobre os Direitos da Criança da ONU foi rasgado e jogado no lixo. Deveria ser um caso para o Ministério Público (MP), Conselho Tutelar, Unicef, não só no futebol, mas em qualquer modalidade esportiva. Com raras exceções, sobretudo a partir de denúncias grandes/graves e de viés jornalístico, MP, Conselho Tutelar e demais instâncias responsáveis por garantir a segurança e direitos das crianças e adolescentes pouco têm conseguido fazer.               

Sem contar a estupidez dos métodos. Professores e treinadores, alimentados pelo ego e orgulho de “revelar” grandes talentos, impulsionados por alguns agentes inescrupulosos, adestram pequenas crianças para que alimentem os lucros dos gananciosos que, sem qualquer pudor, arrancam o couro dos pequenos e pequenas, sugam-lhes as entranhas em busca do ouro que elas podem representar alguns anos adiante. É preciso que tratemos as crianças como crianças. Que devolvamos o jogo a elas. Que possam voltar a brincar e se divertir com o futebol e, acima de tudo, que sejam respeitadas e tenham os seus direitos garantidos.

Categorias
Sem categoria

Por abordagens metodológicas que valorizem a qualidade, estilo e essência do futebol brasileiro

Por Eduardo Barros* & Rafael Castellani**

Tem sido frequente, nos clubes, imprensa e no âmbito acadêmico, muitos apontamentos que destacam a importância de resgatarmos a nossa identidade de jogo que, no decorrer do tempo, por questões multifatoriais, vem se perdendo. O problema é grave e as críticas, culpados e responsáveis, surgem de todos os lados. Para alguns, a culpa é dos treinadores profissionais que, pressionados por resultados ou influenciados por outras culturas de jogo, tem aplicado Modelos de Jogo que se distanciam das principais características do nosso futebol. Para outros, os responsáveis são os profissionais das categorias de base que não aplicam treinos de fundamentos, o que sempre foi um diferencial dos nossos principais atletas. Outros, ainda destacam que os empresários são os culpados, uma vez que influenciam os nossos jovens a perderem o prazer e a paixão pelo jogo. Vale, também, a crítica à distância entre o que é produzido pelos pesquisadores/cientistas e a realidade concreta nos clubes e escolas de esporte. Neste cenário, temos também a imprensa, que atua criticamente e não só escancara, mas potencializa, nossos problemas, pois alimenta um ciclo vicioso e reconhecido do futebol brasileiro: a falta de projetos de longo prazo, a busca a qualquer custo do resultado imediato e a excessiva demissão e rotatividade de treinadores em todos os níveis, mas, especialmente, no futebol profissional. Existe mais uma série de argumentos que expõem o distanciamento do melhor futebol brasileiro e precisamos ter clareza que uma questão de natureza complexa como essa não tem origem ou causa em somente um elemento.    

Diante de todo esse contexto, é notável em nosso jogo, menor ofensividade, movimento, beleza, arte, alegria, ginga e criatividade. Afinal, para que estes elementos estejam presentes, um ambiente favorável precisa ser criado. E será que existe alguma maneira de (re)criarmos, mesmo com tantos desafios e pressões, tal ambiente? 

O estímulo à qualidade, estilo e essência do futebol brasileiro passa, necessariamente, pela adoção de abordagens de ensino-aprendizagem-treinamento, em todos os níveis da modalidade (da Iniciação ao futebol Profissional), que tenham no Jogo, em sua essência, a principal ferramenta para o desenvolvimento dos jogadores. Além disso, é indispensável que o foco da abordagem seja dado a cada indivíduo em sua totalidade, num processo humanizado que explora as potencialidades e virtudes, permitindo que o talento de cada indivíduo tenha espaço para se manifestar.

Destacados especialistas da Pedagogia do Esporte no Brasil, como João Batista Freire, Alcides Scaglia e Wilton Santana, dentre outros, apontam que o Jogo é o melhor meio para a educação integral, logo esportiva, das nossas crianças e jovens que sonham em se tornar atletas profissionais de futebol. Logo, o jogo configura-se como elemento central do treino para que se promova a adaptação dos jogadores às diversas situações, de modo que percebam autonomamente as situações e “problemas do jogo”, adquiram propriedades para tomada de decisões e respondam às ações de companheiros e adversários (e suas interações).

Mais do que isso, como vemos destacando, é preciso, também, que a metodologia de treino adotada por treinadores dê conta de lidar com a imprevisibilidade, aleatoriedade e o ambiente caótico inerentes ao futebol, por conta da sua grande complexidade. É a prática cotidiana sob essas condições (de treino) que garantirá aos jogadores maiores possibilidades de desenvolverem e expressarem sua criatividade, a beleza dos seus gestos e dribles/fintas, sua ginga e um estilo ofensivo de jogo, algo que, por décadas, caracterizou o estilo/essência do futebol brasileiro.       

Com o avanço dos estudos no campo da pedagogia do esporte, muitas abordagens metodológicas foram propostas. Além dos professores supracitados (João Batista Freire, Alcides Scaglia e Wilton Santana), há tantos outros (Roberto Paes, Larissa Galatti, Julio Garganta, Claude Bayer e Pablo Greco, por exemplo) que, mesmo considerando as especificidades de suas proposições e teorias, corroboram a necessidade de ruptura com abordagens pedagógicas que fragmentam o jogo e que desconsideram a interferência de fatores complexos  no desenvolvimento da capacidade dos praticantes em compreender os fenômenos do jogo e intervir de modo inteligente nas situações que ele impõe aos praticantes.

Nesse sentido, gostaríamos de destacar uma destas abordagens que, no nosso entendimento, pode trazer grandes contribuições para que o futebol brasileiro resgate e manifeste, em maior proporção, elementos do nosso jogo que sempre nos identificaram futebolisticamente: a pedagogia da rua.

Desenvolvida por João Batista Freire e “alimentada” por tantos outros professores e treinadores, a pedagogia da rua é apresentada por Freire (2022) no seu mais novo livro “O jogo de bola na escola: introdução à pedagogia da rua”, como a teorização de uma prática realizada no ambiente da rua, entendendo-o como um espaço que extrapola os limites das calçadas. Rua, neste caso, é, também, os campinhos de várzea, as praias, as praças etc. Ou seja, não se trata de realizar uma transposição mecânica do futebol jogado na rua para as escolas de futebol e clubes, mas, ao pedagogizar essa prática, dotá-la de um método que qualifique e dê novo significado ao que se aprende e como se aprende a jogar futebol. Nesse sentido, “a pedagogia da rua não é a educação da rua” (FREIRE, 2022. p.40). Da mesma forma, não podemos tratar o futebol de rua ou o jogo de bola na rua como um sinônimo da pedagogia da rua. Mas a rua, como uma pequena sociedade lúdica, na qual inúmeros jogadores de futebol se formaram, sendo o principal espaço de aprendizagem de tantos craques brasileiros, produz conhecimentos e nos apresenta um processo de aprendizagem que podem ser levados às categorias de base dos clubes de futebol.           

O essencial é que essa pedagogia se baseie no jogo e na brincadeira, ou seja, no lúdico. A partir da expressão do lúdico e pelo resgate do prazer na prática do futebol (nada parecido com as filas intermináveis e repetitivas para realizar uma finalização, um passe ou driblar um cone), podemos formar atletas conscientes da sua prática e das suas ações durante o jogo, capazes de resolverem os problemas (do jogo) de modo inteligente, autônomo e criativo.

Se o ambiente da rua deve estar presente nos clubes de futebol brasileiros e, mais especificamente, em suas categorias de base, o que esperar das sessões de treinamento para as nossas crianças e jovens? O que nos vem à mente quando pensamos, quer tenhamos praticado ou não, o futebol de rua? Como levar a pedagogia da rua, na prática, para o clube?

Os treinamentos que buscam recriar o ambiente da rua precisam oferecer aos jogadores diversas características; e a liberdade, seguramente, é a principal delas. Mas como estimular a liberdade nas categorias de base? Estimulá-la, em hipótese alguma deve ser resumida à permissão para os jogadores de ataque poderem driblar quando invadirem ou estiverem no último terço do campo. Em contrapartida, não limitar ou, ao menos, ampliar a área de atuação de cada um dos jogadores é um importante passo, bem como permitir que o drible e outras jogadas de maior risco estejam presentes em todos os setores do campo. Um zagueiro deve, em seu processo de formação, passar por várias posições da modalidade. Nas sessões de treino, precisa ser estimulado a cumprir funções de lateral, de volante, de meio-campista e, inclusive, de atacante. Durante as atividades propostas pelo seu treinador, mesmo que inicie um determinado exercício como zagueiro, deve ter liberdade para tocar e passar, para jogar do lado direito e esquerdo, para atuar fora de sua posição e realmente jogar (e viver e sentir) o jogo em todas as suas possibilidades. Se estiver no campo de defesa e o drible for uma boa solução, precisa arriscá-lo. Se está sob pressão, mas tem um companheiro que abriu linha de passe na tentativa de sair jogando, deve tentar a ação, mesmo que erre. Imagine um zagueiro que receba o estímulo de poder driblar ou passar sob pressão, todos os dias, por 10 anos de categorias de base, do sub-11 ao sub-20. Compare com um zagueiro habituado apenas a buscar soluções simples e de baixo risco. A diferença de recursos entre um jogador e outro será significativa.

A liberdade é a chave para a autonomia, inteligência e criatividade! Quem se sente livre para jogar, desenvolve a tomada de decisão. A exposição à prática autônoma é o caminho para jogar bem e melhor, logo, de forma inteligente. E, parafraseando o criador da Pedagogia da Rua, João Batista Freire, como o jogo é o paraíso da imprevisibilidade (2024), pode ser também o paraíso da criatividade, ou das novidades que podem emergir como soluções para os problemas que o jogo impõe ao praticante que, por sua vez, tem liberdade para decidir e agir.

É importante deixar claro que o exemplo dado sobre os zagueiros se aplica a todas as posições, até mesmo ao goleiro. Já pensou se os goleiros, ao longo do processo de formação, treinassem sistematicamente (não todos os dias, claro) em diferentes posições na linha? Um goleiro que recebe ou precisa executar um passe ao longo do jogo e tem diferentes soluções como resposta aumenta o nível de jogo da sua equipe em comparação àquele que só tem o chutão como recurso? Treinar como jogador de linha auxiliaria o goleiro a desenvolver competências e habilidades que podem ser transferidas para a sua posição formal? Vale uma boa reflexão sobre esta questão…

Diferentemente do ambiente da rua, cujas relações, combinados e decisões são tomadas de modo diferente e pelas próprias crianças e jovens, os clubes de futebol contam com a atuação não só do treinador, mas de toda a comissão técnica, com mais ou menos integrantes, de acordo com a estrutura, tamanho e recursos de cada um. Pedagogizar o conhecimento produzido na, e pela, rua, e levar essa pedagogia às escolas de esporte e categorias de base dos clubes, além de servir à propósitos diferentes, significa atribuir ao adulto (o professor, treinador, dentre outros) papel protagônico na construção de um ambiente de treino que permita a liberdade (e não só) como forma de expressão da criatividade e de tomadas de decisão autônomas. Este adulto, no âmbito dos clubes de futebol, em especial nas categorias de base, pode ser qualquer profissional que faça parte da comissão técnica, mas centralizaremos, neste texto, na figura do treinador, por entendê-lo como principal líder de uma equipe esportiva.   

Nesse sentido, é fundamental que o treinador oportunize aos atletas a maior quantidade e mais diversas experiências possíveis, preferencialmente com bola, que se aproximem ao máximo das condições de jogo com as quais o jogador tem que lidar. Além de planejar tais situações de aprendizagens, como temos destacado, cabe também ao treinador incentivar e encorajar o drible, o improviso, a antecipação de uma jogada, ou seja, dotar seus atletas de liberdade para serem eles mesmos e expressarem sua criatividade a partir do estabelecimento de uma cultura de aceitação e compreensão do erro. Afinal, o erro é elemento indissociável do processo de aprendizagem.

Diante de todas estas responsabilidades do treinador, entendemos que este profissional precisa estar muito bem preparado para liderar um grupo de crianças ou jovens, praticantes de futebol. Será possível desenvolver jogadores e equipes criativas, ofensivas, móveis, versáteis, corajosas se o treinador não reunir e aprimorar estas características? Destacamos a necessidade de os treinadores terem a capacidade de (re)criar o ambiente da rua, com aquilo de bom que ela tem a nos oferecer pedagogicamente, em suas sessões de treinamento, no entanto, será que, via de regra, ofertamos um ambiente institucional favorável para o desenvolvimento dos treinadores alinhados ao estilo e essência do futebol brasileiro?

Como a prática do futebol está sendo realizada de forma supervisionada e orientada desde a infância, não será possível alimentarmos a qualidade, estilo e essência do futebol brasileiro se não houver um investimento significativo em nossos formadores. Eles são os guias, ou mediadores, para o surgimento, em maior escala, de melhores jogadores e melhor nível de jogo nas categorias de base.

O planejamento de atividades, as conversas iniciais e finais de cada treino, a disputa de competições, a construção da equipe, a gestão do grupo, as abordagens individuais, a condução dos exercícios, a gestão da comissão técnica, o cuidado, a atenção e o olhar para a formação integral dependem de uma liderança que tenha ampliado conhecimento sobre tudo que envolve o desenvolvimento humano e, também, das equipes de futebol.    

 Idealmente, um bom treinador não só tem ampliado conhecimento como busca aperfeiçoá-lo continuamente, atento às melhores práticas (pedagógicas, técnicas, de gestão, de comunicação, de liderança, de treino) aplicadas ao seu grupo de jogadores. Um bom treinador e sua equipe de trabalho irão colher informações-chave sobre cada jovem, como sua história de vida, sua educação formal, sua condição social e vão se valer dessas informações para balizar suas ações.

É neste contexto complexo e holístico, como a vida, que as novas bases para a (re)criação de um novo futebol brasileiro precisa estar fundada. É urgente a implantação de Modelos de Jogo que tenham como princípios a liberdade estrutural, a multifuncionalidade, o refino técnico, o jogo ofensivo, a ginga, a coragem e não só a permissão, mas o estímulo sistematizado da criatividade, individual e coletiva. Uma vez que o jogo é coletivo e é consensual a existência de equipes cada vez mais organizadas, compactas e sólidas defensivamente, não podemos resumir a criatividade às jogadas de efeito, de característica individual, como um drible ou uma finalização inesperados, que tem a possibilidade de definir uma partida truncada, mas também o direcionamento (se recorda que classificamos o treinador como um guia?) das ocupações do espaço pela equipe de modo que através dos passes, o meio técnico-tático mais utilizado no jogo de futebol, emerjam jogadas coletivas com potencial para desestruturarem as melhores defesas.  

E como cada equipe é constituída de seres únicos, treinadores e jogadores, seguramente estaríamos diante de Modelos de Jogo também singulares, autorais, dotados da beleza de não serem uma cópia ou adaptação de qualquer outro. Parece utópico? Sim! Mas é possível…

Vale destacar que há grandes equipes e treinadores que podem servir de referência para a implantação dos Modelos de Jogo em toda a realidade das categorias de base. Inclusive, quando abordamos a retomada da qualidade, estilo e essência do futebol brasileiro, reconhecemos que existem exemplos históricos que nos direcionam para um caminho que tem a cara do nosso povo, da nossa cultura e da nossa identidade. Que estes grandes exemplos, do passado ou atuais, sejam inspirações para os nossos formadores, da iniciação esportiva à porta de entrada para o alto rendimento.  

Sobre os autores:

*Eduardo Barros – Atual auxiliar técnico do Fluminense, já atuou na equipe principal da Seleção Brasileira e tem experiência tanto em categorias de base como no profissional em outros clubes: Athletico Paranaense, Coritiba, Juventude, Grêmio Novorizontino, Audax-SP e Oeste. Possui a Licença PRO de treinador da CBF Academy, sendo bacharel em Educação Física (Unicamp) e pós-graduado em Administração de Empresas pela FGV. Ele também é consultor pedagógico na Universidade do Futebol.

**Rafael Castellani – Atualmente é professor da CBF Academy, líder do grupo técnico pedagógico da Universidade do Futebol e Pesquisador Colaborador do Instituto Nacional de Ciências e Tecnologia de Estudos do Futebol Brasileiro. Possui licenciatura em Educação Física (Unesp), mestrado em Educação Física & Psicologia do Esporte (Unicamp) e doutorado em Psicologia Social & Psicologia do Esporte (Usp).

Categorias
Áreas do Conhecimento>Técnico Desportivo|Conteúdo Udof>Artigos Áreas do Conhecimento>Técnico Desportivo|Conteúdo Udof>Colunas Artigos Biblioteca Conteúdo Udof>Artigos Conteúdo Udof>Biblioteca|Sem categoria Conteúdo Udof>Entrevistas|Sem categoria Entrevistas Entrevistas Sem categoria Sem categoria|Conteúdo Udof>UdoF na Mídia

PONTO CEGO – PARTE 3

Entenda o ponto cego que bloqueia progressões consistentes

Intrigado pelas instabilidades recorrentes que prevalecem em constante renovação nos clubes de futebol do território brasileiro devido às frequentes decisões superficiais voltadas a tão somente desqualificar treinadores profissionais, este estudo se orientou em revelar os efeitos colaterais desencadeados por transições de comando técnico durante o período competitivo. Curiosamente, muito embora a expectativa original por trás das decisões de mudança de liderança técnica condicione o pensamento convencional a acreditar que exista um suposto atalho ao sucesso, as experiências práticas testemunhadas por 30 profissionais ligados a uma múltipla variedade de comissões técnicas ao longo de suas carreiras no futebol brasileiro e internacional manifestaram uma direção oposta à expectativa dos dirigentes e da opinião pública. Isto é, contrário aos argumentos superficiais defendidos por quem frequentemente descarta treinadores sem embasamento objetivo no país, o desempenho e o rendimento esportivo de uma equipe profissional de futebol tendem a se reprimir, e não a progredir, mediante a volatilidade do seu comando técnico.

Ao encarar uma série de restrições e limitações desafiadoras durante as trocas de treinadores, os profissionais que operam nos bastidores da estrutura esportiva cultivam alternativas inovadoras para assimilarem, lidarem e se ajustarem tanto às rupturas de suas rotinas quanto aos distúrbios causados no processo de evolução coletiva. A escala e a direção desses distúrbios são impulsionadas por distintas combinações de expectativas, práticas de trabalho e comportamentos conflitantes nos domínios individual e coletivo da organização. Fundamentalmente, (uma ou mais) alterações de comando técnico ao longo da mesma temporada moldam uma cultura de restrições contraprodutiva para o clube, cujos efeitos colaterais afetam a mútua colaboração necessária para um melhor desenvolvimento esportivo com o capital humano que sustenta a cadeia de valor da instituição.

Líderes organizacionais que confiam no processo emergente de excelência coletiva tendem a empoderar o potencial humano e promover uma comunicação autêntica, a fim de apoiar uma mudança organizacional positiva. Nesse sentido, uma “mudança positiva” para um clube de futebol profissional representaria uma oportunidade de superar limitações pré-existentes, como os obstáculos já mapeados, antecipados e até bem conhecidos dentro de uma temporada competitiva. Para efeitos práticos, o treinador – aquele que foi inicialmente selecionado e empregado para liderar a equipe principal – receberia a confiança e o respaldo necessários para otimizar as interações com a cadeia de profissionais pertencente à estrutura esportiva da organização. Desse modo, uma “mudança” não deveria ser entendida como uma reposição de nomes em diferentes cargos, seja no posto do treinador ou qualquer outra função dos bastidores, pois tal decisão apenas se manifesta com a finalidade de transferir uma suposta culpa a uma única pessoa (ou grupo de pessoas, no caso de uma demissão de toda a comissão técnica) frente a cenários desafiadores durante a temporada. Pelo contrário, a “mudança” deveria se relacionar ao realinhamento de atitudes e/ou comportamentos entre os colaboradores do clube. Tal situação pode ser percebida como uma tensão positiva que fomenta padrões de aprendizado e inteligência coletiva. Ou seja, quando tratado devidamente como um organismo coletivo, um clube de futebol representa um sistema de tensões que alavanca possibilidades de progressão, em vez de uma entidade estática bloqueada pela reincidência de restrições.

Com base nesse raciocínio, os entrevistados reconheceram que os treinadores dependem prioritariamente de relações prósperas, tanto dentro como fora de campo. Para influenciar os padrões comportamentais de suas equipes, assim como o seu estilo de jogo competitivo mais desejado no contexto do futebol profissional, espera-se que os treinadores tenham condições de se envolver com treinamentos e métodos fluídos, sequenciais e reflexivos como parte do processo esportivo. Dessa forma seria possível oferecer um potencial de construção consistente dentro do clube. Entretanto, tão logo alterações de liderança técnica são impulsionadas com frequência durante a competição, o rendimento esportivo evidentemente demonstra uma contradição entre os distúrbios desencadeados por comandos voláteis e o cenário ideal defendido pelos especialistas das áreas de saúde e desempenho humano.

Dado o senso de urgência, impaciência e vulnerabilidade em que os treinadores profissionais de futebol operam, tensões fundamentais são originadas a partir de diferentes prioridades na relação de um novo treinador com os bastidores da estrutura esportiva. Embora o novo treinador carregue a expectativa de produzir sinais de melhoria imediata (a todo momento enquanto permanecer empregado), os profissionais do clube reconheceram que tensões podem vir à tona devido ao fato do seu foco estar voltado ao desenvolvimento dos jogadores em prazos superiores ao do novo treinador. Além disso, os profissionais também identificaram que, ao invés de transformar tensões em possibilidades de progressão, as trocas de treinadores involuntariamente criam uma cultura de restrições que permeia todos os participantes do processo esportivo. Nesse tipo de cultura contraprodutiva, comportamentos (auto)defensivos que visam reter o poder e o controle prevalecem nítidos entre os líderes da organização, como no caso dos dirigentes de clubes de futebol. Frequentemente, tais comportamentos contribuem para a formação de um sistema subdesenvolvido, cujo rendimento insatisfatório espelha os receios da liderança organizacional em atender novas normas e superar pressões internas. Ou seja, em vez de aceitar os desafios e possibilitar progressões com consistência, a cultura de restrições representa um contexto que reduz o potencial de colaboração humana.

Não se trata tão somente de cessar as oscilações de comando técnico ou de manter o(s) mesmo(s) treinador(es) empregado(s) ao longo da(s) temporada(s). Tal alegação se posicionaria tão superficial e irrealista quanto as decisões de descartes recorrentes e já proliferadas no território brasileiro. Na prática, a continuidade de um processo esportivo se baseia menos na estabilidade e mais na adaptabilidade de interações entre os agentes e suas estruturas. Sem testemunhar esforços mútuos entre a liderança e a rede de conexões internas da organização esportiva, torna-se menos provável que as restrições organizacionais sejam reformatadas rumo a possibilidades de transformação por meio da inteligência coletiva. Por exemplo, um novo treinador pode querer repetir a mesma escalação na sua equipe, utilizando os mesmos jogadores em partidas consecutivas, mas os profissionais da estrutura esportiva devem contabilizar e ponderar as demandas competitivas anteriores, assim como qualquer excesso de viagem ou ausência de descanso que possam conjuntamente afetar a recuperação dos jogadores entre as partidas em questão. Do mesmo modo, um novo treinador pode tentar persuadir um jogador que esteja se recuperando de uma lesão a pular etapas no seu período de transição e logo participar de sessões de treinamento mais intensas no campo, porém os profissionais da estrutura esportiva devem seguir rigorosamente os protocolos e critérios definidos pelas áreas de saúde responsáveis, a fim de assegurar que o jogador retorne ao campo somente quando apresentar as condições mais adequadas e realistas aos seus parâmetros individuais.

Apesar dos entrevistados terem reforçado a importância em saber inspecionar e orientar uma equipe de jogadores como uma complexa rede de interações humanas e movimentos comportamentais no campo (tanto em treinos como em competição), eles também enfatizaram como um novo treinador tende a se guiar por uma mentalidade defensiva na confecção do seu estilo de jogo, utilizando um pensamento convencional que o faz acreditar ser preferencial (e mais provável) evitar derrotas a fim de proteger o seu emprego. Contraditoriamente, entretanto, jogar com o foco na defesa costuma gerar menos controle da bola e condicionar espaços mais apertados para minimizar as ações do adversário, afetando as possibilidades de movimentos criativos com a bola para aumentar a precisão das oportunidades ofensivas durante os jogos.

Seguindo a argumentação dos entrevistados, conforme os novos treinadores priorizam os seus próprios métodos e preferências com o objetivo de reafirmar a sua posição hierárquica na instituição, os profissionais alertaram que repentinas modificações metodológicas representam um fator de risco desnecessário para o desenvolvimento dos jogadores. Particularmente durante a temporada competitiva, há relatos na literatura acadêmica sobre redirecionar a periodização de treinos de força com alternativas mais eficientes na aplicação de cargas segundo as condições individualizadas de cada jogador. Contudo, tanto o tempo disponível para treinamentos quanto o monitoramento de cargas nas sessões de treino são substancialmente afetados no contexto do futebol brasileiro, o que potencialmente leva os especialistas das áreas de saúde e desempenho humano a testemunharem maiores riscos de lesão, danos musculares e estresse fisiológico. Na prática, o processo voltado a monitorar as cargas de treinamento se destaca como um aspecto primordial nos bastidores de uma equipe de alto rendimento, sobretudo a fim de apoiar efetivamente a recuperação fisiológica e psicológica dos jogadores. Portanto, quando as prioridades do clube são subestimadas devido ao favorecimento orientado por trocas de treinadores, a impaciência míope que força resultados inevitavelmente compromete as estratégias de prevenção de lesões e controle de cargas durante a competição.

Canalizando os efeitos colaterais ao domínio individual dos entrevistados, tornou-se revelador como as alterações de comando técnico refletem um fenômeno problemático aos colaboradores do clube, tanto por uma perspectiva profissional quanto pessoal. De um modo geral, os membros dos bastidores da estrutura esportiva absorvem múltiplas ramificações que restringem o seu tempo, a sua confiança e os seus incentivos. Tais restrições travam a condução de tarefas de alta relevância para a organização. Por exemplo, monitorar e instruir apropriadamente os jogadores, resguardar os protocolos internos entre as áreas de apoio à comissão técnica, assim como estimular decisões com base em evidências contextualizadas aos jogadores e à equipe. Na realidade, a pressão absorvida pelos profissionais tende ainda a sofrer sobrecargas devido à incerteza da continuidade de seus empregos, à subjetividade dos estilos de liderança, além de contradições metodológicas originadas pela sucessão de comandos técnicos vulneráveis.

Ameaças iminentes são expostas ao entendimento dos entrevistados tão logo eles compartilham necessidades de apoio junto a novos treinadores que extrapolam a sua resistência frente às práticas já implementadas no clube, prejudicando a qualidade da comunicação interna no processo esportivo. Contraídos por um comportamento que limita o potencial humano ao invés de alavancar oportunidades rumo ao melhor rendimento, torna-se plausível reconhecer como lideranças que favorecem a imposição de metas e opiniões precipitadas acabam por gerar um senso de dúvida, impactando as relações interpessoais entre os profissionais que tentam preservar algum nível de consistência durante a temporada. Lamentavelmente, até mesmo os efeitos prejudiciais às condições de saúde dos colaboradores do clube aparentam passar despercebidos (tanto a eles próprios quanto aos líderes da instituição) conforme as trocas de treinadores se materializam, transportando desafios que ameaçam iniciativas de cuidado pessoal em longo prazo. Nesse cenário de descuido com o ser humano que ocupa distintas funções na estrutura esportiva, destacaram-se o enfraquecimento da (auto)confiança e da motivação, além de potenciais sintomas de esgotamento (burnout).

As noções de colaboração e aprendizagem mútua são reiniciadas a cada substituição de comando técnico. Sobretudo em cenários mais agravantes, caso o novo treinador centralize as decisões e articule ideias conflitantes, os profissionais da estrutura esportiva testemunham restrições em suas tentativas de estabelecer rotinas de trabalho, temporariamente repriorizando suas responsabilidades de modo a se adequarem ao novo regime de liderança. Além disso, o receio imposto por relações menos familiares e o desequilíbrio de poder na hierarquia do clube também atrapalham os esforços dos colaboradores em suas tentativas de harmonizar o ambiente e minimizar discordâncias com a maior cautela possível.

Essencialmente, o inevitável desentrosamento de práticas e comportamentos no trabalho conjunto entre o treinador, a comissão técnica e os demais especialistas das áreas de saúde e desempenho humano empregados pelo clube acaba por exigir e depender do “tempo” como um componente chave à sinergia. A partir do “tempo” como recurso prioritário, o processo que fomenta a excelência coletiva na rede de conexões que circunda o comando técnico poderia, enfim, progredir rumo a um desenvolvimento mais integrado e consistente. No entanto, a realidade que impulsiona as frequentes trocas de treinadores no território brasileiro oferece o “tempo” como um recurso renovável apenas nas oportunidades em que as especulações de curto prazo sejam atendidas com resultados numéricos favoráveis. Caso contrário, os profissionais que transitam nos bastidores demonstraram estar cientes que uma próxima mudança de comando torna-se previsível e que, novamente, acarretará distúrbios nas suas tentativas de construção de hábitos dentro do clube. Visto como os colaboradores são capazes de antecipar a repetição desse mecanismo, eles próprios aparentemente revisam a sua compreensão de práticas institucionais e passam a desempenhar comportamentos adaptáveis às transições de liderança. Isto é, enquanto os efeitos colaterais são negligenciados pelos dirigentes do clube, a ilusão de um atalho ao sucesso é renovada conforme os treinadores entram e saem do comando.

CONCLUSÃO

Este estudo buscou explorar uma área de notável relevância ao desempenho esportivo de uma equipe de futebol no contexto do alto rendimento brasileiro, direcionando o foco da investigação a um ângulo tipicamente ignorado pelas discussões sobre trocas de treinadores profissionais. Em suma, ao analisar os efeitos colaterais que são involuntariamente desencadeados aos domínios coletivo e individual da organização (nesse caso, um clube de futebol), o estudo fez-se valer de depoimentos substanciais para explicar as ramificações escondidas pelas mudanças de comando técnico, cuja reincidência inevitavelmente afeta o desempenho dos jogadores e dos profissionais que transitam nos bastidores da estrutura esportiva do clube. Fundamentalmente, uma cultura de restrições imposta por práticas de trabalho e comportamentos conflitantes revelou como os jogadores tendem a interagir, treinar e atuar durante a temporada competitiva mediante oscilações no regime de liderança. Ademais, os colaboradores que integram a comissão técnica e as áreas de saúde e desempenho humano demonstraram como novos treinadores frequentemente desafiam os seus compromissos, dificultando a construção de rotinas e práticas comportamentais que possam solidificar uma consistência interna ao desenvolvimento de longo prazo.

Embora o estudo justifique a continuidade, a harmonia e o entrosamento das lideranças técnicas junto às instituições que decidiram empregá-las para a condução de (pelo menos) uma mesma temporada, o conteúdo apresentado não pretende acomodar qualquer ingenuidade que possa desconsiderar trocas de profissionais em cenários onde líderes e colaboradores interagem por objetivos coletivos. Visando equipar uma plataforma de argumentação baseada em experiências confiáveis, este estudo revela o impacto colateral gerado por mudanças de treinadores durante a temporada competitiva. Portanto, os líderes organizacionais (nesse caso, os dirigentes dos clubes de futebol do Brasil) deveriam defender, preferencialmente, uma avaliação substancial nos bastidores da estrutura esportiva antes de uma eventual tomada de decisão sobre o treinador do momento. Isto é, ao questionar as potenciais ramificações e consequências internas que podem comprometer o presente e o futuro esportivo da instituição, torna-se mais realista evitar uma turbulência desnecessária aos domínios que valorizam efetivamente as prioridades do clube.

Dentro e fora de campo. Com e sem a bola. O futebol reflete, enfim, um jogo de comportamentos cujo progresso depende do entrosamento entre os seres humanos que colaboram pela mesma cadeia de valor.

“A prosperidade é a melhor protetora de princípios.”

Mark Twain

Para acessar o estudo completo, clique aqui.

Categorias
Áreas do Conhecimento>Técnico Desportivo|Conteúdo Udof>Artigos Áreas do Conhecimento>Técnico Desportivo|Conteúdo Udof>Colunas Artigos Conteúdo Udof>Artigos Conteúdo Udof>Artigos|Conteúdo Udof>Grupos de Estudos>CEFOR-UFJF Conteúdo Udof>Entrevistas|Sem categoria Sem categoria

PONTO CEGO – PARTE 2

Observe os efeitos colaterais das mudanças de treinadores

Sob uma perspectiva teórica, esta investigação qualitativa explora as recorrentes instabilidades ocasionadas por mudanças de comando técnico durante a temporada competitiva. Para engatar o raciocínio, este estudo compreende que uma organização esportiva deve representar não somente uma hierarquia estável, mas sobretudo uma rede de conexões sociais em constante mutação. Tais conexões envolvem colaboradores que compartilham distintas influências em cadeia, potencialmente moldando um sistema próspero a se destacar com consequências positivas. Aproximando-se a uma abordagem paradoxal, tensões e oposições organizacionais tendem a surgir como partes de um processo emergente que desafia suposições convencionais por meio da colaboração criativa e do aprendizado coletivo. Consequentemente, a ênfase interna se desloca a partir das restrições organizacionais rumo às possibilidades de aprimoramento contínuo. Isto é, a realidade das limitações numa organização esportiva deve ser tratada como uma possibilidade para alavancar a sua transformação por meio do capital humano presente na cultura organizacional. Portanto, ao enxergar um clube de futebol como um organismo coletivo, torna-se possível examinar e compreender os efeitos colaterais provenientes das transições de treinadores no âmbito profissional.

Apesar dos entrevistados identificarem um viés positivo entre as múltiplas interações e experiências acumuladas enquanto os mesmos trabalharam com um elevado número de treinadores ao longo de suas carreiras, os resultados deste estudo revelam os efeitos colaterais, indiretos e não-intencionais originados pelas decisões que optam por mudanças de comando técnico no meio da(s) temporada(s) do futebol brasileiro. A fim de replicar os depoimentos dos entrevistados com maior assertividade e sem comprometer o anonimato dos seus testemunhos, o texto apresenta uma série de palavras e frases entre “aspas”, que destacam as informações devidamente associadas ao processo de análise do conteúdo qualitativo neste estudo acadêmico. Ademais, citações individuais com maior aprofundamento também foram utilizadas para enaltecer em detalhes algumas das experiências dos profissionais.

Interrogando os efeitos colaterais sobre o desempenho da equipe:

  • No domínio coletivo, como as mudanças de treinadores afetam o desenvolvimento dos jogadores?

ESTILO DE JOGO PRAGMÁTICO

Inicialmente, os entrevistados reconheceram como as reposições contínuas de treinadores levam os próprios líderes técnicos a cultivarem um senso de pragmatismo dentro de campo durante os seus compromissos com tempo limitado no cargo. Empregados, porém cientes do perigo constante de demissão, “os treinadores implementam um jogo mais pragmático, procurando se defender para correr menos risco possível”. Ao endossar “um comportamento que é menos ousado, menos criativo e menos arriscado”, eles optam por atuar com alternativas mais simples e seguras, originando “um jogo feio e defensivo”. Supostamente, os treinadores minimizam a criatividade de seus jogadores e a evolução de suas equipes para implementarem um jogo reativo, cuja prática afeta o fluxo de informações proativas dentro de campo. Três entrevistados exemplificaram o raciocínio que permeia a prática:

“Existe uma relação muito próxima com a qualidade do futebol no país. O medo de treinar e do resultado que o jogo gera nos treinadores se reflete num jogo mais reativo. Nisso, pensando em longo prazo (o que para mim está muito claro), o futebol brasileiro está caminhando para a decadência muito em função dessa busca incessante pelo resultado. Quando você pensa só no resultado, você não desenvolve, você não promove criatividade. Você não valoriza o trabalho pelo que o jogo apresenta, você valoriza o trabalho só pelo resultado. E aí todo mundo quando entende o mecanismo, por mais corajoso que seja, começa a viver o sistema, começa a jogar em função do que o sistema apresenta. Eu já vi treinadores criativos mudando o jeito de jogar em função do que essa cultura impõe.”

“Eu vejo que os treinadores e as comissões técnicas no Brasil têm uma ideia sobre como trabalhar com alguns conceitos e comportamentos para melhorar o futebol do clube. Ao mesmo tempo, assim que os primeiros resultados negativos aparecem (e você já sabe que está num ambiente instável), a comissão não concentra toda a sua energia no desenvolvimento da equipe, mas sim em vencer a próxima partida para manter o emprego. Eu acho que isso afeta totalmente a qualidade do nosso jogo, porque sem ideias, sem treinamentos e sem tempo para maturar as ideias, nós não vamos melhorar o nosso futebol. E como a gente necessita desse resultado a curto prazo, muitas vezes você abdica das suas ideias para entregar o resultado. Você abdica, por exemplo, de tentar melhorar os jogadores individualmente, ou coletivamente, para focar no resultado do fim de semana. Isso vai virando uma bola de neve, porque o seu time não vai apresentando uma evolução, um futebol melhor com o passar do tempo, e você fica mais concentrado no resultado do que no processo de desenvolvimento da equipe.”

“A autoestima do treinador brasileiro é muito arranhada em decorrência dessas trocas. O jogo brasileiro ficou um jogo feio, um jogo difícil? Claro! O cara tem contas a pagar, tem família a sustentar. Aí ele vai jogar domingo fora de casa e vai colocar o time lá na frente sabendo que, se ele perder, na segunda-feira ele estará demitido? Como você espera que o cara vá propor o jogo? Quem propõe o jogo são as pessoas que têm multas altíssimas nos seus contratos. É isso o que ocorre, não agora, há muito tempo você vê jogos chatos no Brasileirão. É esse o esquema. Aí esse treinador é defensivo, vai se rotular que esse treinador não sabe colocar a equipe para jogar na frente. Ele sabe sim, mas ele sabe muito mais que, se ele perder, na segunda-feira ele vai estar desempregado e muito preocupado em pagar as suas contas.”

DIVERGÊNCIA METODOLÓGICA

Substituições repentinas de treinadores durante a mesma temporada também tendem a desequilibrar metodologias de treinamentos, prejudicando a evolução dos jogadores devido a divergências em torno das características e preferências entre distintas lideranças. Conforme assinalado pelos profissionais, “existem claramente perdas entre treinadores com perfis opostos”, pois os jogadores devem responder a “diferentes metodologias que afetam o seu desempenho”. Mesmo quando há semelhanças no perfil do líder técnico, “trata-se de um processo lento e perigoso durante a competição” devido à probabilidade de mudanças radicais em métodos e rotinas. Dois entrevistados aprofundaram a explicação:

“A gente sabe que precisa de continuidade para implantar um trabalho de ordem técnica ou física para desenvolver um atleta, mas hoje em dia não tem como desenvolver um trabalho, qualquer que seja a ordem. O atleta está em constante mudança de metodologias durante o ano inteiro. Não tem como. São formas e métodos diferentes, isso dificulta muito. A gente já tem a dificuldade normal do calendário com constantes viagens e jogos, sendo poucas semanas inteiras de trabalho para recuperar o atleta, dar uma base de maior sustentação ou melhorar um pouco a força, por exemplo. A gente já tem um trabalho de quebra-cabeça tão grande e a troca do treinador dificulta ainda mais para saber qual é a prioridade. Se é a manutenção no cargo, se é o desenvolvimento do atleta, a prevenção de lesão, a recuperação, ou botar ele para jogar de qualquer forma para ganhar o próximo jogo. Com certeza o desempenho fica em segundo plano.”

“Quando se troca toda a comissão, por mais que eu chegue ao clube, olhe o relatório e dê sequência, sempre existe algo diferente no que se faz, no dia-dia, nas influências em como fazer as coisas. Por exemplo, se um novo treinador executa um trabalho para a sua equipe ficar mais rápida dentro de um curto espaço de tempo, essa abordagem talvez não se sustente com um embasamento adequado de preparação. Mais tarde, se outro profissional vier a substituí-lo com um pensamento ou proposta diferente, haverá um prejuízo estrutural. Você vai fazer mudanças e com isso começam as lesões musculares, porque a solicitação neuromuscular foi orientada e praticada pelo atleta num momento em que ele ainda não estava preparado para isso. Quando há continuidade, a tendência é não ter tantos problemas, mas quando se troca tudo, vai depender das circunstâncias, dos relatórios, de quem analisa. Portanto, é um pouco mais complexo. Não é assim: ‘mudou, não tem problema.’ Tem problema sim!”

Os profissionais alertaram que as transições de treinadores tendem a elevar os riscos de negligência sobre as estratégias de controle de carga e prevenção de lesões já implementadas nos bastidores do clube. Isto porque a variação metodológica que acompanha uma mudança de comando técnico no meio da temporada pode aumentar as incidências de fadiga, reclamações de ordem física, bem como lesões em curto prazo. Ao encarar distintos métodos de treinamento, “o corpo do atleta é o componente que mais sofre, pois uma alteração de conduta se reflete nos estados físico e cognitivo dos jogadores”. Portanto, “se a carga de trabalho é aumentada devido a um sistema de jogo diferente, as consequências serão sentidas pelo organismo dos atletas, já que eles ainda não se encontram prontos para a nova demanda”. Dois entrevistados complementaram a manifestação de uma divergência metodológica ocasionada pela troca de treinadores:

“Eu vejo um impacto muito grande, principalmente nas primeiras semanas de trabalho de um novo treinador, porque a rotina dos atletas muda completamente. Por exemplo, o antigo treinador só treinava pela manhã, mas agora eles treinam no período da tarde. Ou então, o preparador físico que só trabalhava com os jogadores na academia agora passa a sessões funcionais no campo. Tudo isso obviamente impacta os atletas e respinga na gente. Vai sobrar para nós aqui na fisioterapia, sabe? Esse impacto com uma nova comissão técnica é nítido para mim porque os sintomas dos jogadores aumentam muito na minha demanda da fisioterapia. Eu catalogo todas as informações de entrada e saída dos atletas no nosso departamento, a frequência de cada um atendendo o trabalho preventivo, então eu consigo perceber a diferença.”

“Você pode ter duas metodologias excepcionais, só que elas são diferentes. Se você quebrar a primeira e colocar a segunda, por melhor que elas sejam, vai demorar para fluir. Além disso, o clube geralmente muda a comissão toda, agravando ao mesmo tempo as exigências técnicas e físicas. Para você alterar isso, são meses de trabalho, não é de um dia ao outro. Mudar a carga de trabalho por um novo sistema de jogo tem uma repercussão grande no organismo do atleta. Ele está pronto para aquilo? O que eu acho que falta é justamente o clube pensar a médio e longo prazo. Não é apenas o treinador que faz a diferença, mas sim todo esse processo e estrutura metodológica do clube pela manutenção de uma filosofia que possa obter rendimento.”

ATRASOS NO ENTROSAMENTO DA EQUIPE

Ainda sob o viés do desempenho coletivo, as mudanças de liderança técnica são percebidas como uma medida disfuncional e contraprodutiva para construir sinergia entre os jogadores, considerando que, em geral, os treinadores trabalham predominantemente com uma mentalidade de curto prazo e baseada em relações superficiais. Segundo os entrevistados, o clube deveria defender uma consistência de “treinos, jogos e revisões sequenciais”, caso contrário “os jogadores ficam sobrecarregados com diferentes estímulos até conseguirem se acostumar a um novo posicionamento, estilo ou proposta de jogo”. Afinal, “as grandes construções de equipes levam temporadas de trabalho conjunto, mas no Brasil o treinador está muito suscetível à demissão, por isso não existe coesão de grupo significativa”. Expressando suas preocupações sobre como a interatividade dos jogadores pode ser afetada, três profissionais fizeram questão de explicar o desfecho que se repete com frequência em clubes do Brasil:

“A mudança do treinador retorna os jogadores à estaca zero, onde uma minoria se privilegia, mas essa oscilação é muito mais maléfica do que benéfica. Ela freia a evolução de alguns atletas. Um jogador serve, outro não. Um recebe mais ou menos afeto, levando a uma queda técnica, física e tática. Isso é muito evidente. A perda de confiança e de qualidade nos assusta ao ponto que nós (da comissão) nos questionamos se estamos trabalhando com os mesmos jogadores que já havíamos visto antes. É muito prejudicial essa troca de treinadores porque ela não favorece a evolução do futebol como um todo.”

“O grande problema que eu vejo é na proposta de jogo e na função que os atletas têm que desempenhar, porque muitas vezes um atleta que está acostumado e adaptado a uma função acaba tendo que executar uma outra função e ter um outro estímulo com a mudança de treinadores durante a competição. Isso acaba sobrecarregando o atleta. O que a gente vê empiricamente é que alguns atletas sofrem para se adaptar a uma nova proposta de jogo.”

“Como funcionários do clube, a gente vai convivendo com os jogadores do grupo e entendendo o comprometimento de cada um no dia-dia. Aí, por exemplo, chega um novo treinador que quer resgatar alguns jogadores que já passaram por outros treinadores sem dar resposta alguma, sem mostrar compromisso nem mesmo com o grupo. Esse novo treinador acha que ele vai resolver, insistindo em alguns jogadores que nós que já estamos ali há mais tempo temos certeza que não vão funcionar. Você explica, dá exemplos, cita várias situações que já aconteceram, mas às vezes o novo treinador não acredita. Nessa você vai perdendo três ou quatro jogos com um e com outro, porque todos acham que vão conseguir, seja com a maneira de trabalhar ou com o discurso. Só que você não tem mais tempo, porque você joga todo dia, entendeu? Então você acaba atrasando o processo. De repente se deixassem um mesmo treinador que efetivou o elenco e pode entregar um melhor desempenho, eu acho que é um caminho mais fácil.”

PONTO CEGO: A CULTURA DE RESTRIÇÕES ORIGINADA PELAS TROCAS DE TREINADORES

Interrogando os efeitos colaterais sobre o desempenho individual:

  • No domínio individual, como as mudanças de treinadores afetam os profissionais ligados à comissão técnica?

RUPTURA INTERNA

Ao reposicionar o foco da argumentação ao trabalho dos próprios profissionais que navegam pelos bastidores da estrutura esportiva (ou seja, comissão técnica e especialistas das áreas de saúde e desempenho humano), tornou-se possível identificar como as suas práticas laborais são expressamente interrompidas quando os dirigentes do clube permitem que um novo treinador assuma o controle absoluto das operações internas. Após uma troca de liderança técnica, os entrevistados argumentaram que eles devem “convencer o novo treinador a respeito do que já está estabelecido, reafirmando ideias e protocolos”, cuja reincidência contribui para gerar “um estresse interno”. Apesar dos seus esforços em implementar práticas institucionais, caso o novo treinador discorde dos métodos apresentados, “tudo vai por água abaixo, mas os dirigentes do clube pouco se importam com isso”. Agindo com tons de poder e superioridade logo a partir da sua chegada ao posto, “o novo treinador pode alegar que a metodologia e até mesmo o organograma do clube estão errados, por isso mudanças devem acontecer”. No entanto, torna-se primordial defender o fluxo de trabalho interno e reforçar como os profissionais da estrutura esportiva gerenciam “os antecedentes médicos, as operações, as lesões e as limitações que os jogadores apresentam”. Para ilustrar essa realidade, três entrevistados compartilharam a eventual turbulência que acompanha as trocas de treinadores:

“Quando não se acerta o perfil do novo treinador, há mudanças muito bruscas em relação às rotinas e processos. Seja porque ele não acredita na função, no equipamento, na tecnologia, ou nas ideias em geral. O clube passa a correr um risco muito grande de perder processos desenvolvidos ao longo do tempo e que são fundamentais para se chegar ao alto nível daqui a alguns anos. O novo treinador pode atrapalhar o ambiente ao criar desconfiança, com pouca interação entre a comissão técnica e as funções fixas do clube, sem vínculos de lealdade e cumplicidade, que são muito necessários para uma comissão. A todo momento nós precisamos tratar de treinos, reuniões, atletas, viagens, jogos, e na maioria das vezes o ambiente é de muita pressão. Se as relações não partirem ou forem construídas pelo líder, fica muito mais difícil de se conectar. Quando há uma quebra de confiança devido a ideias diferentes e com pouca relação pessoal, a chance de dar errado é muito grande.”

“Nós temos uma linha de trabalho no clube, na qual a gente acredita e tenta colocar em prática, introduzindo algumas situações que nós queremos que sejam institucionais. Por exemplo, nesse momento em que nós estamos no comando da preparação física do clube, está legal porque a gente está aplicando a nossa forma de enxergar e trabalhar, mas daqui a pouco, se trouxerem um outro treinador que tenha outro pensamento, os dirigentes só vão querer cobrar e ver o resultado, entendeu? O impacto é gigantesco quando você se depara com diferentes formas de pensamento e de trabalho. Por quê? Quando o clube está pressionado, os dirigentes abrem a casa toda para o novo treinador. Então assim, geralmente as comissões técnicas chegam ao clube com um poder inimaginável, autorizadas a mudar até a posição da cama dentro do quarto do hotel do clube. Com isso você fica de mãos atadas, porque às vezes você quer implantar um tipo de trabalho ou pelo menos ter um direcionamento do clube, mas se uma nova comissão técnica desacredita completamente naquilo, você sente um impacto grande devido ao poder que eles carregam ao chegar no clube.”

“Via de regra, a substituição do treinador acontece em momentos de crise. Então o sujeito que chega quer recuperar o terreno perdido e eventualmente mudar o que estiver errado. Ele começa a impor até a sua metodologia, porque ele precisa mostrar serviço comparado ao outro que talvez não mostrou. Ele vai querer fazer tudo aquilo que não foi feito. Muitas vezes o novo treinador sobrepõe atitudes, ele é imperativo, ele não é tolerante, porque algo tem que mudar. O treinador quer marcar a sua presença. Ele começa a fazer as suas interferências, até administrativas, para marcar território. Muda hábitos e costumes só para dizer que ele está presente, porque se ele chegou para mudar alguma coisa e não muda nada, já imaginou o que acontece?”

ADAPTAÇÕES REPETITIVAS

Tão logo os compromissos dos treinadores são interrompidos e novos nomes são empregados para ocupar a função, os profissionais que transitam nos bastidores da estrutura esportiva são forçados a se readaptarem continuamente em janelas de curto prazo. Conforme destacado pelos entrevistados, eles se encontram num “reinício constante, sempre recomeçando” e “ajustando a rotina no meio da competição”. De forma compreensível, “se três treinadores trabalham para o clube durante um ano, isso significa três maneiras diferentes para se readaptar”. Na realidade, os profissionais devem aprender rapidamente a como lidar com um novo treinador, “porque alguns querem que você discuta tudo pessoalmente com eles, enquanto outros não querem nem conversar com você”. Encarando as recorrentes trocas de treinadores no meio de uma temporada competitiva, “todos os membros da comissão técnica sofrem para se adaptar a mudanças drásticas de métodos e tratamento humano”. Metaforicamente, um dos entrevistados resumiu a situação argumentando que eles devem “trocar o pneu com o carro em movimento”. Enquanto buscam se sintonizar com diferentes perfis de liderança, preferências de relacionamento e metodologias, os entrevistados percebem as frequentes mudanças de comando como “prejudiciais”, “desagradáveis” e “estressantes”.

“Interfere na questão de você entender o que um novo treinador espera. Tem treinador que quer o jogador (lesionado) no campo o mais rápido possível, independente de qualquer situação. É tipo assim: ‘Ele pode voltar e tratar depois, mas eu quero esse cara no campo.’ Por outro lado, existe treinador que só pede por jogadores que estejam completamente recuperados. Esses dizem: ‘Espera e me entrega o jogador pronto.’ Você precisa entender como funciona a cabeça do treinador e o nível de influência das pessoas que o cercam na nova comissão. Então você tem que, de certa forma, sempre ganhar a simpatia de todos que chegam ao clube, mas isso é cansativo. É desgastante você ter que mudar uma estratégia de trabalho apenas para suprir as expectativas de um novo treinador. É como a sensação de se equilibrar numa corda bamba.”

“Eu me preparo para aquilo que o treinador quer. A minha primeira pergunta ao treinador é: o que você vai fazer? E aí, eu tenho que me adaptar. Desde quando eu comecei a minha carreira, para você ter uma ideia, eu já tentei uma gama de treinamentos para me adaptar ao treinador que estiver na comissão. Então, enquanto eu estou me ajustando ao sistema e também adaptando os atletas ao que o treinador quer ou deseja, geralmente há uma perda com a demissão. Isso nos causa consequências, até porque você aprende a respeitar o profissional, o ser humano. Você passa a ter uma proximidade maior, começa a se envolver mais. Infelizmente isso é interrompido de uma forma até drástica, bem desagradável.”

“Eu tenho que me adaptar ao comando. Não é o comando que tem que se adaptar ao meu modo de trabalho. A partir do momento em que eu consigo me adaptar ao comando, eu tento fortalecê-lo, porque eu sou fiel ao treinador. Por exemplo, se o novo treinador tem um jogo que utiliza muito os pés do goleiro, eu tenho que adaptar os meus goleiros ao que o novo comandante quer. Independente de eu ter um ponto de vista que não seja o mesmo nesse caso, ou talvez eu tenha opiniões diferentes do treinador, mas eu vou sempre fortalecer o comando. É isso o que eu sempre frisei nas reuniões com novos treinadores, independente de como são as mudanças.”

INSEGURANÇA PROFISSIONAL

Atraindo a atenção ao seu lado ocupacional, os entrevistados demonstraram uma tendência a se sentirem inseguros sobre a continuidade dos seus próprios empregos quando eles testemunham transições de treinadores. Segundo os relatos dos profissionais, eles aparentam trabalhar sob uma vigilância implacável, pois “um treinador recém-contratado pode repentinamente demitir qualquer pessoa como se ele fosse o dono do clube”. Para exemplificar, “você não sabe quem o novo treinador irá trazer com ele, nem mesmo como ele irá te avaliar”. Consequentemente, o risco de uma demissão repentina influencia como os profissionais são condicionados a “repensar atitudes para superar uma pressão desconfortável” e “permanecer, de certo modo, seguro no emprego”. Devido a essa instabilidade, eles até questionaram se deveriam priorizar o desenvolvimento de suas carreiras fora do futebol. Especialmente para aqueles que não foram jogadores profissionais, “ninguém possui estabilidade financeira para cuidar da família e pagar as contas, então isso afeta muito a todos nós”. Em retrospectiva, três depoimentos detalham como o cenário de vulnerabilidade dos treinadores efetivamente perturba os bastidores da estrutura esportiva:

“As trocas de treinador trazem uma sensação iminente de volatilidade ao nosso cargo. Sempre que tem uma troca, a gente imagina que está passando por um momento de instabilidade profissional. Por exemplo, eu não sei se o novo treinador vai chegar e pedir para trocar também a equipe de fisioterapia, ou se ele vai trazer um fisioterapeuta com ele. Então toda vez que chega perto de uma troca, todo mundo fica muito inseguro e isso nos atrapalha com grande frequência a desenvolver aquilo que a gente pensa. Esse problema é real! Sem dúvida que essa insegurança, essa iminência de que a qualquer hora você pode perder o emprego, ou que pode haver mudanças que vão nos afetar, isso seguramente influencia o nosso rendimento. Um ponto importante que pode te ajudar no entendimento é que essa situação de muita volatilidade no futebol tem causado uma mudança no perfil dos fisioterapeutas que trabalham com a modalidade. Antes nós tínhamos fisioterapeutas que trabalhavam exclusivamente no clube. Hoje em dia, como é muito volátil, ninguém anima de trabalhar só no clube e entregar ou abrir mão do que se tem por fora para viver apenas de futebol, porque isso não é sustentável. Eu percebo que o perfil do fisioterapeuta que trabalha hoje com futebol é de uma pessoa que acumula funções. Em geral, é a fisioterapia do clube misturada com dar aulas na faculdade, ter um consultório ou a própria clínica. Hoje em dia, cada vez mais o fisioterapeuta tem que segmentar o dia dele, somando outras tarefas e funções para que ele consiga manter a saúde financeira dele e não sofrer um impacto tão grande com toda essa volatilidade de cargos.”

“A partir do momento em que se fala sobre uma troca de comando durante a temporada, isso causa uma intranquilidade entre os empregados do clube. Não apenas para a comissão técnica, mas também para os funcionários e atletas. Essa inquietude se reflete no campo, porque em vez de proteger o treinador, tudo é feito ao contrário. A mudança não vai dar sequência ao trabalho do momento. Então você começa a se questionar: Será que o meu trabalho ou os métodos que eu estou aplicando não são ideais ou corretos? A nossa equipe era a líder do campeonato e, de repente, após dois ou três jogos se tornou a pior equipe? Todo aquele trabalho que foi feito, será que nada daquilo era verdade? Ninguém presta? Não existe parâmetro, porque você é movido pelo resultado. Você fica sempre preocupado porque a expectativa é a de que possa haver mudanças em todos os setores. É difícil trabalhar com essa perturbação, muito difícil.”

“Você não sabe quem chega com o treinador, como eles vêm, com que propósito, se vão dar alguma abertura, se você vai conseguir trabalhar ou continuar. O que acontece é assim: o dirigente chega e dá a chave do clube para o treinador. Isso acontece em muitos clubes. E o novo treinador se mete em tudo também. Se o clube tem nutricionista e ele é contra, ele tira. Se tem psicólogo e ele é contra, ele tira. Se ele não gosta de um funcionário, ele pede para a pessoa não aparecer mais. Por isso que eu falo, não se tem uma coerência dentro do clube. Parece que o treinador é o dono do clube. Se há uma diretriz no clube, você fica menos preocupado.”

DESCONFORTO MENTAL E EMOCIONAL

Alterações sequenciais de comando técnico também desencadeiam momentos de inquietação na vida pessoal dos entrevistados. Considerando a turbulência inerente aos eventos de sucessão de liderança, um dos profissionais argumentou que “o futebol realmente é desumano no Brasil”, visto que ele provoca consequências instáveis na vida privada, social e familiar. Na prática, “os padrões de ansiedade respingam porque, antes de abordar o treinador, os dirigentes descontam a pressão deles em cima de nós.” “Impacta o nosso lado emocional e afetivo, a nossa autoestima cai”, inclusive “com colegas mostrando baixa imunidade e adoecendo.” Coletivamente, os entrevistados compartilharam experiências pouco saudáveis, ponderando como as tensões originadas a partir das mudanças de treinadores tendem a afetar, sobretudo, os seus níveis de dúvida, privação de sono, pressão arterial e estresse ocupacional, cuja combinação interfere até mesmo em relações familiares. Três depoimentos se mostraram reveladores ao âmbito pessoal de cada ser humano:

“Na função de auxiliar, eu não sou o responsável pela tomada de decisões. Eu coloco a minha opinião ao treinador, que formula o que é melhor para a equipe. Agora quando eu assumi como treinador interino, a minha vida mudou totalmente de cabeça para baixo. É até engraçado eu te contar isso porque as pessoas não têm noção do que acontece. Eu passei a não dormir, a não comer. Eu já tinha tido a experiência de comandar um jogo, mas nunca havia passado um tempo como o responsável por todas as decisões. Era tanta coisa acontecendo, tantas decisões a serem tomadas, que a minha vida mudou totalmente. Ali eu pude ver como isso tudo afeta o treinador, como essa pressão é enorme. Um ambiente que parecia estar tranquilo acabou ficando conturbado enquanto eu tentava lidar com todas as situações e problemas. Na verdade, é muita coisa envolvida para o treinador e os dirigentes se escondem ao invés de nos ajudar.”

“Eu posso dizer por mim, pois eu já estou há oito meses sem ver grande parte da minha família, mas convivendo, felizmente, com a minha esposa e a minha filha. Se paga um preço muito alto. Em determinados momentos e para várias pessoas isso não é tão válido. Por exemplo, quando eu assumi como interino há alguns anos, a minha esposa relatou que a minha ausência (em casa) me deixou alienado em relação a ela. Na época eu não conseguia ver isso. Se eu não tivesse as minhas cunhadas ao meu lado para me falar, eu sinceramente não iria perceber isso. Eu estava muito mergulhado com o comando interino no contexto da Série A. Entre idas e vindas aqui, a pressão é muito maior. Isso com certeza acarreta muito à minha saúde e ao meu sono.”

“Posso te falar de mim. Essas trocas sem critério já me afetaram e ainda seguem afetando. Eu também acredito que afeta com certeza a todos. Àquele que diz: ‘Ah, segue a vida!’ Não é assim tão simples. Você tem um planejamento familiar, um modelo de vida. O novo treinador que chega não vai pensar logo nisso, até porque o clube também não pensa muito na pessoa que está chegando. O futebol brasileiro é uma coisa tão maluca que se demite profissionais até quando a pessoa tem um rendimento muito bom. Você pode não fazer um trabalho bom e te demitirem. Aí tudo bem, você vai para casa, fica chateado, vai afetar tudo isso, a pessoa vai ficar triste, mas no final você vai parar e reconhecer que não foi um trabalho legal. Agora, quando você olha um histórico de trabalhos incontestáveis por resultados, títulos, revelação de jogadores e simplesmente chega outra pessoa para te tirar do trabalho, isso nos afeta, lógico que afeta.”

Por fim, a PARTE 3 concluirá o estudo, refletindo acerca da importância em privilegiar o desenvolvimento progressivo e consistente na cadeia de valor que sustenta uma equipe competitiva no futebol profissional.

Para acessar o estudo completo, clique aqui.

Categorias
Áreas do Conhecimento>Técnico Desportivo|Conteúdo Udof>Artigos Artigos Conteúdo Udof>Artigos|Sem categoria Conteúdo Udof>Biblioteca|Sem categoria Conteúdo Udof>Entrevistas|Sem categoria Entrevistas Entrevistas Sem categoria

PONTO CEGO. ENTENDA OS EFEITOS COLATERAIS DAS MUDANÇAS DE TREINADORES NO BRASIL

PARTE 1 – Sinapses do desempenho humano e coletivo

No âmbito dos esportes coletivos, os treinadores atuam como líderes técnicos enquanto colaboram com especialistas das áreas de saúde e desempenho humano em uma estrutura multidisciplinar focada no desenvolvimento esportivo das suas equipes. Nesse sentido, os treinadores de futebol profissional buscam avaliar regularmente o fluxo de informações relacionadas aos comportamentos e posicionamentos dos seus jogadores, a fim de tornar possível o desenho de sessões de treinos que apoiem os seus estilos de jogo preferenciais durante um processo gradual de aprimoramento coletivo. Sobretudo a respeito da prática, um processo efetivo de treinamento no futebol desafia os treinadores a encontrarem intervenções apropriadas ao desenvolvimento de sinergias coletivas, as quais se sustentam por dinâmicas não-lineares e sistemas adaptáveis. Fora de campo, os mesmos treinadores também procuram usufruir do conhecimento e do fluxo interno de processos que integram a estrutura esportiva de seus respectivos clubes, beneficiando-se, por exemplo, pela intersecção de estratégias de controle de cargas e prevenção de lesões. Ao monitorar o equilíbrio entre desgaste e recuperação, os treinadores conduzem o retorno de jogadores lesionados mediante à reaproximação de suas condições ideais. Caso contrário, tanto os indivíduos quanto a equipe podem apresentar menor desempenho físico e técnico numa competição de alto rendimento.

Em consonância com esse raciocínio, existe uma interação contínua entre o treinador e os bastidores da estrutura esportiva em um clube de futebol, uma vez que o seu trabalho compartilhado impacta as decisões em torno do aprimoramento dos jogadores que compõem a equipe. Para exemplificar, muito embora os analistas de desempenho possam fornecer evidências contextualizadas para apoiar o trabalho dos auxiliares técnicos, tais informações ainda estão suscetíveis à interpretação final do treinador que lidera o processo esportivo. Ademais, os protocolos internos devem ser observados e respeitados de modo a proteger o fluxo de trabalho coletivo entre fisiologistas, fisioterapeutas e preparadores físicos, especialmente em situações que sinalizem indícios de alto risco de lesão em jogadores específicos. Ao reforçar tais procedimentos, melhores níveis de comunicação interna tendem a ser decisivos para aprimorar a disponibilidade de jogadores tanto em sessões de treinos como em competições. Portanto, entendendo como o treinador compartilha os
seus domínios profissionais com a comissão técnica e os especialistas das áreas de saúde e desempenho humano, optar por mudanças de comando técnico significa assumir riscos de perturbação, alteração e interrupção de rotinas de treinamento já estabelecidas e influentes nos bastidores da estrutura esportiva.

Apesar de pertencerem a um processo de treinamento complexo, dinâmico e interativo, onde o rendimento esportivo depende prioritariamente da cooperação existente entre os profissionais das áreas de saúde e desempenho humano, aliado às suas respectivas condições contextuais, os treinadores ainda permanecem submetidos a julgamentos superficiais que se baseiam estritamente no placar e no resultado numérico dos jogos de suas equipes. Considerando as típicas limitações de conhecimento técnico e esportivo por parte do corpo diretivo de um clube profissional no Brasil, tornou-se comum testemunhar a arbitrariedade de dirigentes que despacham frequentes demissões e alterações de comando técnico em todo o território. Sobretudo durante a temporada competitiva, tal decisão tende a ser defendida como uma marca registrada para supostamente solucionar situações momentâneas e renovar a esperança de placares favoráveis. Um selo de (in)eficiência para atender os anseios da opinião pública, cultivando a repetição de descartes sem a necessidade de apresentar análises substanciais sobre as consequências que uma eventual troca de treinadores ocasiona para os seres humanos diretamente envolvidos no processo de desenvolvimento coletivo de uma equipe de futebol profissional. Na realidade, entretanto, a alteração de um comando técnico inevitavelmente desencadeia uma série de efeitos colaterais devido à rede de conexões estabelecida em torno do treinador e a partir dele com relação aos demais colaboradores.

Ao analisar períodos sequenciais às trocas de treinadores, a literatura acadêmica tem identificado diferenças significativas em métricas de condicionamento físico, reportando declínios no Brasil e na Espanha, enquanto na Alemanha e na Polônia constatou-se apenas uma evolução muito limitada. Já na Inglaterra, oscilações frequentes de comando técnico costumam acarretar reações emocionais e comportamentais entre os profissionais ligados às áreas de medicina e ciências do esporte, além de mudanças no estado psicológico dos próprios treinadores envolvidos nas ocasiões. Coletivamente, os depoimentos ingleses apontaram para um caminho que reduz a confiança, o comprometimento e a motivação em seus ambientes de trabalho. Ainda assim, a maior parcela das investigações acadêmicas segue examinando o cenário pós-troca por meio de estatísticas que se concentram em resultados de jogos (via pontos, gols, sequência ou ausência de vitórias) e de tabelas competitivas (via posição momentânea ou final na competição, percentual de aproveitamento, classificação ou queda em torneio eliminatório).

Em suma, os sinais de aprimoramento qualitativo originados pelo trabalho dos treinadores e suas comissões técnicas têm sido desconsiderados, o que potencialmente desvaloriza as especificidades do desempenho esportivo em uma equipe de futebol profissional. Desconsidera-se, por exempo, o conteúdo das sessões de treinos, as movimentações e dinâmicas orientadas dentro e fora do campo de jogo, o desenvolvimento e a recuperação individual, a influência sobre comportamentos setoriais, além da progressão gradual de um estilo de jogo com base nas circunstâncias contextuais de cada clube. Consequentemente, torna-se prioritário enfatizar que, muito embora jogadores e equipes possam ser analisados com métricas que representem possíveis indicadores de sucesso, os reais efeitos provenientes do desempenho esportivo estão relacionados ao que acontece predominantemente em torno da equipe e dos seus adversários.

No contexto profissional, a modalidade exige práticas de treinamento voltadas a aprimorar comportamentos coletivos para otimizar variações técnico-táticas, assim como estratégias de condicionamento e recuperação que possam ser devidamente implementadas e controladas durante a temporada competitiva. Contudo, devido à prevalência de uma mentalidade especulativa que privilegia decisões superficiais no domínio organizacional, as mudanças de comando técnico durante o Brasileirão superam quaisquer parâmetros já calculados nas principais ligas de futebol da Europa, América do Sul e do Norte, ilustrando como os treinadores enfrentam desafios muito particulares no cenário brasileiro.

Nota: Entre 2011 e 2020, os treinadores profissionais permaneceram empregados por um período de 78 dias, em média, durante o Brasileirão, o que representa 37% da duração da competição nacional. Esse período inclui um total de 183 treinadores e 34 clubes.

Partindo para uma abordagem teórica, este estudo indaga a dimensão da instabilidade ocasionada pela sucessão de treinadores numa organização esportiva, utilizando os principais clubes de futebol do Brasil como uma referência para a investigação. Na medida em que os períodos voláteis de permanência na função de treinador difundem instabilidades recorrentes dentro de um clube de futebol, o objetivo desta pesquisa se volta a desmistificar a depreciação em cadeia acumulada entre as transições de treinadores. Para tal, ao entrevistar especialistas que participam diretamente do processo esportivo, o estudo se distancia de estimativas estatísticas e se concentra na realidade do alto rendimento em um esporte coletivo.

Ao todo, 30 profissionais com vasta experiência prática junto a comissões técnicas foram entrevistados no período entre 14/Janeiro a 25/Março de 2021. Todos os participantes trabalharam pelo menos um ano na Série A do Brasileirão durante a última década (2011 a 2020). A fim de atender o propósito central do estudo, uma atenção particular foi dedicada a atrair especialistas que já haviam testemunhado múltiplas trocas de treinadores no território brasileiro. Apesar da maioria dos entrevistados ter desenvolvido suas carreiras profissionais no Brasil, as suas experiências práticas também incluem passagens por ligas do exterior (Inglaterra, Espanha, Japão, China, Arábia Saudita) e participações em grandes competições internacionais (CONMEBOL Libertadores, UEFA Champions League, Jogos Olímpicos, Copa do Mundo da FIFA). Respeitando os princípios éticos da metodologia científica, todos os entrevistados e os seus respectivos depoimentos permanecem confidenciais e anônimos frente ao julgamento público.

Fundamentalmente, quando um clube de futebol toma a decisão de substituir o seu treinador profissional durante a competição, torna-se possível reconhecer como o domínio organizacional visualiza um efeito direto e intencional (por exemplo, vencer jogos). Entretanto, mudanças de comando técnico também desencadeiam efeitos indiretos e não intencionais, que por sua vez se espalham aos domínios coletivo (por exemplo, o ritmo de treinamento) e individual (por exemplo, a confiança de um colaborador). Tal interação entre diferentes domínios representa o conceito dos efeitos colaterais, também reconhecido popularmente como efeito cascata ou efeito dominó. Essencialmente, tão logo as ações se manifestem em um domínio superior, inevitáveis consequências tendem a ser disseminadas aos níveis inferiores da organização.

A fim de capturar os efeitos colaterais absorvidos indiretamente pelos especialistas que atuam ligados às comissões técnicas, bem como o impacto sentido pelos jogadores da equipe conforme os treinadores entram e saem do cargo durante a temporada competitiva, esta investigação revela, esclarece e acentua como as rotinas de trabalho tendem a ser desestabilizadas nos bastidores de uma mudança de comando técnico. Indagados a respeito das possíveis ramificações que uma alteração de liderança técnica gera em torno do desempenho da equipe, os entrevistados foram apresentados às seguintes questões sobre o domínio coletivo: Como as trocas frequentes de treinadores impactam o desenvolvimento da equipe na prática? O que acontece com os jogadores entre as transições de treinadores? Como a volatilidade do treinador realmente afeta o desempenho esportivo da equipe? Em seguida, partindo ao domínio individual, os entrevistados foram estimulados a compartilhar as percepções acerca das suas próprias experiências mediante o convívio com substituições de liderança técnica. As questões levantadas foram: Quais são os efeitos colaterais que uma troca de treinador ocasiona para o seu trabalho como profissional no clube? O que acontece com os especialistas ligados à comissão técnica entre as transições de treinadores? Como um novo treinador geralmente afeta a sua função?

Contemplando o contexto brasileiro, este estudo qualitativo responde exatamente às duas perguntas abaixo:

Interrogando os efeitos colaterais sobre o desempenho da equipe:

  • No domínio coletivo, como as mudanças de treinadores afetam o desenvolvimento dos jogadores?

Interrogando os efeitos colaterais sobre o desempenho individual:

  • No domínio individual, como as mudanças de treinadores afetam os profissionais ligados à comissão técnica?

A PARTE 2 revelará o cenário que acompanha as transições de treinadores nos domínios coletivo e individual, apresentando os principais efeitos colaterais que recaem sobre o desempenho da equipe e dos profissionais ligados às comissões técnicas.

Por fim, a PARTE 3 concluirá o estudo, refletindo acerca da importância em privilegiar o desenvolvimento progressivo e consistente na cadeia de valor que sustenta uma equipe competitiva no futebol profissional.

Para acessar o PDF do estudo completo, clique aqui.

Categorias
Sem categoria

Os falsos profetas do Futebol

Grande parte dos debates sobre o futebol, estejam eles nos bares, nos lares ou nos programas esportivos, pautam-se pelos palpites sobre os resultados de jogos e campeonatos. É justamente o prazer em discutir esse assunto e tentar prever os resultados das partidas ou desempenho dos jogadores que faz com que “games” como o Cartola ou o “mundo das apostas” conquistem tantos adeptos!  

Somos, o tempo todo, instigados a prever aquilo que há de mais imprevisível no futebol: o próprio jogo! E isso, de fato, nos fascina. Nesse contexto, surgem, além de milhares de apostadores ou “cartoleiros”, incontáveis “profetas”, sobretudo na mídia esportiva, que se aproveitam da visibilidade e audiência que esse debate gera, para opinar sobre quem será o vencedor de uma partida ou campeão de uma competição.  

No entanto, o maior erro dos falsos profetas é basearem-se na previsibilidade e não na imprevisibilidade. O Botafogo será campeão, sem dúvida!, todos apontavam. E agora, com o time carioca minguando, vendo perder toda a diferença de pontos que possuía rodadas atrás em relação aos adversários, o que dizer para desdizer? 

Ainda que não possam ser considerados “falsos profetas”, os estatísticos também se aventuram, mesmo que fundamentados no conhecimento científico produzido pelas ciências exatas, a prever quem serão os campeões das competições esportivas. Há 5 semanas atrás, dia 03 de setembro, especificamente, o jornal O Globo, publicou reportagem[1] com a seguinte manchete: “Bola de Cristal: Botafogo cai pra 86% de chance de ser campeão, e Vasco tem quase 70% de probabilidade de cair; veja números”. Mas aí está o “calcanhar de aquiles” destas previsões: as ciências exatas, sozinhas, não dão conta de prever os resultados do jogo de futebol, porque ele é, acima de tudo, jogo. E como jogo, é imprevisível!  

Se as ciências exatas não dão conta de prever os resultados dos jogos, o que dirá pessoas que sequer do conhecimento científico se apropriam para emitir suas opiniões, certo?  

O que há de mais imprevisível que o jogo lúdico? Ainda mais quando se joga no território das paixões, caso do futebol. A saída de um técnico pode desandar a maionese, assim como uma contusão, uma expulsão, uma rusga no vestiário, uma desavença com o técnico, uma vaia da torcida, uma precipitação dos dirigentes, ou a falta de preparo emocional. 

Treze pontos no meio de um campeonato nada garantem e recomendam cautela antes de trombetear o eleito. Faltam seis rodadas e o Botafogo pode ser campeão sim, assim como o Grêmio pode passar-lhe a frente, ou o Flamengo, ou o Palmeiras, ou, quem sabe, o Bragantino. Quase tudo pode ser. Podemos profetizar, por exemplo, que o América não será campeão, mas aí é covardia, pois se trata de uma possibilidade inexistente. A cada rodada há um desfile de profecias sobre resultados. Os que acertam falam grosso do alto de sua sapiência. Os que erram fazem de conta que nada disseram. Certos estão os que consideram tratar-se o futebol de um jogo onde reina o imprevisível e não as previsões claras. 

Tudo, ou quase tudo, é possível e essa é a graça do jogo. Se soubéssemos, antecipadamente, os resultados ou quem seria o próximo campeão, que graça teria o jogo de futebol? No fim, parte da graça acaba sendo mesmo os palpites tortos dos falsos profetas. 


[1] https://oglobo.globo.com/esportes/noticia/2023/09/03/bola-de-cristal-botafogo-cai-pra-86percent-de-chance-de-ser-campeao-e-vasco-tem-quase-70percent-de-probabilidade-de-cair-veja-numeros.ghtml

Categorias
Artigos Sem categoria

A abordagem sistêmica e a participação no contexto coletivo como referências para a elaboração do treinamento de goleiros

Créditos imagens: Arquivos Fernando Corrêa

A equipe de futebol vista a partir de uma abordagem sistêmica pode ser considerada um conjunto de diversos componentes em interação, que atuam na formação de um sistema, no qual seus integrantes devem trabalhar de forma coordenada e interdependente para o melhor funcionamento e desenvolvimento da equipe.

A visão sistêmica tenta trazer para o jogo a compreensão do “todo”, permitindo uma análise global, mais completa e complexa da equipe. Nesta abordagem, todos os elementos que compõem a estrutura fazem parte de um sistema em constante organização, sejam eles elementos internos – como nível dos jogadores, visão da comissão técnica sobre o jogo e o treino, capacidade de operacionalização das ideias pela comissão técnica, modelo de jogo, qualidade do treino, aptidões psicoemocionais dos jogadores, funções táticas, ações técnicas e capacidades físicas desempenhadas pelos jogadores etc – ou externos – como estrutura do clube, aporte de investimentos, nível competitivo do clube, diretoria, torcida, imprensa, cultura do país etc.

Ao compreender a equipe como um sistema em constante organização, dinâmico e adaptativo, inicia-se a análise do conjunto de elementos e relações interdependentes existentes no ambiente de treino que, de alguma forma, influenciam no desenvolvimento e funcionamento da equipe.

Esta análise é fundamental para ter conhecimento sobre as dinâmicas existentes no sistema e, assim, obter as referências para a elaboração dos objetivos a serem alcançados durante o processo de desenvolvimento da equipe.

Com o entendimento do “todo” por meio da abordagem sistêmica, a comissão técnica deve ser capaz de elaborar sessões de treinamento condizentes com as ideias almejadas para o modelo de jogo, buscando sempre uma coerência entre o que se espera apresentar nos jogos e o que se faz nos treinamentos para que isso aconteça.

Neste contexto sistêmico do futebol, o goleiro, que tempos atrás tinha suas possibilidades de atuação no jogo subutilizadas, atualmente está cada vez mais inserido no modelo de jogo de forma sistematizada. Isso se deve à ampla possibilidade de atuação dos goleiros nos momentos de organização defensiva e ofensiva, transições e bolas paradas, realizando funções coletivas e individuais, tais como proteção da meta e do espaço aéreo; proteção da última linha defensiva; organização coletiva nas bolas paradas defensivas; orientações sobre as regras de ação dos companheiros nos diferentes momentos do jogo; e construção do momento ofensivo.

A maior utilização do goleiro no modelo de jogo, acompanhada da complexidade natural do jogo de futebol, exige que esse atleta desenvolva e aperfeiçoe constantemente seu repertório tático, técnico, físico e psicoemocional, buscando sempre reproduzir nos treinamentos as possíveis situações encontradas nos jogos. Mas para que se possa elaborar treinamentos que se aproximem ao máximo das situações de jogo e proporcionem uma eficaz atuação coletiva e individual dos goleiros, é fundamental entender as funções táticas, ações técnicas, capacidades físicas e aptidões psicoemocionais que o modelo de jogo demanda do goleiro, de acordo com as ideias de jogo da equipe e, também, de forma aleatória, devido à imprevisibilidade do jogo acompanhada das situações de oposição proporcionadas pela equipe adversária.

Segue abaixo uma tabela com os conteúdos táticos, técnicos, físicos e psicoemocionais desenvolvidos ao longo de uma temporada:

O modelo de jogo e o grau de inserção neste podem potencializar ou limitar o desenvolvimento dos goleiros. Isto porque, pensando em um amplo desenvolvimento do atleta, vivenciar apenas uma ideia de jogo dentro do modelo pode comprometer a sua constante evolução, se comparado a outro goleiro que vivenciar diferentes ideias de jogo, respeitando o tempo necessário para que as adaptações essenciais possam acontecer. Em relação à inserção no modelo de jogo, o goleiro sempre estará inserido, pois sua presença é fundamental para que o jogo aconteça. Mas o que determina suas possibilidades de atuação está diretamente relacionado ao grau de inserção no modelo, o qual pode proporcionar um repertório amplo ou limitado de funções táticas e ações técnicas a serem realizadas, que, por sua vez, influenciam diretamente as capacidades físicas e as aptidões psicoemocionais necessárias para a atuação nos jogos.

Ao analisar a atuação dos goleiros em equipes com modelo de jogo distintos, pode-se observar que, independente das ideias de jogo, os atletas realizam as “mesmas” funções táticas coletivas de organização ofensiva, defensiva, transições e bolas paradas, assim como as funções táticas individuais de proteção da meta, do espaço aéreo, da última linha e construção ofensiva. Mas as referências táticas coletivas e individuais necessárias para que os goleiros realizem estas “mesmas” funções são completamente diferentes por conta das particularidades de cada ideia de jogo.

Nesse contexto, as ideias de jogo contidas no modelo são extremamente importantes, pois estabelecem as orientações coletivas e individuais necessárias para que o goleiro confronte um ambiente caótico, proporcionando alguma previsibilidade na imprevisibilidade do jogo. E, juntamente com o grau de inserção, direcionam as características e a frequência com que cada função tática pode vir a ser realizada.

Vejamos as características das funções táticas na construção ofensiva e proteção da última linha em dois modelos com ideias de jogo distintas:

1) Imagine uma equipe A com modelo de jogo no qual o goleiro esteja inserido de forma integral no contexto coletivo e a equipe tenha como ideia de jogo:

  • a) realizar um jogo posicional
  • b) construção ofensiva desde o setor defensivo por meio de passes curtos (ataque-posicional);
  • c) dominar as ações do adversário pela manutenção da posse de bola;
  • d) marcação em bloco alto desde o tiro de meta adversário;
  • e) forte ação de pressão na bola e no espaço nos momentos de pós-perda da posse.

O goleiro nestas circunstâncias, provavelmente irá realizar a função de construção ofensiva por meio dos seguintes comportamentos táticos:

  • a) criar superioridade numérica nos momentos de construção ofensiva desde o setor defensivo;
  • b) apoiar a organização ofensiva, oferecendo linhas de passe em largura e profundidade negativa para dar sequência ao jogo ou diminuir a pressão adversária no portador da bola;
  • c) ampliar o espaço de jogo efetivo da equipe;
  • d) garantir a manutenção da posse de bola;
  • e) procurar opções seguras de passes curtos e médios quando responsável por retomar a posse de bola ou repô-la em jogo;
  • f) criar desequilíbrio na organização defensiva adversária realizando passes entre linhas quando possível.

Para cumprir a função de proteção da última linha, o goleiro pode realizar os comportamentos táticos:

  • a) diminuir o espaço das ações ofensivas adversárias em largura e profundidade por meio das orientações de subida do bloco;
  • b) reequilibrar constantemente a organização defensiva em diferentes situações do jogo;
  • c) orientações em relação aos gatilhos de pressão e controle da profundidade (bola coberta e descoberta);
  • d) ações de cobertura fora da área;
  • e) servir de novo obstáculo caso o adversário passe pela última linha defensiva (goleiro x 1);
  • f) direcionar, retardar ou interromper a progressão das ações ofensivas adversárias;
  • g) restringir as possibilidades de passes e lançamentos nas costas da defesa;
  • h) orientar os jogadores a reduzir o espaço de jogo adversário utilizando a regra do impedimento.

2) Já em uma equipe B, com modelo de jogo no qual o goleiro também esteja inserido integralmente no contexto coletivo mas a equipe tenha como ideia de jogo:

  • a) realizar um jogo reativo;
  • b) construção ofensiva por meio de passes verticais (ataque-rápido ou contra-ataque);
  • c) dominar as ações do adversário com rápidas transições ofensivas e defensivas;
  • d) marcação em bloco baixo esperando o adversário para explorar os espaços nas costas da última linha;
  • e) todos atrás da linha da bola nos momentos de pós-perda da posse.

O goleiro possivelmente irá realizar a função de construção ofensiva por meio dos comportamentos táticos:

  • a) explorar os momentos de desequilíbrio na organização defensiva adversária realizando rápidas reposições, quando responsável por retomar a posse de bola ou repô-la em jogo;
  • b) criar rupturas nas linhas defensivas adversárias por meio de passes verticais e lançamentos nas costas da defesa;
  • c) facilitar o deslocamento da equipe ao campo de jogo adversário utilizando poucos passes;
  • d) facilitar a construção ofensiva da equipe envolvendo poucos jogadores;
  • e) apoiar a organização ofensiva oferecendo linha de passe para dar sequência ao jogo;
  • f) direcionar a bola para um setor com menor pressão, preferencialmente no campo de defesa adversário.

E para cumprir a função de proteção da última linha, o goleiro pode vir a realizar os comportamentos táticos:

  • a) garantir linhas defensivas seguras e equilibradas orientando os comportamentos táticos e técnicos dos demais jogadores;
  • b) transmitir orientações ao jogador de contenção para que ele tenha a iniciativa de combater as ações ofensivas adversárias de acordo com o setor de pressão pré-definido;
  • c) condicionar as ações ofensivas adversárias para zonas de menor risco no campo defensivo;
  • d) ações de cobertura dentro da área;
  • e) servir de novo obstáculo caso o adversário passe pela última linha defensiva (goleiro x 1);
  • f) direcionar ou interromper a progressão das ações ofensivas adversárias;
  • g) restringir as possibilidades de passes nas costas da defesa.

Veja, portanto, que as ideias de jogo influenciam diretamente nas características das funções táticas.

Ainda em relação as referências táticas, é essencial que o goleiro tenha uma ampla percepção dos possíveis comportamentos táticos adversários, pois o jogo de futebol é uma constante disputa entre as organizações ofensivas e defensivas, na qual cada equipe busca se sobrepor à outra na intenção de criar possibilidades para progredir em direção ao gol adversário. Isso faz com que o goleiro necessite direcionar sua atenção a todos as possíveis situações decorrentes desses confrontos, tendo como intenção antecipar as ações adversárias. O que o deixa constantemente em situações táticas complexas pela possibilidade de ter que atuar não apenas em uma função mas, sim, em duas ou mais simultaneamente durante grande parte do jogo.

Tomamos como exemplo um confronto entre as equipes A x B para analisar as possíveis demandas no que diz respeito às percepções táticas essenciais aos goleiros nos momentos em que necessitam realizar a função tática de proteção da última linha, de acordo com cada ideia de jogo.

Na equipe A, em que o goleiro realiza a função de proteção da última linha por meio de ações de cobertura fora da área, seu adversário (equipe B), por vezes, pode se encontrar longe do gol quando retomar a posse de bola. Estas situações acontecem pelas ideias de jogo adotadas pela equipe B e também por conta das ações de marcação em bloco alto e pressão pós-perda da bola realizados pela equipe A. Estar longe do gol nos momentos de retomada da posse de bola não oferece à equipe B grandes possibilidades de realizar chutes diretos ao gol ou cruzamentos na área, ficando limitada a passes em largura para retirar a bola da pressão, passes verticais buscando progredir para o campo adversário e lançamentos nas costas da defesa. Isso permite ao goleiro da equipe A focar a maior parte de sua atenção para realizar a função de proteção da última linha, tendo em vista as limitadas possibilidades de ações ofensivas adversárias.

Já a equipe B, na qual o goleiro realiza a função de proteção da última linha por meio de ações de cobertura dentro da área, o adversário (equipe A), por vezes, pode estar próximo ao gol quando retomar a posse de bola. Estas situações acontecem pelas ideias de jogo adotadas pela equipe A e as ações de marcação em bloco baixo, com todos atrás da linha da bola. A proximidade do gol adversário nos momentos de retomada da posse de bola proporciona à equipe A maiores possibilidades de ações ofensivas, como passes em largura para retirar a bola da pressão, passes verticais para infiltração na área, lançamentos nas costas da defesa, chutes direto ao gol e cruzamentos na área. Nesta situação, é essencial que o goleiro da equipe B amplie seu foco de atenção para identificar as possibilidades de ações ofensivas adversárias e tome a melhor decisão em relação à escolha da função tática a ser realizada – proteção da última linha, proteção da meta e proteção do espaço aéreo – e, consequentemente, o tipo de ação técnica necessária para realizar a função.

As ações técnicas – que são os fundamentos realizados pelos goleiros com o objetivo de cumprir suas funções táticas – também são diretamente influenciadas pelas ideias de jogo contidas no modelo. Essa influência se dá em relação aos tipos de fundamentos necessários para realizar uma determinada função e a frequência com que esses fundamentos podem ser solicitados.

Ao analisar o goleiro que atua na equipe A, provavelmente se observará que nos momentos de construção ofensiva, as ações técnicas de jogo com os pés apresentam uma predominância dos seguintes fundamentos:

  • a) domínio orientado (tendo como referência a pressão adversária em espaço e tempo);
  • b) condução de bola (nos momentos de circulação e homem livre);
  • c) passes curtos e médios em largura e profundidade (realizados com a bola parada ou em movimento utilizando as mãos ou os pés).

Já em relação ao goleiro que atua na equipe B, os fundamentos predominantes podem ser:

  • a) domínio com orientação vertical (tendo como referência o ajuste de corpo e da bola para realizar passes verticais);
  • b) passes médios e longos em profundidade (realizados com a bola parada ou em movimento utilizando as mãos ou os pés);
  • c) lançamentos nas costas da defesa (direcionados a um companheiro ou colocando a bola em disputa, realizados com a bola parada ou em movimento utilizando as mãos ou os pés).

Nos momentos de proteção da última linha, o goleiro da equipe A pode utilizar com maior frequência os fundamentos de cobertura defensiva fora da área com a predominância dos seguintes fundamentos:

  • a) cabeceio orientado (buscando direcionar a bola para setores de menor risco);
  • b) domínio orientado (peito e coxa);
  • c) rebatidas de bate pronto (buscando direcionar a bola para os setores de menor risco);
  • d) passes a um toque (realizados com a cabeça, peito, coxas e pés).

Em relação ao goleiro da equipe B, vamos observar uma maior frequência de ações de cobertura defensiva dentro da área, com a predominância dos fundamentos:

  • a) pegada, encaixe, entrada e quedas laterais baixa e alta (nos momentos de interceptação das bolas);
  • b) abordagens de GK x 1 (nos momentos de saída nos pés dos atacantes e enfrentamentos ao portador da bola).

Nesse contexto, segue abaixo uma visão geral das conexões entre o modelo de jogo, os momentos do jogo e as funções táticas coletivas/individuas desempenhadas pelos goleiros:

Abaixo as conexões entre os momentos do jogo, funções táticas coletivas/individuas e as ações técnicas desempenhadas pelos goleiros:

Outro ponto de grande influência, relacionado com o grau de inserção do goleiro no modelo de jogo, são as capacidades físicas e aptidões psicoemocionais. Isto porque o goleiro com maior grau de inserção no modelo provavelmente terá uma exigência física e psicoemocional maior em relação ao goleiro com grau de inserção parcial no contexto coletivo da equipe. Isso se deve à maior frequência de participação no jogo em diferentes momentos e não pelas ideias de jogo.

Seguem abaixo as conexões entre as funções táticas coletivas/individuas, ações técnicas e capacidades físicas exigidas dos goleiros:

Abaixo as conexões entre os momentos do jogo, funções táticas coletivas/individuas e as aptidões psicoemocionais exigidas dos goleiros:

O entendimento destas questões pode ajudar o treinador de goleiros na construção da semana de treinamentos. É fundamental que o treinador de goleiros elabore as sessões de treinamentos individuais dos goleiros de forma conjunta e coerente com o trabalho da equipe, pois todas as funções táticas e ações técnicas realizadas pelo goleiro exercem direta influência na organização coletiva da equipe. Em contrapartida, as ideias de jogo e o grau de inserção no modelo interferem diretamente nas funções táticas, ações técnicas, capacidades físicas e aptidões psicoemocionais necessárias aos goleiros. Se no momento da elaboração do treinamento individual não se levar em consideração todos os momentos do jogo, assim como as organizações e referências táticas coletivas, o treinamento acaba tendo finalidade nele mesmo e, consequentemente, a transferência para o jogo poderá ser prejudicada ou até mesmo não acontecer.

A compreensão das funções táticas desempenhadas pelo goleiro dentro do modelo de jogo e o entendimento da complexidade que existe na elaboração de uma sessão de treinamento nos permite conferir alguma previsibilidade a um jogo imprevisível, o que é muito importante, considerando que os esforços coletivos devem caminhar em uma mesma direção para se obter o melhor desempenho possível.

Categorias
Sem categoria

O Futebol como prática educativa

Crédito imagem: Marcelo Gonçalves/FFC

Semanas atrás o futebol profissional brasileiro nos trouxe duas notícias que merecem, ao menos, uma breve análise. Ambas envolvem jovens treinadores que atuam em grandes equipes, mas que ainda são pouco compreendidos por aqueles que gerenciam os clubes e por parte da mídia esportiva, que, de resto, pouco compreendem o que quer que não seja simplesmente negócio.  

A primeira destas notícias trouxe o anúncio feito pelo Fluminense do retorno do treinador Fernando Diniz, que, apesar de ainda não ter conquistado títulos expressivos, é alguém que nos enche de expectativas positivas. Sobre ele, em texto anterior, já o apontamos como uma de nossas esperanças para efetivação de algumas boas mudanças, entre tantas que o futebol profissional precisa. 

Vale ressaltar que Fernando Diniz levou ao Fluminense como seu assistente técnico, outro jovem profissional de extrema competência, e pelo qual também nutrimos grandes esperanças, por sua visão humana e pedagógica: Eduardo Barros. Com ambos, certamente o Fluminense ganhou, além de dois grandes treinadores, ótimos educadores.

E por qual motivo valorizamos a atuação deles enquanto educadores? Porque o futebol é, entre outras coisas, uma prática educativa! E como prática educativa, pode contribuir com a formação humana dos nossos atletas e alunos. Entretanto, se defendemos aqui a ideia de que o futebol educa, é preciso destacarmos que ele pode educar tanto para o bem, quanto para o mal. Se olhássemos os jogadores de futebol apenas como máquinas que devem render a qualquer preço e mercadorias produtoras de lucro para investidores, talvez nos bastasse um treinador tecnicamente bom. Mas se os entendermos, acima de tudo, como pessoas, como seres humanos, ainda, em constante formação, é fundamental que tenhamos bons educadores.    

Quando dizemos que o futebol profissional é educativo, referimo-nos a uma educação que não é formal, que não está registrada nos processos oficiais regulares de ensino. O futebol é educacional no sentido de que atinge profundamente as populações com ele envolvidas, toca no fundo de suas emoções, altera seus comportamentos, orienta suas atitudes.

O que dizem os técnicos em suas entrevistas, o que dizem os jogadores e o que fazem em campo, as decisões dos dirigentes, as opiniões dos jornalistas, são acontecimentos que educam, para o bem ou para o mal. A questão é: uma vez que sabemos do enorme poder de educar que o futebol possui, os envolvidos diretamente com ele têm o direito de se eximir de responsabilidade com o público que pratica e acompanha essa modalidade esportiva? Público esse, vale destacar, que envolve de crianças a idosos, homens e mulheres, das mais diversas regiões do nosso país e do mundo.

Dias após o anúncio da contratação de Fernando Diniz e Eduardo Barros, um clube visto com bons olhos pelos projetos construídos e pelos bons resultados obtidos recentemente, o Atlhético Paranaense, demitiu o treinador Fábio Carille, apenas 21 dias após sua contratação. Isso mesmo… foram somente 7 dias de treino com a sua equipe. Apesar de tão pouco tempo de trabalho, após uma derrota por goleada na Taça Libertadores, foi demitido. Contando Paulo Souza, último demitido, 7 equipes já realizaram 8 demissões de treinadores somente nas 10 primeiras rodadas da série A do Campeonato Brasileiro.  

Não se dá a um treinador um mês para preparar sua equipe. Cobra-se dele resultados que só viriam por passes de mágica ou por obra do acaso. Imaginem, então, se esse treinador tiver o compromisso educacional com seus jogadores, se pensar neles antes como seres humanos que como jogadores.

O futebol, como prática social dentre as mais usufruídas pelo povo brasileiro, nos permite compreender, ao menos parcialmente, a sociedade em que vivemos. E mais, nos permite transformar, também parcialmente, a sociedade em que vivemos! Há um considerável esforço por parte da sociedade, sobretudo por aqueles que lucram com o futebol, em desvinculá-lo da política e das demais esferas da vida em sociedade. Como abordar o futebol sem problematizarmos o preconceito de gênero? Como admirar o futebol diante de tantos casos de racismo? Como pensar em acesso à prática com tanta segregação e seletividade? Como defender direitos sociais básicos com tanto abuso sexual que acomete meninos e meninas que praticam o futebol?

Não obstante, se defendemos a tese do futebol como prática educativa, não podemos deixar de frisar e valorizar os princípios do esporte educacional, defendidos pelo Instituto Esporte Educação (IEE).  Ou seja, independentemente do local de prática (rua, clubes e escolas de esporte) ou da forma como nos apropriamos desta prática social (como praticante, torcedor ou profissional) é fundamental que ele, conforme preconiza o IEE:

  • Seja inclusivo: Temos que garantir a possibilidade de prática a todos e todas. E, estar no jogo, não significa que esteja jogando. Portanto, é preciso criar condições de prática efetiva para todos, ou seja, todos devem brincar, se divertir e jogar juntos.  
  • Seja uma prática coletiva: O futebol, como qualquer outra modalidade, vive em constante transformação. É preciso, então, que todos participem das construções que lhe dizem respeito (suas regras e decisões relacionadas ao jogo, por exemplo).
  • Respeite e valorize a diversidade: Princípio diretamente relacionado ao da inclusão. Devemos respeitar e acolher todas e todos que queiram praticar e admirar o futebol, independente da raça, gênero, nível de habilidade, biotipo, etnia, classe social etc.
  • Promova a autonomia: Praticantes do futebol devem ser capazes de discernir o que envolve sua realização, desde como, quando e qual gesto técnico realizar, até por qual clube torcer ou qual equipe defender, por exemplo. Devem decidir com responsabilidade individual e social.  
  • Contribua com a formação integral do sujeito: Não basta que nosso aluno(a) ou atleta seja tecnicamente um(a) bom/boa jogador(a). Ele ou ela, seja uma criança ou um adulto, precisam se desenvolver como um todo, abarcando seu conhecimento cognitivo, intelectual, físico, emocional, dentre outros.  

Sustentar o futebol como uma prática educativa não é tarefa fácil, sobretudo quando o futebol profissional se apresenta, majoritariamente, de modo conservador, machista, cada vez mais elitista e, também cada vez mais, como uma mercadoria lucrativa e que busca resultados imediatistas. Mas se somos educadores e não abdicamos do papel de contribuir com a transformação do futebol e da nossa sociedade, nossa atuação deve passar, sempre, pela defesa do futebol como prática educativa.

Categorias
Sem categoria

Dificuldade em renovar o Flamengo

Crédito imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Juro que a ideia deste texto pairava sobre a minha mente há um certo tempo. Não quero parecer oportunista. Se defendo análises contextuais e sistêmicas não posso me basear “só” no resultado. O Flamengo vencendo o campeonato carioca garanto que o que vem abaixo seria escrito da mesma maneira. Sem tirar nem pôr uma vírgula diferente.

O problema flamenguista pós Jorge Jesus não está no banco de reservas. Não está em quem escala. Não está em quem comanda os treinamentos. E sim dentro das quatro linhas. Quem joga. Isso mesmo, o problema não é treinador e sim jogador(es). A necessária renovação no elenco de 2019 para cá não aconteceu. Você pode contra-argumentar que muitos jogadores saíram e outros tantos chegaram de lá para cá. Sim, é verdade. Mas poucas estrelas deixaram o clube. Poucos protagonistas foram trocados. A espinha dorsal é praticamente a mesma. E isso é péssimo! 

Que fique bem claro: o Flamengo tem vários craques no elenco: Gabigol, Bruno Henrique, Arrascaeta, Everton Ribeiro e alguns outros que jogariam fácil em qualquer clube do Brasil e em vários clubes europeus. Mas a questão não é técnica. É de ambiente. É de ambição. Tenho certeza que todos esses atletas dão a vida em campo e fazem o máximo para vencer. Entretanto há ciclos que devem ser respeitados. Estímulos novos não vêm apenas com a chegada de um novo treinador. É necessário que o jogador se mova. Para o próprio crescimento dele. E também para o clube seguir em frente.

Com o vice-campeonato carioca, choverão críticas ao técnico Paulo Souza. Jogadores falarão nos bastidores que querem aprender, que gostariam de evoluir, mas que estão com dificuldades de compreensão dos conceitos do técnico português. Mais ou menos como foi com Domenec Torrent. Rogério Ceni e Renato Gaúcho tiveram argumentos contrários um pouco diferentes, mas também acabaram engolidos. E as lideranças do elenco continuam praticamente as mesmas… agora que chegou um goleiro para ser titular (Santos, ex-Athlético-PR), mas Diego Alves ainda está lá… 

Por questões culturais, os ciclos de elencos no Brasil são curtos. Não que tenha que trocar tudo quando perde. Mas também não pode haver uma espécie de gratidão com quem tem títulos conquistados. 

Esperar um novo 2019 é perda de tempo para o flamenguista. Mesmo com Jorge Jesus e todos aqueles jogadores hoje o rendimento não seria o mesmo de três anos atrás. As coisas mudam. Falta a diretoria e o torcedor do Flamengo compreender que homenagens a quem ganhou se faz com placas e afins e não com renovações de contrato.

Categorias
Sem categoria

Estágio de evolução da equipe: a convicção no processo!

Crédito imagem: Robson Mafra/AGIF

A ideia de futebol coletivo ainda sofre resistência no Brasil. Há no inconsciente do torcedor uma certeza de que o melhor time é o que tem os melhores jogadores. Não que isso não possa acontecer. Mas não é regra.

Em um jogo disputado por vinte e dois atletas, com oposição, campo grande, alvo (gol) proporcionalmente pequeno, em que há momentos de ataque – com a bola – e de defesa – sem a bola – podemos até discutir quais de fato são os melhores jogadores. Os que atacam melhor? Ou os que sabem defender com mais eficiência? Por isso o conceito de equipe passa necessariamente pela junção de atletas que se complementem.

E formar um time eficiente e vencedor leva tempo. Há uma infinidade de variáveis. O que se sabe com certeza, porém, é que após essa análise inicial de características e perfis, vem as dinâmicas e os encaixes que dependem de repetição e de uma certa “química” que vem do campo, da bola, dos treinos e dos jogos.

E isso tende a não brotar do nada, da noite para o dia…

Diante disso, me incomoda as cobranças em cima do atual elenco do Corinthians, sobretudo após as derrotas para Atlético-MG e Flamengo. Ambas fora de casa!!! O técnico Sylvinho pode e deve ser criticado por algumas estratégias e escolhas. Afinal, qual técnico do mundo é perfeito e não comete falhas?! 

Mas aqui precisamos falar de processo. De tempo, de maturação. De conjunto! Como colocar os atuais times de Corinthians, Flamengo e Atlético-MG no mesmo estágio de evolução?! É impossível! Basta um recorte mínimo da temporada passada: Flamengo e Galo brigaram por conquistas e o Corinthians lutou contra o rebaixamento. E se for para individualizar, Willian, o melhor reforço corintiano, não joga há cerca de um mês.

Entendo a paixão do torcedor e não pretendo que quem está na arquibancada use a razão para interpretar o que se passa dentro de campo, analisando tudo de maneira contextual e sistêmica. Mas espero que quem esteja no comando não tenha essa mesma passionalidade e compreenda que nenhum grupo se torna vencedor sem um trabalho constante, coerente e perene.