Categorias
Áreas do Conhecimento>Direito Desportivo|Conteúdo Udof>Colunas Sem categoria

RAP – Paixão pelo futebol

Crédito imagem – Site oficial CBF

Vou mandar a real pra você, tá ligado?

Tem um esporte aí, que une amor e pecado

É fácil de perceber

A força que vem do gramado

E então compreender

Porque ele é tão amado

Mas não se iluda não

Você vai ganhar e perder

Um dia será campeão

Noutro irá perecer

Mas o que importa é a noção

De compreender

A magia do esporte Bretão

Que nos faz respirar, que nos faz viver

Espalhou-se mundo afora

E seja jogando, seja assistindo

É um sentimento que aflora

Seja chorando, seja sorrindo

E se me perguntarem agora

Que som é este que estamos ouvindo?

É a torcida lá fora

Para o estádio partindo.

Herança de pai para filho

Devoção 100%

Nunca será empecilho

Desfrutar o momento

Mas quando o “trem sai do trilho”

Causando dor, sofrimento

E a lágrima escorre do cílio

Sempre se tem um alento

E como um andarilho

Que caminha ao vento

O futebol tem um brilho

É paixão, sentimento!

Categorias
Colunas Sem categoria

Palmeiras e a preguiça na análise

Crédito imagem – Site oficial Palmeiras/Divulgação

Tornar o sucesso um furacão. E fazer do fracasso uma catástrofe. Tendências naturais para nós, seres humanos, e que ganham ainda mais projeção e emoção quando o assunto é futebol. Nesse mesmo espaço, na semana passada, pontuei que o projeto Palmeiras era o melhor do Brasil e que a conquista da Libertadores coroava uma gestão profissional que se aperfeiçoa ano após ano desde 2015. Tudo isso continua sendo verdade. A derrota na semifinal do Mundial para o Tigres do México é um evento dentro de um processo. Que não deve nem ser supervalorizado e nem desprezado. Apenas analisado.

O primeiro ponto para ser o mais fiel possível ao que de fato aconteceu é individualizar e não generalizar. Reconheço a tentação e a facilidade em dizer que o futebol brasileiro não é mais o mesmo e que o futebol mexicano já nos ultrapassou. Porém prefiro ‘unificar’ porque quem perdeu foi o Palmeiras – e não o futebol brasileiro – e quem venceu foi o Tigres – e não o futebol mexicano.  Isso porque quando o Verdão conquista a Libertadores significa que ele foi o melhor time na disputa dessa competição, o que é bem diferente de colocá-lo como o melhor da América do Sul e até mesmo do Brasil. Para o Tigres vale a mesma coisa. Cada jogo tem sua história e suas circunstâncias. Será que o Inter, o Flamengo, o Atlético-MG ou até mesmo o Santos perderia também essa semifinal do Mundial? Impossível saber. Como também é impossível cravar que o futebol no Brasil vive um pior momento do que o mexicano por conta de um jogo envolvendo apenas dois clubes, que não necessariamente são os melhores.

O técnico do Palmeiras, Abel Ferreira, pouco tempo teve para treinar a equipe desde que chegou. O portugues teve uma inteligência circunstancial para rapidamente achar uma formação que potencializou o melhor de vários jogadores. Isso foi suficiente para ganhar a Libertadores. Não para chegar à final do Mundial.

A visão deve ser sempre sistêmica. Nosso futebol está na segunda, caindo para a terceira divisão do mundo não porque o Palmeiras perdeu do Tigres. E sim porque ainda temos clubes políticos e gestões amadoras. Porque a maioria dos times joga apenas três meses um campeonato estadual e depois disso não tem mais calendário. Porque nunca valorizamos a educação e o estudo e por isso nossos profissionais não ingressam no mais alto nível. Enfim, são inúmeros fatores de dentro e fora de campo que explicam nossa decadência. Mas simbolizar o Palmeiras nisso tudo não é justo e nem coerente.

*As opiniões dos nossos autores parceiros não refletem, necessariamente, a visão da Universidade do Futebol  

Categorias
Artigos Sem categoria

Considerações táticas sobre Liverpool x West Bromwich

O futebol contemporâneo apresenta uma infinidade de fatores convergentes para a realização de jogos inteligentes, que são aqueles disputados por equipes que, ao se prepararem através de diversos recursos e métodos de treinamento, competem em alto nível de consciência e desempenho tático. Para Abel Ferreira, treinador do Palmeiras, uma equipe tem que realizar suas ações de modo consciente, interpretando as dinâmicas do jogo e executando de forma inteligente as movimentações treinadas previamente. Para o treinador palmeirense os atletas não podem jogar de modo automático ou inconsciente. Ao contrário, diante de cada situação do jogo os jogadores deverão apresentar as soluções táticas correspondentes.

Ocorre, no entanto, que o futebol é um esporte realizado em um contexto complexo repleto de imprevisibilidades. A complexidade do futebol resulta do conjunto e das interações existentes entre as ideias de jogo, a qualidade dos jogadores e suas relações com as ideias, o contexto existente e os problemas específicos do confronto entre equipes. Surge daí a necessidade de adoção de modelos de jogo, que constituem a identidade das equipes de futebol a partir da interação entre os seguintes fatores: ideias do treinador, princípios do jogo, características do clube, contexto, jogadores e treino (OLIVEIRA, 2012).

Neste texto realizamos algumas considerações táticas a respeito da partida entre Liverpool Football Clube e West Bromwich Albion Football Club, disputado no dia 27 de Dezembro de 2020, no Estádio Anfield (em Liverpool), pela 15ª rodada da Premier League (campeonato inglês) 2020/2021. O jogo terminou empatado em 1 X 1. Em situações opostas na tabela de classificação, com o Liverpool lutando pelo título e o West Bromwich buscando a saída da zona do rebaixamento para a 2ª divisão nacional, as equipes apresentaram modelos de jogo diferentes e representativos das qualidades e circunstâncias que envolvem os dois clubes.

A abordagem deste artigo é qualitativa, mas alguns dados quantitativos explicam algo sobre a partida em questão: o Liverpool trocou 787 passes, o que corresponde a 79% de posse de bola, enquanto o West Bromwich realizou 213 passes, correspondentes a 21% de posse de bola. O Liverpool chutou 17 vezes, mas apenas duas destas foram em direção à meta adversária: já o West Bromwich chutou 5 vezes, mas três destas foram na direção da meta do Liverpool (ESPN/FOX, 2020). Conclui-se, portanto, que a superioridade técnica do Liverpool não resultou em supremacia no placar da partida, o que representa uma característica específica do futebol: em outros esportes coletivos, como o basquetebol, o voleibol e a handebol, superioridades marcantes são traduzidas em placares de jogo com grandes vantagens numéricas.

A realidade tática do jogo era a anteriormente prevista pelos jornalistas esportivos e analistas do futebol inglês: o jogo ocorreria com nítida maior posse de bola do Liverpool, com realização das ações no campo de defesa do West Brom. E foi o que aconteceu: o West Bromwich passou o 1º tempo apenas se defendendo, enquanto o Liverpool atacava de modo incessante, atingindo 85% de posse de bola na primeira etapa.

Jürgen Klopp, treinador do Liverpool, apresenta um modelo de jogo que não prevê necessariamente um grande percentual de manutenção da posse de bola. Para Rocha (2020), o treinador alemão objetiva um modelo intenso e agressivo, mas com espaços para a inteligência e a adaptação conforme requisitado pelas circunstâncias do jogo. O modelo de Klopp considera a posse de bola como um fator que também determina o domínio de uma equipe sobre outra, mas julga mais importantes ataques agressivos e velozes com pouca utilização de passes horizontais e de circulações de bola com baixa intensidade.

Ainda que não seja uma prioridade no modelo de Klopp, contra o West Brom a posse de bola resultou das condições específicas do jogo: a filosofia do “perde – pressiona – recupera” fez com que a posse de bola fosse rapidamente retomada pelo Liverpool em diversas e consecutivas situações. Aliás, o Liverpool apresentava preocupações ofensivas enquanto marcava a saída de bola adversária: quando o West Brom, do treinador Sam Allardyce, procurava iniciar a construção do jogo, era imediatamente pressionado pelas linhas do Liverpool, a começar do trio de atacantes composto por Salah, Firmino e Mané. A marcação em bloco alto, por pressão, resultava em rápidas recuperações de bola pelo Liverpool, que imediatamente partia em transição ofensiva aguda (vertical) buscando surpreender um West Brom que cognitivamente estava se ocupando da construção do jogo um segundo antes. Em síntese: o Liverpool tinha a bola nos pés, e quando não a possuía buscava recuperações imediatas de sua posse.

Percebe-se que o momento defensivo do Liverpool estava associado à transição ofensiva e à fase ofensiva, configurando momentos que, ainda que didaticamente separados, representam um todo dinâmico e indivisível (MOURINHO apud OLIVEIRA et al, 2006). De acordo com Oliveira (2012), os momentos do jogo são quatro: a) organização ofensiva, b) transição ataque – defesa, c) organização defensiva, d) transição defesa – ataque. Há uma interação entre estes momentos, segundo uma perspectiva ideal. Para Drubscky (2003), as fases do jogo são três: o momento ofensivo (fase de construção de jogadas), o momento defensivo (fase de recuperação da bola) e os momentos de reorganização do jogo (as transições). O todo dinâmico e indivisível transpareceu na organização tática do Liverpool, que controlou o jogo contra o West Brom via posse de bola, notadamente no terço final do campo (nas proximidades da meta adversária). Mas por que então o Liverpool não venceu ou goleou o West Bromwich?

No plano da ficção, podemos dizer que os deuses do futebol apresentam razões que a própria razão desconhece. No contexto pragmático do jogo existem motivos que explicam alguns resultados inesperados ou até insólitos. O West Bromwich, sabedor de suas limitações, organizou uma defesa em bloco baixo, com linhas muito compactadas. A primeira linha apresentava cinco homens, enquanto a segunda era ocupada por quatro atletas. O atacante mais avançado da equipe “balançava” de acordo com a movimentação dessas linhas. Em outros instantes eram seis atletas na primeira linha e quatro na segunda linha. Podemos dizer que o Liverpool controlava a bola, enquanto o West Brom de certa forma controlava o espaço. As investidas agudas do Liverpool ocorreram durante toda a partida, mas esbarravam em espaços ocupados pela defesa do West Brom, que executava marcações duplas, triplicadas ou até quadruplicadas sobre o portador da bola do Liverpool.

A equipe do Liverpool também retomava a bola com pressões exercidas por até três atletas sobre o homem da bola. Nesses momentos a equipe avançava seus laterais (Alexander-Arnold e Robertson) e seus homens de meio (Henderson, Wijnaldum e Jones) diminuíam radicalmente a distância para os três atacantes. Seria momento então para o Liverpool executar com a qualidade habitual suas transições ofensivas, mas isso não aconteceu. Viradas de jogo para as extremidades opostas ocorreram algumas vezes, mas as sequências das jogadas não eram rápidas, permitindo tempo para a total basculação das linhas do West Brom. Passes para atletas entrelinhas foram inviabilizados pela compactação do West Bromwich. Outra opção contra defesas muito fechadas, os chutes de média e longa distâncias, foram pouco utilizados: o Liverpool recorreu a este recurso em dois chutes (Salah e Henderson) e em duas cobranças de faltas por Alexander-Arnold.

O Liverpool, então, buscou triangulações com toques de primeira e jogadas individuais, objetivando assim superar as linhas adversárias. Essas estratégias foram neutralizadas pelo West Brom, sobretudo pela superioridade numérica na região da bola e pelas coberturas eficientes quando seus atletas sofriam o primeiro drible de Salah e Mané. Na realidade, o Liverpool obteve sucesso em dois passes em profundidade para Mané, que recebia a bola na altura da primeira linha do West Brom: em um desses lances a passe de Matip encontrou Mané, que abriu o placar aos 13 minutos do primeiro tempo.

Para além das situações citadas, que exprimem grande parte da lógica do jogo, torna-se importante destacar os seguintes tópicos: a) o Liverpool conseguiu dominar praticamente todos os rebotes ofensivos; b) o goleiro do Liverpool, Alisson, tocou pela primeira vez na bola quando de um recuo aos 25 minutos de jogo, c) o primeiro ataque efetivo do West Bromwich ocorreu aos 32 minutos de jogo; d) nos raros casos de saída de bola, no seu campo defensivo, o Liverpool adotou o formato lavolpiano, com a abertura dos zagueiros Fabinho e Matip e a colocação do volante Henderson entre eles.

Com relação aos princípios táticos do jogo, conforme discriminados por Costa et al (2009), podemos estabelecer alguns parâmetros para a compreensão da pouca efetividade do ataque do Liverpool. Por “pouca efetividade” compreendemos o fato da equipe citada ter dominado o jogo, sobretudo no aspecto temporal, mas não ter obtido número elevado de finalizações e gols. Analisemos três princípios fundamentais do jogo ofensivo, segundo os autores supracitados: mobilidade, penetração e cobertura ofensiva. Os atletas do Liverpool buscaram a realização de coberturas ofensivas, tanto que as opções de passe sempre existiram durante o jogo, bem como a recuperação imediata de bolas perdidas. No entanto, a equipe não efetuou penetrações em função de sua mobilidade realizada em baixa velocidade (ou sem intensidade, se preferirem). O “ferrolho suíco” (leia-se retranca) armado por Sam Allardyce reduziu drasticamente os espaços de manobra para os comandados de Jürgen Klopp.

As movimentações rápidas do Liverpool no sentido de retomar a posse de bola não foram seguidas por mobilidades ideais, intensas e velozes, no plano ofensivo. Desse modo a equipe de Klopp dominou a posse de bola, mas esse fator temporal não foi convertido em ataques agudos e rápidos. O controle da bola não resultou em produção de espaços livres e suas consequentes ocupações, e algumas recuperações de bola por parte do West Brom proporcionaram perigosos contra-ataques em direção à meta defendida por Alisson: em um deles o goleiro brasileiro impediu o gol adversário, através de uma excelente saída por baixo. A outra alternativa ofensiva do West Brom seria através de bolas paradas, e foi assim que, após escanteio curto, o zagueiro Ajayi cabeceou para a redes do Liverpool, empatando a partida aos 37 minutos da segunda etapa.

Em síntese, compreendemos que o Liverpool foi fiel ao seu modelo de jogo e aos princípios táticos dele derivados, mas não obteve a vitória por não ter conseguido abrir espaços em uma defesa fortemente compactada em uma zona restrita do campo. Se por um lado entendemos que uma maior velocidade nas transições ofensivas poderia ter concedido o triunfo à equipe de Jürgen Klopp, por outro podemos interpor um questionamento à alguns modelos de jogo específicos que rotulam as ideias dos treinadores: a flexibilização de tais modelos não seria recomendável em determinadas circunstâncias de jogo?

Algumas palavras de Tostão (2021), em artigo publicado pela Folha de São Paulo, lançam luzes sobre essa indagação. Para o centroavante de grandes atuações na copa do mundo de 1970, as equipes de futebol devem adotar diferentes estratégias durante um jogo de futebol, sendo em um mesmo confronto ofensivas e defensivas, ativas e reativas. Tostão (2021, p. B7) arremata:

o jogo de futebol, assim como a sociedade, deveria estimular a diversidade e evitar a radicalização. Os maiores bens do ser humano são a independência e a liberdade, respeitando o direito dos outros, sem se tornar refém de preconceitos e de conceitos técnicos e táticos.

            Sábias reflexões do ex-craque da seleção brasileira, que deixou de ser um estilista da bola para se tornar um autor de textos escritos com singular maestria.

COSTA, Israel T.; SILVA, Júlio M. G.; GRECO, Pablo J.; MESQUITA, Isabel. Princípios Táticos do Jogo de Futebol: conceitos e aplicação. Revista Motriz. Rio Claro, V. 15, N. 3. p. 657-668, 2009.

DRUBSCKY. Ricardo. O Universo Tático do Futebol: Escola Brasileira. Belo Horizonte: Editora Health, 2003.

FERREIRA, Abel Fernando Moreira. Entrevista coletiva. Disponibilizada pela ESPN/FOX em 5 de Janeiro. Buenos Aires, 2021.

OLIVEIRA,  José  G.  G.   Periodização   Tática:    Pressupostos    e    Fundamentos. Curso / Escola Brasileira de Futebol,  2012 . Disponível em: https://pt.slideshare.net/PedMenCoach/periodizao-ttica-jos-guilherme-oliveira. Acesso em 25 de Janeiro de 2021.

OLIVEIRA, Bruno; Amieiro, Nuno; Resende, Nuno; Barreto, Ricardo. Mourinho: porquê tantas vitórias. Lisboa: Gradiva, 2006.

ROCHA, André. Era Jürgen Klopp é de futebol intenso, mas também inteligente e adaptável. Artigo / UOL, 2020. Disponível  em  https://andrerocha.blogosfera.uol.com.br/2020/06/26/era-jurgen-klopp-e-de-futebol-intenso-mas-tambem-inteligente-e-adaptavel. Acesso em 18 de Janeiro de 2021.

TOSTÃO. Apertar e recuar. Artigo. São Paulo: Folha de São Paulo, 24 de Janeiro de 2021.

Categorias
Áreas do Conhecimento>Técnico Desportivo|Conteúdo Udof>Artigos Sem categoria

A importância do arremesso lateral

A jogada realizada pela equipe do São Paulo na quinta-feira dia 03/12/2020, que originou o segundo gol da vitória contra o Goiás, em partida válida pela 1ª rodada do Campeonato Brasielrio viralizou nas redes sociais, uma jogada ensaiada e treinada que resultou no gol do Brenner.

A jogada se inicia de um arremesso lateral, que aliás é o momento de bola parada que mais acontece no jogo.

Qual a importância que você dá para o arremesso lateral nos treinos que realiza?

Há detalhes no arremesso lateral que são pouco explorados e discutidos em relação a esse momento. Sendo um momento peculiar por conta da bola partir da mão do jogador que realiza a cobrança, sendo o resto do jogo praticado com os pés.

O arremesso lateral deve ser colocado em disputa ou para controle?

Em 2016, o lateral arremessado na área foi uma jogada muito importante para o Palmeiras, ajudando também na conquista do Campeonato Brasileiro. Uma jogada onde a equipe arremessava o lateral na área e os jogadores estavam sempre prontos e ajustados para a disputa de primeira e segunda bola.

No Brasileirão 2019 a equipe comandada por Jorge Jesus tinha uma jogada de arremesso lateral na área que resultou em dois gols no Castelão, contra Ceará e Fortaleza. Onde os ajustes eram para primeira bola ser ajeitada para o meio da área onde haviam jogadores para a segunda bola finalizar.

Como colocar o lateral em controle do time de posse?

Um detalhe, que é falado no vídeo do treinamento do São Paulo, é o Diniz pedindo para que a bola seja jogada em direção ao pé do atleta que irá receber. Acredito que isso seja um ponto muito importante para se pensar no lateral, a bola no pé facilita o controle do jogador e faz com que dê continuidade da jogada.

Outro ponto a se pensar é que o jogador que cobra o arremesso lateral, após o arremesso é um jogador livre, que pode ser apoio a continuidade da jogada.

A equipe do Liverpool tem um treinador específico para Arremessos Laterais, se chama Thomas Gronnemark, a equipe inglesa teve uma melhora em seu desempenho desde que o dinamarquês chegou a equipe na temporada 2018/19.

“Como jogador de futebol, é muito importante que você possa arremessar a bola com precisão, encontrando espaços por todo o campo. Eu trabalho com cerca de 20 princípios diferentes para efetuar as cobranças, e os jogadores podem encontrar outras diversas variações” (Thomas Gronnemark)

Quais outros detalhes você pensa ser importante para essa bola parada no jogo?

A mobilidade, desmarques e troca de posição acredito que seja muito importante para esse momento, fazendo com que se criem jogadas e espaços a partir do arremesso lateral. É possível colocar movimentos de bloqueio, como é feito no basquete, para que os jogadores saiam livres e possam controlar a bola para dar continuidade à jogada. Outra maneira de se arremessar a bola é no espaço – chão, para que o jogador consiga dominar a bola em movimento – para frente ou para trás.

Outro ponto que é importante ser refletido é sobre como colocar arremessos laterais nos treinamentos. Será que é necessário colocar os arremessos apenas nos jogos grandes? É possível criar treinos de rondo onde a bola se inicia em um arremesso lateral? Ou utilizá-los em trabalhos específicos com cabeceio também?

Quais outras formas possíveis de se treinar o arremesso lateral?

É importante se pensar na técnica específica de arremesso, onde movimentos de quadril podem ajudar a ganhar força e potência no arremesso. Outro ponto que acredito ser importante é o engano de quem está arremessando, movimentos rápidos de braço e perna para enganar e jogar para outro lugar a bola facilitam a continuidade da jogada.

Há outras técnicas importantes para esse arremesso?

Há várias formas de se utilizar e melhorar o arremesso lateral de sua equipe, um momento pouco valorizado mas necessário ser pensado e refletido. Terminamos esse texto com uma frase dita por Thomas Gronnemarck que auxilia na reflexão sobre o arremesso lateral: “Muitas das melhores equipes do mundo estão apenas arremessando a bola e não conseguindo mantê-la. Mas claro, por não saberem ainda o que melhorar, no que trabalhar, quais as melhores soluções”.

Pense e analise o jogo e coloque em prática.

REFERÊNCIA:

https://www1.folha.uol.com.br/esporte/2020/06/liverpool-tem-ate-tecnico-de-arremesso-lateral-em-campanha-historica.shtml (Frases Thomas Gronnemarck)

Categorias
Áreas do Conhecimento>Direito Desportivo|Conteúdo Udof>Colunas Sem categoria

Futebol Feminino – Preconceito X desenvolvimento da modalidade

Crédito imagem – Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC

O amor pelo futebol é universal. Homens e mulheres, adultos e crianças, compartilham dos mesmos sentimentos quando torcem pelo seu time de coração: felicidade, tristeza, desespero, euforia. No entanto, infelizmente, uns e outros ainda possuem aquele pensamento retrógrado de que futebol não é local para mulheres.

O ingresso das mulheres no futebol é recente comparado com o surgimento dessa modalidade de esporte.

Há 40 anos, as mulheres ainda eram proibidas por lei de praticar esportes, incluindo o futebol, sendo permitido somente aos homens jogar e participar de campeonatos.

Em que pese esta proibição ter caído em 1979, muitas mulheres ainda são impedidas de jogar bola, quer seja pelo machismo enraizado nas famílias, quer seja pela dificuldade de adentrar no ambiente futebolístico.

Por isso, exigir igualdade de desempenho entre homens e mulheres é, no mínimo, hipocrisia e falta de empatia da parte de quem faz tal comparação.

Recentemente, o sócio e ex conselheiro do Santos FC, Sérgio Ramos, se envolveu em uma polêmica ao ser divulgado trechos de uma transmissão do Blog Soul Santista, onde ele dispara comentários de cunho misógino e de incitação à violência contra a mulher.

Durante a transmissão, o sócio proferiu ofensas às jogadoras do Peixe, afirmando que “campo de futebol não é lugar de mocinhas” e que “mocinhas no campo de futebol são aquelas que a gente enche de porrada e tira de lá”. Referido senhor disse ainda que o futebol feminino é um lixo e que não o assiste de jeito nenhum, além de muitas outras barbaridades.

Os comentários arrancaram risadas do grupo, sendo que os demais participantes da live se limitaram a alertaram o ex conselheiro de que tais comentários poderiam ser considerados politicamente incorretos.

O discurso viralizou na internet e nas redes sociais, causando repúdio e diversas manifestações contrárias às ofensas disparadas pelo ex conselheiro do Peixe. O próprio clube chegou a emitir nota de esclarecimento, afirmando que as providências em face da Sergio Ramos já estão em andamento. Além disso, o Blog Soul Santista também se pronunciou, afirmando que a opinião do convidado Sérgio Ramos não representa a do Blog.

Infelizmente, comentários desse tipo são comuns em nossa sociedade. O futebol feminino é desprestigiado por muitos, o que acaba refletindo diretamente no desenvolvimento, rendimento e orçamento dos times de futebol feminino.

Mesmo com todos os entraves, é notória a evolução do futebol feminino. Prova disso foi o sucesso da Copa do Mundo Feminina, onde os jogos alcançaram visibilidade, boa audiência e repercussão a nível mundial. Se a sociedade valorizasse e incentivasse as mulheres à prática desse esporte desde a infância, e investissem em categorias de base e profissionalização, como ocorre com os homens, certamente o nível e a qualidade técnica dos times femininos progrediriam satisfatoriamente.

Nada impede que as jogadoras e times femininos sejam cobrados quando não apresentam o rendimento desejado, como ocorreu com a seleção brasileira feminina na Copa do Mundo.

Entretanto, o que não pode ocorrer é a comparação desleal com o futebol masculino, o qual, desde sempre, teve prestígio e altos investimentos, e a perpetuação de pensamentos e práticas preconceituosas e misóginas, que só afastam a possibilidade de o futebol feminino alcançar o lugar merecido dentro do ambiente futebolístico.

Infelizmente o preconceito contra o futebol feminino está enraizado na sociedade e comentários como o do sócio e ex conselheiro do Santos FC, Sergio Ramos, são ainda comuns, o que só ressalta a importância de combatermos a discriminação e intolerância dia após dia, visando, inclusive, a evolução da nossa sociedade.

Categorias
Áreas do Conhecimento>Técnico Pedagógico|Conteúdo Udof>Colunas Sem categoria

A rua nos ensina muito mais do que driblar, passar e fazer gols

Em nosso último texto, abordamos a diferença entre driblar ou fintar um cone e uma pessoa, buscando destacar a importância de levarmos para os espaços de ensino e treinamento do futebol – escolas, escolas de futebol e clubes – todos os ensinamentos da pedagogia da rua. Ao abordar as diferenças entre driblar um cone e uma pessoa, do ponto de vista da aprendizagem das habilidades para o jogo de bola e do desenvolvimento das coordenações motoras que estão na base dessas habilidades, deixamos em aberto algumas questões, entre elas, duas que trataremos neste texto: a importância de trazer para as aulas e treinos o aspecto lúdico, sobretudo por seu caráter de diversão, de alegria e de prazer, e as questões afetivas que permeiam toda e qualquer prática social, neste caso, o futebol.       

O prazer e a alegria de jogar futebol não estão presentes somente em crianças e jovens. Sim, está certo que é nesses períodos de vida que mais podemos brincar e nos divertir, mas não é porque crescemos e nos tornamos adultos que o futebol precisa se tornar algo maçante, chato, repetitivo e desprovido de alegria e divertimento. O que mais diverte crianças e jovens na prática do futebol: aguardar numa fila seu raro momento para dar um chute na bola ou brincar de rebatida? Driblar cones em direção ao outro lado do campo ou brincar de driblinho/golzinho na rua? E os adultos – e aqui vale considerar até mesmo os(as) atletas profissionais: quando correm em volta do campo para aquecer ou quando brincam de bobinho?

Vale ressaltar que o foco deste texto não é discutir se nos aquecemos melhor correndo em volta do campo ou jogando bobinho. Ou se aprendemos a driblar melhor passando por um cone ou jogando golzinho na rua, mas sim trazer para o debate a ideia de que tudo isso pode ser feito com alegria, diversão, prazer, ou seja, fazendo da prática do futebol uma experiência positiva, prazerosa e, consequentemente, duradoura.   

Como já antecipamos, o outro aspecto que gostaríamos de destacar, também ligado ao plano afetivo, refere-se aos desafios, medos, situações de sucesso e fracasso, que costumeiramente a rua nos ensina. Certamente, realizar um drible em um adversário é muito mais instigante do que em um cone, ou em um adversário invisível. Executar uma finalização ou desarme com a cabeça a partir de uma bola cruzada da lateral e com a presença de um adversário é muito mais desafiador do que lançar a bola com as mãos para o próprio cabeceio. Marcar ou enfrentar a marcação de um jogador mais rápido, mais alto ou mais forte que você, lhe ensinará muito mais a lidar com o medo do que ser marcado por um cone. Ou seja, é certamente no contato com o outro, em situação real ou simulada de jogo, que esses aprendizados se dão de modo mais intenso e permanente.

Isso não significa que, automaticamente, tal tipo de aprendizagem se transfere para outras situações de vida. A rua não tem esse compromisso. Num primeiro momento, aquilo que uma criança aprende jogando bola, superando medos, fracassando ou sendo bem-sucedida, vivenciando o êxito ou a frustração, restringe-se ao plano imediato das ações práticas do jogo. A repercussão dessas aprendizagens na vida fora do jogo e ao longo da vida, mantém-se como mistério; muito do que sabemos, especialmente no plano afetivo, não sabemos de onde veio. Porém, a rua não tem compromisso pedagógico.

A aprendizagem da rua é uma aprendizagem ligada ao que se vive; na rua, aprende-se a viver vivendo. Porém, quando compreendemos o que se passa na rua e transpomos esses ensinamentos para as escolas, começamos uma outra história. A escola sim, tem compromisso com ensinar tecnicamente, de imediato, e também com a formação para a vida. Aquilo que a rua faz tão bem, a escola tem que fazer, pelo menos, razoavelmente. E aquilo que a rua não faz, a escola tem que fazer. O que os conhecimentos de cada prática transcendem a própria prática e se estendem a outros campos do conhecimento – por exemplo, a superação de desafios, a definição de estratégias se transferindo ao conhecimento matemático, são, em boa parte, componentes de nosso inconsciente. Podem chegar a outros campos do conhecimento, mas não saberemos como, nem quando. Porém, essa educação da rua transformada em pedagogia nas escolas pode alimentar uma metodologia que produza tomadas de consciência. Aí sim, os conhecimentos tornados, ao menos parcialmente, conscientes, podem ser orientados para potencializar conhecimentos em outras áreas.  

Categorias
Áreas do Conhecimento>Comunicação e Marketing|Conteúdo Udof>Colunas Sem categoria

A decisão nas mãos do torcedor

Na era da economia da atenção, os clubes de futebol entram em uma nova disputa. Precisam vencer as plataformas de streaming e os jogos eletrônicos, valendo justamente a atenção de seus torcedores. Para isso, utilizar ferramentas que possibilitem que os torcedores tomem decisões pelo clube pode ser fundamental para trazer o engajamento necessário para manter este fã por perto. Este texto busca explicar como funcionam iniciativas nesse sentido, trazendo alguns exemplos tanto do mercado brasileiro, quanto de fora.

Conforme o mundo evolui, vamos sendo apresentados à novos conceitos. Um dos mais recentes é o da Economia da Atenção. Esta ideia começa a surgir quando o tempo passou a ser um recurso cada vez mais escasso. Não foi coincidência a enorme quantidade de publicações nas redes sociais com dicas de produtividade no home office na época em que a quarentena foi instaurada no Brasil, em março de 2020. Além de atividades de trabalho e estudos, existem diversas opções de entretenimento disponíveis, como séries, redes sociais e vídeo games. Com diversas informações a serem consumidas, a atenção das pessoas virou o principal desejo de produtores de conteúdo de diferentes formatos, pois é a partir de sua conquista que os produtos e serviços serão vendidos com maior facilidade.

Como mais um produto de entretenimento, o futebol e outras modalidades esportivas entram na briga pela atenção dos torcedores, tendo os serviços citados no parágrafo anterior como concorrentes. O futebol já sai atrás no placar quando lembramos que seu principal produto, uma partida, possui 90 minutos, tempo muito longo para alguém prestar atenção sem interrupções. Em pesquisa recente, a consultoria PwC analisou o comportamento de consumo de torcedores ao redor do mundo. Estes dados mostraram que as gerações mais jovens estão se desligando da partida ao vivo, buscando consumir conteúdos como os melhores momentos para se manter informada.

Para ter vantagem neste jogo, existem alguns conceitos que podem ser utilizados pelos profissionais do esporte para criar um bom relacionamento com seus fãs. Um destes, cada vez mais utilizado por clubes e outras empresas, é o de dar poder de decisão aos torcedores sobre questões da entidade. Essa prática ganha força no momento em que os fantasy games e novos modos de jogo dentro de FIFA e Pro Evolution Soccer passam a entregar aos usuários a opção de montar suas próprias equipes, se tornando verdadeiros gestores responsáveis pela compra e venda de atletas. As decisões que serão tomadas por torcedores no mundo real não necessariamente precisam ser relevantes. Podem ir de questões mais simples, como escolha do ônibus do time até decisões realmente importantes, como será visto na sequência deste texto.

São duas as vantagens obtidas ao possibilitar que os fãs tomem as decisões dos clubes. A primeira é o próprio engajamento em si. O perfil oficial do Campeonato Brasileiro no Twitter tem feito isso muito bem, permitindo que os torcedores escolham a seleção de cada rodada a partir de votação na plataforma. É possível notar que as enquetes para cada posição movimentam toda a comunidade que segue o perfil, por envolver a paixão de diversas torcidas na ação.

A segunda vantagem é a sensação de pertencimento. Existe muita paixão envolvida no esporte, e o torcedor quer sempre estar próximo. Um clube que já percebeu esse desejo e as oportunidades que isso traz é o Bahia. Desde 2018 o clube define seu uniforme a partir de uma votação popular com seus torcedores, com a vantagem de a camisa de jogo da equipe ser produzida pela Esquadrão, marca própria do tricolor baiano. Na votação de 2019, foram cerca de 50 mil participações no concurso denominado “Manto do Esquadrão”.

No último ano, foram alguns casos de ações nesse sentido no futebol brasileiro. O Atlético-MG utilizou a estratégia para gerar engajamento no início da pandemia, quando as partidas estavam paralisadas. Assim, em parceria com a empresa End to End e a fornecedora de material esportivo Le Coq Sportif, surgiu a campanha “Manto da Massa”. O projeto envolvia ter uma camisa do clube desenhada por um torcedor, fato que seria legitimado a partir de votação popular. Os objetivos iniciais envolviam aumentar a receita do clube, seja com a venda do novo uniforme, seja com o engajamento nas redes sociais e no plano de sócio torcedor. Os resultados superaram as expectativas tanto do Atlético, quanto da End to End, outra parte envolvida na ação. Foram 100 mil camisas vendidas em 8 dias, aumento de 87% da base de sócios do clube e a marca de 22 mil seguidores na conta de Instagram do Galo na Veia, programa de sócio do clube que possuía apenas 5,6 mil seguidores antes do projeto.

No mercado internacional também existem bons exemplos. A plataforma Socios.com utiliza esse conceito em seu produto. A empresa disponibiliza a venda de tokens, um ativo digital ligado a tecnologia blockchain, que permite aos compradores ter poder de decisão em algumas questões dos clubes que possuem acordo com o Socios.com. No futebol, são 14 instituições com contrato, com grandes clubes como Barcelona, Juventus, PSG e Atletico de Madrid. A decisão mais significativa disponibilizada para escolha dos fãs surgiu em outubro de 2020. Através de enquetes no aplicativo do Socios, os torcedores do Apollon FC, do Chipre, puderam escolher a escalação do time no amistoso contra o Aris Limassol, desde a formação tática até os atletas.

Ainda sobre esta plataforma, eles realizaram em 2018, em parceria com a consultoria Nielson, uma pesquisa sobre o relacionamento dos torcedores com seus clubes. 47% destes destacaram que se interessam mais por votações sobre suas equipes do que eleições de seus países. Reforçando a importância de dar voz aos fãs, 52% dos que responderam a pesquisa acreditam que os torcedores precisam ter mais influência nas decisões das entidades esportivas.

Para o futuro, entregar ao torcedor decisões importantes deve ser um fato presenciado mais vezes. Modelos e ferramentas para que isso ocorra não irão faltar, com tantas tecnologias disponíveis no mercado. Caberá aos clubes entenderem essa nova demanda e permitirem que os torcedores assumam seu papel de donos do espetáculo em alguns momentos.

Categorias
Conteúdo Udof>Entrevistas Sem categoria

Os impactos da covid no desempenho esportivo

Crédito da imagem – Bruno Ulivieri/AGIF/CBF

A covid-19 mudou os rumos da história da humanidade em 2020, e com o futebol não foi diferente. Paralisação das competições, jogos realizados sem público e uma mudança radical na rotina de jogadores, jogadoras e todos os envolvidos diretamente com o jogo, foram algumas das mudanças que testemunhamos após o espalhamento do vírus. Os protocolos de segurança adotados para tentar diminuir a taxa de contaminação entre os atletas contribuíram, mas não foram capazes de evitar que muitos deles fossem acometidos pela doença. Além do necessário afastamento dos contaminados, que traz um óbvio prejuízo esportivo para suas respectivas equipes, a própria doença é uma preocupação, pois seus sintomas, principalmente os acometimentos respiratórios, podem impactar diretamente no desempenho em campo, mesmo após o fim da infecção.

Para entender melhor como a covid-19 afeta o desempenho dos jogadores e jogadoras e conversamos com Páblius Staduto, médico do esporte, que compartilhou com a Universidade do Futebol um pouco sobre o que já se conhece sobre essa doença que ainda é uma novidade do ponto de vista da cronologia científica.

Universidade do Futebol – Quais são as principais exigências do futebol em relação ao corpo de um jogador ou de uma jogadora?

Páblius Staduto – Como existe um tempo determinado de jogo e a intenção de atingir os seus objetivos do jogo que é marcar gols e não sofrê-los, a distância percorrida ao longo desses 90 minutos costuma ser muito grande. Apesar de existirem as distintas posições com diferentes demandas, é importante para qualquer jogador ter bem trabalhada a resistência para suportar o período do jogo, que geralmente dura 90 minutos, mas às vezes extrapola esse período, com acréscimos e prorrogações em competições de mata-mata. Essa resistência é demandada também ao longo da semana, o que acontece no jogo é resultado do que foi trabalhado durante a semana e na pré-temporada.

Então podemos dizer que existe no futebol um misto de demanda da resistência cardio-respiratória e da força. O trabalho de força é feito sempre durante toda a temporada, para que além de aumentar a resistência, sejam prevenidas as lesões. Esse equilíbrio entre força e resistência também varia de acordo com a posição na qual o jogador ou jogadora atua. Pegando como exemplo os goleiros, eles têm uma semana muito forte de treinamentos, é exigido muita velocidade, respostas rápidas, que é o contexto do jogo. Se no caso dos goleiros o gasto de energia no jogo é aparentemente menor, durante os treinamentos da semana ele é bastante grande.

Agora quando falamos dos jogadores e jogadoras que correm o jogo todo, aqueles que atuam na chamada “linha”, alguns vão precisar de mais velocidade, mais explosão, outros vão precisar de um pouco mais de resistência para se manter o tempo todo correndo. Veja como a gente acabou falando de um misto de demandas que em alguns casos são comuns, e em outros são mais específicas, tanto é que temos grupos que treinam separados em muitas ocasiões, mas o trabalho de força e o trabalho cardiorrespiratório, vão estar sempre presentes ao longo da atividade.

Uma das características importantes da questão cardiorrespiratória é que quanto melhor se encontra essa capacidade melhor é a retomada. Por exemplo, se é realizado um esforço muito intenso durante uma jogada que pode ter um desfecho decisivo, um lance de gol ou de grande perigo, a recuperação desse esforço deve ser tão rápida quanto possível, para que esse jogador ou jogadora possa voltar ou jogo de novo na plenitude de seu desempenho. Quanto melhor a capacidade cardiorrespiratória ela, melhor essa resposta do atleta, não é difícil reconhecer aquele jogador que dá um pique e que não aguenta voltar. A pré-temporada é feita para dar esse start e depois se passa a fazer a evolução física até o atingimento de um pico em um momento importante da temporada, dependendo da estratégia de treino elaborada por cada comissão. A exigência tanto cardiorrespiratória, quanto muscular, é realmente bastante grande no futebol ao longo de todo o ano.

UdoF – Quais são os principais sintomas e sequelas que a COVID pode causar no corpo humano, pensando principalmente no desempenho exigido na prática do futebol no alto rendimento?

Páblius – O primeiro ponto são as diferentes intensidades que essa doença pode manifestar no corpo humano. O atleta, como qualquer outra pessoa, pode ter se contaminado e ser absolutamente assintomático, ou pode apresentar sintomas leves, como um quadro gripal, por exemplo, uma indisposição, algo que não vá gerar repercussão nos pulmões ou no sistema respiratório de maneira geral. A partir daí você pode ter algo mais moderado e até os casos mais intensos, com a falta de ar e a hospitalização. A parte respiratória ainda chama bastante atenção, pois essa falta de ar, essa menor resposta respiratória ao esforço, pode acontecer com intensidades variadas afetando o desempenho esportivo. São inúmeros os cenários possíveis.

Falando primeiro dos assintomáticos, apesar de eles não sentirem nada, para um atleta de alta performance sempre vai existir uma preocupação, nesses casos tem chamado muito a atenção as alterações cardíacas decorrentes da covid. Logo, o afastamento dos 14 dias, um retorno paulatino aos treinos, uma observação dos exames e uma análise da resposta deles no campo, são muito importantes para prevenir que eles não desenvolvam uma patologia cardíaca no futuro. Existem muitas perguntas ainda a serem respondidas sobre a doença, mas pelo que a gente tem visto, não vem ocorrendo grandes alterações nos assintomáticos. São muitos os exemplos de atletas que estavam positivos, fizeram o período de quarentena e conseguiram retomar paulatinamente suas atividades sem maiores problemas.

Aqueles que apresentam sintomas têm uma alteração no desempenho respiratório, e consequentemente cardíaco, pois quando você tem uma dificuldade respiratória, vai puxar o oxigênio para dentro e eliminar o gás carbônico com menos eficiência, comprometendo o corpo do ponto de vista circulatório e a própria função cardíaca, que pode estar normal, mas não vai conseguir promover as trocas da maneira ideal. Para esses casos a recuperação não vai ser só de 14 dias, sendo importante que não exista nenhum sintoma seja ele a perda de olfato, paladar, que são sinais muito claros da presença da doença, ou qualquer outro antes do retorno às atividades. Para isso existem os testes de esforço, os testes físicos, que vão mostrar se a queda de desempenho foi muito grande, nesses casos a recuperação tem que ser lenta, devendo ser realizadas uma série de avaliações como eletrocardiograma e exames mais aprofundados tanto de coração como de pulmão.

Se houver uma alteração pulmonar, lesões que aparecem com certa frequência em tomografias, que deixam o paciente bastante debilitado, o jogador ou jogadora só vai poder voltar ao esporte assim que se tiver a certeza de que não apresenta nenhum sintoma que limite sua capacidade física. Isso não é empírico, não é apenas um chute, fazemos muitas avaliações de esforço etenho recebido muitas queixas desse tipo, não só de atletas, “a única coisa que não melhorou ainda é a fadiga”, escuto. Então imagine expor um atleta, que apesar de estar já negativo ainda está com a fadiga, a parte respiratória ainda está respondendo com um pouco mais de dificuldade, e colocá-lo em um ritmo de treinamento intenso. Apesar do risco que eu tenho dele perder a massa muscular, da resistência que ele tinha, é uma segurança que a gente dá para eles de fazer uma volta mais cautelosa, mas realmente saudável.

A outra questão também que tem chamado bastante a atenção são as alterações cardíacas, a literatura está descrevendo muito em atletas que tiveram covid e que tiveram problemas respiratórios, alterações no músculo cardíaco que a gente chama de miocardite, por exemplo. Não vou entrar em muito detalhe técnico, mas é importante saber que já existe uma atenção maior para isso, pois no esporte de alta performance, seja ele qual for, você mantém um grau de exigência do corpo muito intenso durante a semana toda. Então colocar o corpo sob um stress a mais, a partir de uma virose desse tipo, da qual não temos ainda todas as respostas e reações do corpo, é bastante temerário.

Então esses atletas que têm sintomas precisam ser muito bem avaliados, se existiu algum dano, ou até mesmo sequela, se existem limitações que ele não tinha e passou a ter depois da infecção e como é que vai ser essa curva de recuperação. Tudo isso precisa ter indicadores, avaliações, exames, que possam mostrar essa recuperação, mesmo que ela seja lenta. Senão a gente vai expor esses atletas de maneira desnecessária.

UdoF – Jogadores e jogadoras estão mais ou menos propensos a serem contaminados por conta de seu preparo físico e idade? Quando contaminados, eles estão menos propensos a desenvolverem sintomas mais graves do que a média da população?

Páblius – A atividade física é um fator protetor sim, existe descrição disso, e um condicionamento melhor não é só que você vai fortalecer a imunidade, mas deixa o corpo mais atento à essa resposta quanto aos agentes externos que o cercam que podem ser potencialmente infecciosos. O grande problema é exatamente o treino em excesso, pois, no esporte de alta performance, o limiar entre estar bem de saúde ou com o próprio sistema de defesa comprometido é muito estreito.

Por exemplo, não é incomum que atletas profissionais, dependendo da modalidade, quando a intensidade das atividades se intensificam próximo de uma competição importante, comecem a desenvolver alguns sintomas como resfriados, sinusites, rinites, quadros gripais. O que ocorre nesses casos é uma queda da primeira defesa do organismo dada a intensidade dos treinos nesse momento específico de sua temporada. É aqui que nós médicos questionamos quanto um treinamento de alta intensidade, sem períodos de recuperação suficientes, é bom ou não para a saúde.

No futebol a gente tem notado algumas medidas que ajudam e diminuir essa sobrecarga, como o aumento do número de substituições, o uso de máscaras nos arredores dos gramados, o que de certo modo deu um pouco mais de segurança para os competidores, e também o afastamento dos que são detectados como positivos nos testes, medida bastante positiva.

O fato de você isolar esses atletas os 14 dias, de ter um decréscimo da presença do vírus e da posterior negativação permite que esses jogadores e jogadoras afastadas possam seguir a vida normalmente após esse período. Temos essa preocupação com o alto rendimento quando o treinamento é extremamente intenso, com pouco tempo de recuperação isso pode levar a um problema de ordem de defesa do organismo, que é o que a gente chama de imunidade.

Em relação ao desenvolvimento dos sintomas os atletas estão tão propensos a eles como qualquer pessoa. Evidências de sintomas como dor no corpo, dores musculares, indisposição, febre, dores articulares foram e tem sido relatados por atletas. Em situações mais graves, falta de ar – a dispneia, comprometimento de pulmões. Outra situação importante, é a volta ao esporte pós covid. Estudos mostram pequenas, mas significativas alterações cardíacas com pericardite e miocardite, principalmente se o retorno ao esporte for intenso e repentino após cessados os sintomas. 

Categorias
Áreas do Conhecimento>Humanidades|Conteúdo Udof>Colunas Sem categoria

Sobre a beleza e a transcendência de uma final

Outro dia, assistindo alguns videos antigos, encontrei um comentário maravilhoso deste grande sujeito que foi o Armando Nogueira, no programa Apito Final da noite que antecede a decisão da Copa do Mundo de 1994, entre Brasil e Itália. Em um minuto de fala, ele diz basicamente o seguinte:

“… uma final é uma transcendência, uma final é uma comunhão. Ela transcende todos esses limites extremamente humanos da técnica, da tática, da física. Essa equipe não é a melhor equipe que no Brasil se poderia formar, do ponto de vista técnico, mas do ponto de vista físico, do ponto de vista mental (…) me infundem uma confiança muito grande, e sobretudo um jogador, que eu considero estar ungido, que é o Romário.”

Para quem tem um coração em ordem, é muito difícil não se sensibilizar com uma fala dessas, pelo menos por dois motivos. Primeiro, porque não é uma análise puramente objetiva, não é uma espécie de anatomia do jogo de futebol, como agora estamos nos acostumando a fazer: pelo contrário, é uma impressão absolutamente subjetiva, muito mais empírica do que teórica, e justamente por isso é quase que inteiramente poética – é uma compreensão mais do que lúcida sobre o funcionamento de um evento esportivo decisivo. Depois, é uma fala tão importante porque, passados 26 anos, ela praticamente não envelheceu. Além de ter acertado que Romário sairia daquela Copa do Mundo canonizado – sem que tenha sido o astro daquela final, o que nos leva a crer que Romário já estivesse canonizado quando Armando Nogueira disse o que disse, praticamente todas as palavras continuam valendo, para várias equipes diferentes, e uma final continua sendo uma transcendência, uma comunhão, que vai para muito além dos limites extremamente humanos da tática e da técnica e do físico e da mente.

Bom, foi com esse trecho em mente que recebi várias das críticas ao jogo entre Palmeiras x Santos, no último sábado, pela decisão da Conmebol Libertadores. Particularmente, achei muito interessantes as críticas que denunciaram uma certa falta de qualidade estética no jogo, como se uma final precisasse ser um espetáculo surrealista – ou mesmo como se várias das finais recentes de campeonatos importantes tivessem sido jogos inquestionáveis. Onde estávamos em Brasil x Itália em 1994, Espanha x Holanda em 2010, Argentina x Alemanha em 2014 – onde estávamos em Liverpool x Tottenham, em 2019, para citar um exemplo mais recente? Entendo que um jogo dessas proporções cause uma certa expectativa, mas acho curioso como as expectativas que criamos, a partir dos torcedores, da imprensa, e às vezes de nós mesmos, profissionais do futebol, são tão demasiadamente afastadas do real, de um jeito que não seja possível qualquer outro sentimento que não o da decepção – daí a importância da gestão de expectativas, como dizem alguns colegas.

Ao contrário de algumas das denúncias que li, não me parece que o problema estético de um jogo decisivo esteja no fato de ser jogo único. Não é disso que se trata. O ponto mais importante, anterior ao fato de ser jogo único ou não, é o fato de que quando falamos de futebol, falamos de jogo: falamos de um terreno em que reina a imprevisibilidade, a incerteza, falamos de uma espécie de suspensão temporária do real, que cria uma outra realidade (é por isso que, quando jogamos, o tempo passa de uma forma diferente). Quando falamos de jogo, acho que ainda precisamos nos educar no sentido de que as forças do jogo são maiores do que as nossas forças, o jogo não existe para atender as nossas próprias vontades enquanto sujeitos, mas existe para fazer valer as suas próprias vontades enquanto jogo. Quando nos dedicamos ao planejamento, à aplicação e à avaliação de processos de treino, nós precisamos ter em mente que não fazemos isso para controlar, de alguma forma, o jogo que se joga, porque essa é uma batalha perdida na origem: todas as tentativas de controlar o jogo deslizam pelos nossos dedos sem que tenhamos a mínima condição de segurá-lo, de fato. O que podemos fazer, ao menos da forma como eu vejo o treino/jogo, é refinar as nossas capacidades de resposta aos problemas que o jogo nos apresenta. Ou seja, ao invés de treinarmos para controlar o jogo, treinamos para responder, cada vez melhor – individual, grupal e coletivamente – ao jogo que se joga, evitando ao máximo nos apegarmos a qualquer delírio de controle, pois me parece que quanto mais confrontamos a força do jogo, mais ela se impõe sobre nós. É com esse tipo de pensamento que acho que deveríamos encarar, com a mais absoluta naturalidade, que duas equipes bem treinadas – ou equipes ‘ricas de ideias’, para usar um dos clichês da moda – possam fazer um jogo decisivo abaixo da expectativa do público médio.

Como eu mesmo falei em algum outro lugar, existe um texto muito bonito do Nietzsche – que falava de futebol sem saber, diga-se, salvo engano meu no Zaratustra mesmo, em que ele defende que o sentido de um texto não está no texto em si: está na capacidade do leitor em relacionar-se ativamente com o texto que se lê, porque as possibilidades de interpretação de um texto são infinitas – quanto mais refinado e insistente for o leitor, talvez mais amplas sejam as possibilidades de leitura. Digo isso porque, a meu ver, é justamente o que acontece num jogo de futebol. Se olharmos para um jogo de futebol esperando apenas e tão somente analisá-lo, como se ele tivesse um sentido único, universal, inquestionável, sinto que perderemos aquela que talvez seja a grande potência do jogo de futebol, que é a potência do infinito, dos vários jogos dentro de um único jogo, da admissão de todos os olhares possíveis e da importância de fazer com que nosso entendimento sobre o jogo de futebol não seja necessariamente melhor apenas de acordo com a quantidade de conhecimentos que – supostamente- temos sobre o jogo – mas sim de acordo com a nossa capacidade de refinamento dos sentidos que damos ao jogo que se joga.

E é também com essas lentes que acho que poderíamos ler o jogo de sábado, pois o mesmíssimo jogo que pode ter induzido ao sono um ou outro espectador, também pode ter inquietado vários outros, e machucado vários outros, e alegrado vários outros e permitido todo e qualquer tipo de análise, inclusive de um ponto de vista tático – e com esse tipo de olhar, que lê o jogo de corpo inteiro, é que acho que podemos avançar no sentido de uma outra prática, de um outro futebol e de uma outra vida.

Categorias
Artigos Sem categoria

Relatório – O melhor time do mundo no Brasil

O presente documento foi confeccionado com dois objetivos. Primeiro o de trazer uma apanhado inédito sobre o mercado nacional e mundial do futebol feminino. Já o segundo é o de fazer um convite, um convite para sonharmos com o melhor time do mundo no Brasil. Tal sonho não é nem um pouco fácil de ser realizado, mas, como defendemos ao longo do estudo, está longe de ser impossível.

Clique no link abaixo para acessar o relatório completo!