Categorias
Artigos Sem categoria

A abordagem sistêmica e a participação no contexto coletivo como referências para a elaboração do treinamento de goleiros

Créditos imagens: Arquivos Fernando Corrêa

A equipe de futebol vista a partir de uma abordagem sistêmica pode ser considerada um conjunto de diversos componentes em interação, que atuam na formação de um sistema, no qual seus integrantes devem trabalhar de forma coordenada e interdependente para o melhor funcionamento e desenvolvimento da equipe.

A visão sistêmica tenta trazer para o jogo a compreensão do “todo”, permitindo uma análise global, mais completa e complexa da equipe. Nesta abordagem, todos os elementos que compõem a estrutura fazem parte de um sistema em constante organização, sejam eles elementos internos – como nível dos jogadores, visão da comissão técnica sobre o jogo e o treino, capacidade de operacionalização das ideias pela comissão técnica, modelo de jogo, qualidade do treino, aptidões psicoemocionais dos jogadores, funções táticas, ações técnicas e capacidades físicas desempenhadas pelos jogadores etc – ou externos – como estrutura do clube, aporte de investimentos, nível competitivo do clube, diretoria, torcida, imprensa, cultura do país etc.

Ao compreender a equipe como um sistema em constante organização, dinâmico e adaptativo, inicia-se a análise do conjunto de elementos e relações interdependentes existentes no ambiente de treino que, de alguma forma, influenciam no desenvolvimento e funcionamento da equipe.

Esta análise é fundamental para ter conhecimento sobre as dinâmicas existentes no sistema e, assim, obter as referências para a elaboração dos objetivos a serem alcançados durante o processo de desenvolvimento da equipe.

Com o entendimento do “todo” por meio da abordagem sistêmica, a comissão técnica deve ser capaz de elaborar sessões de treinamento condizentes com as ideias almejadas para o modelo de jogo, buscando sempre uma coerência entre o que se espera apresentar nos jogos e o que se faz nos treinamentos para que isso aconteça.

Neste contexto sistêmico do futebol, o goleiro, que tempos atrás tinha suas possibilidades de atuação no jogo subutilizadas, atualmente está cada vez mais inserido no modelo de jogo de forma sistematizada. Isso se deve à ampla possibilidade de atuação dos goleiros nos momentos de organização defensiva e ofensiva, transições e bolas paradas, realizando funções coletivas e individuais, tais como proteção da meta e do espaço aéreo; proteção da última linha defensiva; organização coletiva nas bolas paradas defensivas; orientações sobre as regras de ação dos companheiros nos diferentes momentos do jogo; e construção do momento ofensivo.

A maior utilização do goleiro no modelo de jogo, acompanhada da complexidade natural do jogo de futebol, exige que esse atleta desenvolva e aperfeiçoe constantemente seu repertório tático, técnico, físico e psicoemocional, buscando sempre reproduzir nos treinamentos as possíveis situações encontradas nos jogos. Mas para que se possa elaborar treinamentos que se aproximem ao máximo das situações de jogo e proporcionem uma eficaz atuação coletiva e individual dos goleiros, é fundamental entender as funções táticas, ações técnicas, capacidades físicas e aptidões psicoemocionais que o modelo de jogo demanda do goleiro, de acordo com as ideias de jogo da equipe e, também, de forma aleatória, devido à imprevisibilidade do jogo acompanhada das situações de oposição proporcionadas pela equipe adversária.

Segue abaixo uma tabela com os conteúdos táticos, técnicos, físicos e psicoemocionais desenvolvidos ao longo de uma temporada:

O modelo de jogo e o grau de inserção neste podem potencializar ou limitar o desenvolvimento dos goleiros. Isto porque, pensando em um amplo desenvolvimento do atleta, vivenciar apenas uma ideia de jogo dentro do modelo pode comprometer a sua constante evolução, se comparado a outro goleiro que vivenciar diferentes ideias de jogo, respeitando o tempo necessário para que as adaptações essenciais possam acontecer. Em relação à inserção no modelo de jogo, o goleiro sempre estará inserido, pois sua presença é fundamental para que o jogo aconteça. Mas o que determina suas possibilidades de atuação está diretamente relacionado ao grau de inserção no modelo, o qual pode proporcionar um repertório amplo ou limitado de funções táticas e ações técnicas a serem realizadas, que, por sua vez, influenciam diretamente as capacidades físicas e as aptidões psicoemocionais necessárias para a atuação nos jogos.

Ao analisar a atuação dos goleiros em equipes com modelo de jogo distintos, pode-se observar que, independente das ideias de jogo, os atletas realizam as “mesmas” funções táticas coletivas de organização ofensiva, defensiva, transições e bolas paradas, assim como as funções táticas individuais de proteção da meta, do espaço aéreo, da última linha e construção ofensiva. Mas as referências táticas coletivas e individuais necessárias para que os goleiros realizem estas “mesmas” funções são completamente diferentes por conta das particularidades de cada ideia de jogo.

Nesse contexto, as ideias de jogo contidas no modelo são extremamente importantes, pois estabelecem as orientações coletivas e individuais necessárias para que o goleiro confronte um ambiente caótico, proporcionando alguma previsibilidade na imprevisibilidade do jogo. E, juntamente com o grau de inserção, direcionam as características e a frequência com que cada função tática pode vir a ser realizada.

Vejamos as características das funções táticas na construção ofensiva e proteção da última linha em dois modelos com ideias de jogo distintas:

1) Imagine uma equipe A com modelo de jogo no qual o goleiro esteja inserido de forma integral no contexto coletivo e a equipe tenha como ideia de jogo:

  • a) realizar um jogo posicional
  • b) construção ofensiva desde o setor defensivo por meio de passes curtos (ataque-posicional);
  • c) dominar as ações do adversário pela manutenção da posse de bola;
  • d) marcação em bloco alto desde o tiro de meta adversário;
  • e) forte ação de pressão na bola e no espaço nos momentos de pós-perda da posse.

O goleiro nestas circunstâncias, provavelmente irá realizar a função de construção ofensiva por meio dos seguintes comportamentos táticos:

  • a) criar superioridade numérica nos momentos de construção ofensiva desde o setor defensivo;
  • b) apoiar a organização ofensiva, oferecendo linhas de passe em largura e profundidade negativa para dar sequência ao jogo ou diminuir a pressão adversária no portador da bola;
  • c) ampliar o espaço de jogo efetivo da equipe;
  • d) garantir a manutenção da posse de bola;
  • e) procurar opções seguras de passes curtos e médios quando responsável por retomar a posse de bola ou repô-la em jogo;
  • f) criar desequilíbrio na organização defensiva adversária realizando passes entre linhas quando possível.

Para cumprir a função de proteção da última linha, o goleiro pode realizar os comportamentos táticos:

  • a) diminuir o espaço das ações ofensivas adversárias em largura e profundidade por meio das orientações de subida do bloco;
  • b) reequilibrar constantemente a organização defensiva em diferentes situações do jogo;
  • c) orientações em relação aos gatilhos de pressão e controle da profundidade (bola coberta e descoberta);
  • d) ações de cobertura fora da área;
  • e) servir de novo obstáculo caso o adversário passe pela última linha defensiva (goleiro x 1);
  • f) direcionar, retardar ou interromper a progressão das ações ofensivas adversárias;
  • g) restringir as possibilidades de passes e lançamentos nas costas da defesa;
  • h) orientar os jogadores a reduzir o espaço de jogo adversário utilizando a regra do impedimento.

2) Já em uma equipe B, com modelo de jogo no qual o goleiro também esteja inserido integralmente no contexto coletivo mas a equipe tenha como ideia de jogo:

  • a) realizar um jogo reativo;
  • b) construção ofensiva por meio de passes verticais (ataque-rápido ou contra-ataque);
  • c) dominar as ações do adversário com rápidas transições ofensivas e defensivas;
  • d) marcação em bloco baixo esperando o adversário para explorar os espaços nas costas da última linha;
  • e) todos atrás da linha da bola nos momentos de pós-perda da posse.

O goleiro possivelmente irá realizar a função de construção ofensiva por meio dos comportamentos táticos:

  • a) explorar os momentos de desequilíbrio na organização defensiva adversária realizando rápidas reposições, quando responsável por retomar a posse de bola ou repô-la em jogo;
  • b) criar rupturas nas linhas defensivas adversárias por meio de passes verticais e lançamentos nas costas da defesa;
  • c) facilitar o deslocamento da equipe ao campo de jogo adversário utilizando poucos passes;
  • d) facilitar a construção ofensiva da equipe envolvendo poucos jogadores;
  • e) apoiar a organização ofensiva oferecendo linha de passe para dar sequência ao jogo;
  • f) direcionar a bola para um setor com menor pressão, preferencialmente no campo de defesa adversário.

E para cumprir a função de proteção da última linha, o goleiro pode vir a realizar os comportamentos táticos:

  • a) garantir linhas defensivas seguras e equilibradas orientando os comportamentos táticos e técnicos dos demais jogadores;
  • b) transmitir orientações ao jogador de contenção para que ele tenha a iniciativa de combater as ações ofensivas adversárias de acordo com o setor de pressão pré-definido;
  • c) condicionar as ações ofensivas adversárias para zonas de menor risco no campo defensivo;
  • d) ações de cobertura dentro da área;
  • e) servir de novo obstáculo caso o adversário passe pela última linha defensiva (goleiro x 1);
  • f) direcionar ou interromper a progressão das ações ofensivas adversárias;
  • g) restringir as possibilidades de passes nas costas da defesa.

Veja, portanto, que as ideias de jogo influenciam diretamente nas características das funções táticas.

Ainda em relação as referências táticas, é essencial que o goleiro tenha uma ampla percepção dos possíveis comportamentos táticos adversários, pois o jogo de futebol é uma constante disputa entre as organizações ofensivas e defensivas, na qual cada equipe busca se sobrepor à outra na intenção de criar possibilidades para progredir em direção ao gol adversário. Isso faz com que o goleiro necessite direcionar sua atenção a todos as possíveis situações decorrentes desses confrontos, tendo como intenção antecipar as ações adversárias. O que o deixa constantemente em situações táticas complexas pela possibilidade de ter que atuar não apenas em uma função mas, sim, em duas ou mais simultaneamente durante grande parte do jogo.

Tomamos como exemplo um confronto entre as equipes A x B para analisar as possíveis demandas no que diz respeito às percepções táticas essenciais aos goleiros nos momentos em que necessitam realizar a função tática de proteção da última linha, de acordo com cada ideia de jogo.

Na equipe A, em que o goleiro realiza a função de proteção da última linha por meio de ações de cobertura fora da área, seu adversário (equipe B), por vezes, pode se encontrar longe do gol quando retomar a posse de bola. Estas situações acontecem pelas ideias de jogo adotadas pela equipe B e também por conta das ações de marcação em bloco alto e pressão pós-perda da bola realizados pela equipe A. Estar longe do gol nos momentos de retomada da posse de bola não oferece à equipe B grandes possibilidades de realizar chutes diretos ao gol ou cruzamentos na área, ficando limitada a passes em largura para retirar a bola da pressão, passes verticais buscando progredir para o campo adversário e lançamentos nas costas da defesa. Isso permite ao goleiro da equipe A focar a maior parte de sua atenção para realizar a função de proteção da última linha, tendo em vista as limitadas possibilidades de ações ofensivas adversárias.

Já a equipe B, na qual o goleiro realiza a função de proteção da última linha por meio de ações de cobertura dentro da área, o adversário (equipe A), por vezes, pode estar próximo ao gol quando retomar a posse de bola. Estas situações acontecem pelas ideias de jogo adotadas pela equipe A e as ações de marcação em bloco baixo, com todos atrás da linha da bola. A proximidade do gol adversário nos momentos de retomada da posse de bola proporciona à equipe A maiores possibilidades de ações ofensivas, como passes em largura para retirar a bola da pressão, passes verticais para infiltração na área, lançamentos nas costas da defesa, chutes direto ao gol e cruzamentos na área. Nesta situação, é essencial que o goleiro da equipe B amplie seu foco de atenção para identificar as possibilidades de ações ofensivas adversárias e tome a melhor decisão em relação à escolha da função tática a ser realizada – proteção da última linha, proteção da meta e proteção do espaço aéreo – e, consequentemente, o tipo de ação técnica necessária para realizar a função.

As ações técnicas – que são os fundamentos realizados pelos goleiros com o objetivo de cumprir suas funções táticas – também são diretamente influenciadas pelas ideias de jogo contidas no modelo. Essa influência se dá em relação aos tipos de fundamentos necessários para realizar uma determinada função e a frequência com que esses fundamentos podem ser solicitados.

Ao analisar o goleiro que atua na equipe A, provavelmente se observará que nos momentos de construção ofensiva, as ações técnicas de jogo com os pés apresentam uma predominância dos seguintes fundamentos:

  • a) domínio orientado (tendo como referência a pressão adversária em espaço e tempo);
  • b) condução de bola (nos momentos de circulação e homem livre);
  • c) passes curtos e médios em largura e profundidade (realizados com a bola parada ou em movimento utilizando as mãos ou os pés).

Já em relação ao goleiro que atua na equipe B, os fundamentos predominantes podem ser:

  • a) domínio com orientação vertical (tendo como referência o ajuste de corpo e da bola para realizar passes verticais);
  • b) passes médios e longos em profundidade (realizados com a bola parada ou em movimento utilizando as mãos ou os pés);
  • c) lançamentos nas costas da defesa (direcionados a um companheiro ou colocando a bola em disputa, realizados com a bola parada ou em movimento utilizando as mãos ou os pés).

Nos momentos de proteção da última linha, o goleiro da equipe A pode utilizar com maior frequência os fundamentos de cobertura defensiva fora da área com a predominância dos seguintes fundamentos:

  • a) cabeceio orientado (buscando direcionar a bola para setores de menor risco);
  • b) domínio orientado (peito e coxa);
  • c) rebatidas de bate pronto (buscando direcionar a bola para os setores de menor risco);
  • d) passes a um toque (realizados com a cabeça, peito, coxas e pés).

Em relação ao goleiro da equipe B, vamos observar uma maior frequência de ações de cobertura defensiva dentro da área, com a predominância dos fundamentos:

  • a) pegada, encaixe, entrada e quedas laterais baixa e alta (nos momentos de interceptação das bolas);
  • b) abordagens de GK x 1 (nos momentos de saída nos pés dos atacantes e enfrentamentos ao portador da bola).

Nesse contexto, segue abaixo uma visão geral das conexões entre o modelo de jogo, os momentos do jogo e as funções táticas coletivas/individuas desempenhadas pelos goleiros:

Abaixo as conexões entre os momentos do jogo, funções táticas coletivas/individuas e as ações técnicas desempenhadas pelos goleiros:

Outro ponto de grande influência, relacionado com o grau de inserção do goleiro no modelo de jogo, são as capacidades físicas e aptidões psicoemocionais. Isto porque o goleiro com maior grau de inserção no modelo provavelmente terá uma exigência física e psicoemocional maior em relação ao goleiro com grau de inserção parcial no contexto coletivo da equipe. Isso se deve à maior frequência de participação no jogo em diferentes momentos e não pelas ideias de jogo.

Seguem abaixo as conexões entre as funções táticas coletivas/individuas, ações técnicas e capacidades físicas exigidas dos goleiros:

Abaixo as conexões entre os momentos do jogo, funções táticas coletivas/individuas e as aptidões psicoemocionais exigidas dos goleiros:

O entendimento destas questões pode ajudar o treinador de goleiros na construção da semana de treinamentos. É fundamental que o treinador de goleiros elabore as sessões de treinamentos individuais dos goleiros de forma conjunta e coerente com o trabalho da equipe, pois todas as funções táticas e ações técnicas realizadas pelo goleiro exercem direta influência na organização coletiva da equipe. Em contrapartida, as ideias de jogo e o grau de inserção no modelo interferem diretamente nas funções táticas, ações técnicas, capacidades físicas e aptidões psicoemocionais necessárias aos goleiros. Se no momento da elaboração do treinamento individual não se levar em consideração todos os momentos do jogo, assim como as organizações e referências táticas coletivas, o treinamento acaba tendo finalidade nele mesmo e, consequentemente, a transferência para o jogo poderá ser prejudicada ou até mesmo não acontecer.

A compreensão das funções táticas desempenhadas pelo goleiro dentro do modelo de jogo e o entendimento da complexidade que existe na elaboração de uma sessão de treinamento nos permite conferir alguma previsibilidade a um jogo imprevisível, o que é muito importante, considerando que os esforços coletivos devem caminhar em uma mesma direção para se obter o melhor desempenho possível.

Categorias
Artigos Conteúdo Udof>Artigos Conteúdo Udof>Artigos|Conteúdo Udof>Grupos de Estudos>CEFOR-UFJF Conteúdo Udof>Entrevistas|Sem categoria Entrevistas Entrevistas

Dirigentes e Executivos dos Clubes Paulistas se capacitam em Workshops na Federação Paulista de Futebol

Crédito imagem: Rodrigo Corsi/Agência Paulistão

Os principais dirigentes e executivos dos clubes paulistas estão participando desde o início de 2022 do Programa de Capacitação MASTER FPF – LIDERANÇA E GESTÃO SISTÊMICA NO FUTEBOL. Esta é uma iniciativa organizada pela Federação Paulista do Futebol e Universidade do Futebol, com o apoio da LaLiga Business School.

Este programa provoca os principais tomadores de decisões do futebol paulista a pensarem sobre o FUTURO DO FUTEBOL, bem como as grandes e recorrentes questões da gestão de clubes de forma coopetitiva. Isto é, contempla a face competitiva dentro de campo e também a face cooperativa para tornar o futebol um negócio mais atraente para quem assiste, investe, trabalha e participa desta indústria.

Lucas D’Andrea (Inter de Limeira), Cleo Prado (São Paulo) e Tony Moreno (São Bernardo) durante o Workshop 3 na FPF. Foto: Rodrigo Corsi/Agência Paulistão

O programa contempla 6 Workshops presenciais na FPF, além de palestras online internacionais e extenso conteúdo de estudo a distância na plataforma da FPF Academia, com o suporte educacional da Universidade do Futebol. O objetivo deste programa é dar informações, gerar um ambiente de troca de conhecimentos e incentivar o networking e boa relação entre as principais lideranças que conduzem os clubes paulistas. Isto é fundamental para o desenvolvimento do futebol como um todo!

Foto do primeiro Workshop do Master FPF – Turma 1, ocorrido em Janeiro de 2022. Foto: Rodrigo Corsi/Agência Paulistão.

Nos workshops, os líderes estão vivenciando palestras nacionais e internacionais, exercícios individuais e em grupo, debates, trocas de experiências e conhecimentos sempre direcionados a pensar em conjunto a indústria do futebol como um todo.

Diogo Kotscho, Vice-presidente de comunicação do Orlando City, apresentando o Case do Clube para a Turma 1 do Master FPF ao longo do Workshop 2, ocorrido em Fevereiro. Foto: Anderson Rodrigues/FPF
Momento de atividade em grupo entre os participantes para co-criarem o FUTURO DO FUTEBOL ao longo do Workshop 2. Foto: Anderson Rodrigues/Ag. Paulistão.

Veja um exemplo mais específico. O Workshop ocorrido em 15 de Março foi o terceiro do MASTER FPF e teve como tema principal a Sustentabilidade do Futebol. Temas como SAF e demais formatos de clube-empresa, fair play financeiro e o diferente repertório de investimentos que deverão procurar os clubes foram trabalhados durante esse dia em que os gestores mergulharam intensivamente nesses temas. Todo este esforço levará esses gestores a conhecer o que há de mais novo e importante para levar o seu clube junto com o futebol paulista e brasileiro aos patamares mais elevados possíveis.

Tony Moreno (São Bernardo) fazendo uma pergunta aos debatedores durante exposição sobre os Impactos dos Clubes-Empresas no Brasil. Foto: Rodrigo Corsi/Agência Paulistão

Somado a esse rico ambiente presencial, no estudo online são ofertadas palestras ao vivo, de outros cases internacionais, com tradução simultânea, e um curso estruturado em 10 módulos com os temas mais importantes da gestão e do Futuro do Futebol profissional.

Registro da Palestra sobre o Case do Real Betis, com o Ramón Alarcon, Diretor Geral de Negócios do Real Betis.
Registro do Case do Atlético Nacional da Colômbia, contado pelo ex-presidente do clube, Juan Carlos de la Cuesta.
Esta ilustração mostra um trecho de uma aula disponível para os participantes do MASTER FPF, referente à Gestão Sistêmica do Futebol Feminino. Imagem: FPF ACADEMIA.

Este Master FPF é o início de um modelo de capacitação e formação de todos os dirigentes e executivos do Estado de São Paulo e que pode servir de inspiração e benchmarking para todos os centros do futebol brasileiro e internacional. É uma iniciativa inovadora que tem trazido excelentes percepções de valor pelos principais clientes desse programa, os próprios dirigentes e executivos. Leia alguns depoimentos de alguns deles sobre a importância do programa, o networking entre os dirigentes e o pensamento do futebol paulista como um todo.

Bruno Pessotti – Ferroviária S/A
Cleudimar Prado – São Paulo

O futebol precisa se cercar de todo conhecimento acadêmico para sistematizar o saber empírico que ele já acumula historicamente. O futebol precisa se organizar e acho que estruturar um conhecimento para isso é um passo fundamental para gente ter um modelo menos aleatório de gestão no futebol paulista e, com isso, diminuir as assimetrias que são características do sistema.

Muitas das coisas têm aplicação prática, é palpável isso, mas além da aplicação prática nos clubes, o objetivo do curso é promover uma reflexão em termos de analisar o sistema do futebol brasileiro, não só pensar no dia a dia prático do clube, mas analisar o produto de entretenimento que é o futebol.

Bruno Pessotti – Diretor Executivo da Ferroviária S/A

Acredito que primeiro é a capacitação, porque dentro de um clube, às vezes, você fica fechado dentro daquela função, dentro da sua diretoria. Aqui a gente está tendo a oportunidade de ter vários depoimentos diferenciados e isso é conhecimento que vamos agregando. A troca de experiência é sensacional, o networking é muito legal, e eu acredito que, à medida que o clube vai passando, você vai conseguindo se ver em algumas posições. Estava assistindo a palestra do Marcelo Paiva e eu me identifiquei, então você pode observar que está no caminho certo.”

Cleudimar Prado – Diretora do Futebol Feminino de Base do São Paulo
Genilson Santos – Grêmio Novorizontino
Lucas Balistiero – Inter de Limeira

A importância de um programa como esse, de um incentivo que a FPF sempre coloca a disposição dos clubes visando um crescimento profissional dos seus dirigentes e que isso seja transportado para a realidade dos clubes, fazendo com que, cada vez mais, se profissionalizem nas suas gestões, na maneira de conduzir o seu trabalho, fazendo com que esse futebol profissional possa ser bem representado em campo, cada vez mais valorizando as competições, mas, principalmente, fazendo um futebol melhor, mais rentável e sustentável.

Muito importante esse networking que é feito entre os clubes, porque, na verdade, vivemos problemas parecidos e com histórias de sucesso parecidas que devem ser compartilhadas, porque isso faz com que ninguém se sinta sozinho. Todos sabem que todos têm as suas dificuldades e as suas vitórias e isso, cada vez que é compartilhado, se torna muito rico em termos de conhecimento.

Genilson Santos – Presidente Executivo do Grêmio Novorizontino

O futebol como um todo precisa dessa evolução e o futebol paulista, nos últimos anos, vem na vanguarda desse processo e é muito importante que esse processo seja de duas vias, dos clubes e da federação, para que a gente possa alavancar o futebol paulista e brasileiro a níveis melhores, competindo melhor no mercado como um todo, não só no esporte, mas também com outras indústrias, como entretenimento e videogames.

A federação, além de estar puxando esse curso por ela, trazendo parceiros como a LaLiga e a Universidade do Futebol, que têm uma visão mais temática de todo o processo, ajudam muito aos clubes abrirem um pouco a visão e buscar soluções alternativas para elevar o nível do nosso futebol.

Lucas Balistiero – Presidente Executivo da Inter de Limeira

Categorias
Artigos

Futebol e Formação Integral – A Escola Brasileira do Jogo

Crédito imagem: Lucas Figueiredo/CBF

O tema da formação no futebol é algo que me dedico por anos, estudando, praticando, dialogando, observando e buscando entender seus problemas e possíveis soluções. Nesta série de artigos, estou propondo alguns pilares para sempre termos uma Escola Brasileira de Futebol capaz de formar atletas de maneira integral. No primeiro texto argumentei sobre a nossa Escola Brasileira do Talento que ainda permanece viva, sustentada por três elementos centrais descritos lá (clique para acessar).

No texto de hoje quero abordar a Escola Brasileira do Jogo. Esta, segundo o próprio Ricardo Drubsky, referência para as duas primeiras escolas desta série, é uma que temos deixado a desejar na formação de nossos jogadores. Se por um lado a Escola Brasileira do Talento foi bastante eficaz em formar diversos/as atletas diferenciados/as na nossa história futebolística, a Escola Brasileira do Jogo ainda não chegou a esse grau de excelência.

E o que seria essa Escola Brasileira do Jogo?

Podemos interpretá-la como aquela que ensina os muitos conteúdos do jogo formal de futebol para que os/as atletas compreendam a sua lógica, regras, todos os princípios de jogo, as posições-funções, as estratégias e conexões coletivas fundamentais para que uma equipe seja competitiva. Para essa Escola ter sustentação, destaco ao menos 3 vertentes básicas:

– Profissionais qualificados.

– Competições adequadas.

– Infraestrutura esportiva.

Vamos iniciar pelos profissionais. São eles que conduzirão as crianças e adolescentes que chegam das práticas informais às instituições educacionais do futebol para seguirem o seu processo de formação. Aqui não destaco apenas os professores e treinadores, embora eles sejam responsáveis centrais do processo.

Como diz o ditado africano: “É uma aldeia inteira que educa uma criança”.

Portanto, todos devem estar preparados para educar as crianças e adolescentes que chegam às instituições. Dos professores e treinadores a donos de escolas e presidentes de clubes. O conjunto de crianças que chega nessas instituições não pode ser tratado como diamantes a serem lapidados ou descobertos. Ou mesmo não podem entrar em uma espécie de fábrica de atletas com a simples lógica de produção de jogadores e jogadoras de alto rendimento para o futebol nacional e mundial. Nem meros clientes que estão ali para passar o tempo ou apenas se divertir. Primeiramente, é preciso haver a essência da qualidade de educadores nesses profissionais.

Aqui posso resgatar Paulo Freire que certa vez disse: “Educar-se é impregnar-se de sentido cada momento da vida, cada ato cotidiano.”

Nessa perspectiva, os educadores do futebol precisam oferecer às crianças e jovens que frequentam as instituições esportivas a possibilidade de encontrarem sentido no que fazem. Um sentido que os levem para uma vida melhor, em todos os aspectos. Dentro disso, a instituição precisa saber em qual etapa ou etapas do processo de formação ela se dedica, e como pode desempenhá-la da melhor maneira. Abaixo deixo um texto sobre essa diferenciação dos contextos.

Nas próprias questões específicas da formação para o jogo, para que a criança (já talentosa ou não) se desenvolva para além de uma especialização precoce, os profissionais envolvidos na sua formação precisam estar preparados para enxergar o mapa completo do jogo, com todos os seus conteúdos pedagógicos. Desde aqueles que ela já consegue desempenhar até aqueles que ainda não consegue. Diante disso, oferecer estímulos e feedbacks que a prepare ao mais alto nível possível de conhecimento sobre e para o futebol que ela possa chegar. Isto é, ensinar bem futebol a todos/as (clique para ler um texto sobre isso). Veja a imagem completa do Mapa do Jogo que ilustra essa ideia.

A autoria desta imagem é do Treinador Eduardo Barros e do Professor Bruno Pasquarelli em colaboração com a Universidade do Futebol. Caso queira entender mais profundamente este Mapa do Jogo, procure pelo curso: O Mapa do Jogo: desvendando a complexidade do futebol

Outra vertente central, que, sem ela, profissional ou instituição nenhuma isoladamente é capaz de fazer um trabalho de excelência, é a existência de competições adequadas para essas crianças e jovens praticarem o jogo mais próximo à sua lógica formal. De maneira gradativa com o passar dos anos, mas que forme competências para que o desempenho final seja compatível com um futebol de alto nível.

Contudo, o que caracterizaria uma competição adequada?

Aquela resposta que você já deve ter ouvido para diversas questões: depende! Pois o cliente final de qualquer competição, para que ela seja adequada no sentido integral que estou apontando, não pode ser os pais, clubes ou patrocinadores, mas sim, as pessoas que jogam. O regulamento, o calendário, as regras do jogo, a postura das pessoas em volta ao jogo, os símbolos, as honras e os méritos etc., todas as variáveis que envolvem uma competição precisam ser pensadas para favorecer quem joga a jogar da maneira mais plena que puder, nas condições possíveis de realizar.

Tamanhos oficiais de campo e gols para crianças de 11 anos não podem ser características de uma competição adequada, tais como não são adequadas: competições com placares muito elásticos; equipes com condições logísticas totalmente desfavoráveis jogando contra equipes com condições logísticas totalmente favoráveis; lógica de competições de alto rendimento para torneios de crianças em iniciação ou de jovens em especialização; reforço à cultura de supervalorização dos resultados em detrimento dos processos não pode fazer parte de uma competição adequada para a maioria dos contextos, diria até para o alto rendimento; calendário de equipes com competições/jogos demais ou de menos também prejudica a formação integral e contínua de atletas. É preciso que os responsáveis por organizar competições de todos os níveis pensem, sobretudo, em quem joga. Pergunte-se: o que é mais adequado para que esta competição seja saudável e potencializadora das pessoas que jogam e do futebol que será produzido aqui?

Por fim, a última vertente que eu gostaria de destacar é a infraestrutura esportiva. É muito difícil possuir uma Escola Brasileira do Jogo de excelência. Pois para produzi-la de tal qualidade, baseada na formação integral de atletas, é necessário contar com espaços para a prática e treinamento de futebol correspondentes a esse nível de exigência. Especialmente nas últimas fases de especialização, na transição base-profissional e no alto rendimento, o jogo se torna muito prejudicado quando não existem bons gramados, bons espaços para treinar, com estrutura para que os profissionais e atletas consigam desempenhar o que sabem de maneira minimamente razoável. Portanto, aspectos econômicos entram nessa equação, pois para termos uma Escola Brasileira do Jogo que forme integralmente nossos e nossas atletas, é necessário investimento em infraestrutura esportiva. As qualidades do jogo e dos treinamentos são altamente dependentes dessas condições.

Diante das vertentes que compõem a Escola do Jogo, como você classificaria a situação do Brasil nas questões de profissionais, de competições e de infraestrutura esportiva para o futebol? Damos as condições de nossos e nossas atletas se desenvolverem plenamente no jogo? Como avançarmos no desenvolvimento desta Escola?

Neste ponto, encerro a reflexão de hoje, já convidando para o próximo texto, que será sobre a Escola Brasileira do/a Atleta. Será que todo jogador talentoso ou talentosa é um bom atleta? Será que isso é ensinável? Vamos conversar sobre isso na próxima semana. Até lá!

Categorias
Artigos

Treinar para formar ou ganhar? A resposta não é tão simples

Crédito imagem: Renata Lufti

Uma discussão frequente entre os treinadores de base, seja aqui nos Estados Unidos ou ao redor do mundo, é se devemos priorizar a busca pelo resultado ou se devemos enfatizar o desenvolvimento de crianças e adolescentes. Na era dos comentários nas mídias sociais, é interessante analisar como pais e treinadores opinam fortemente sobre esse tema.

Neste texto abordarei esse tema, levando em consideração a minha experiência como treinador de categorias de base em uma grande variedade de ambientes e países, minha formação acadêmica proveniente da graduação em Educação Física e interação com outros profissionais da área.

O erro da abordagem binária

Para começar, é preciso deixar claro que não necessariamente esse tópico deve ser abordado de forma binária, ou seja, treinar para ganhar ou para desenvolver não são polos opostos em que o treinador deve abraçar algum. No entanto, esses objetivos nem sempre andam juntos:  algumas decisões podem enfatizar algum objetivo específico. Para que as decisões tomadas pelos pais, treinadores e dirigentes sejam adequadas, é preciso analisar a própria realidade e sopesar as consequências de cada abordagem.

Contexto: objetivos dos pais e atletas

Frequentemente, ao abordarmos o futebol de base, o foco está nos jogadores de elite, mais precisamente nas equipes profissionais. Na prática, seja no Brasil ou no exterior, a maioria dos praticantes de futebol de base não se encontram nesse cenário. Enquanto o sonho de se tornar um atleta profissional talvez seja comum para muitos, esse não é o objetivo principal de todos os pais ao inscrever seus filhos em um clube, escola de futebol, projeto social, ou qualquer outra organização que permita a criança jogar regularmente. O desenvolvimento motor, cognitivo, psicossocial e socioafetivo podem ser alguns dos principais motivos pelos quais as crianças são inseridas em um contexto de treinamento esportivo. Na perspectiva de quem joga, que pode também praticar outras atividades, a motivação pode ser simplesmente se divertir, buscar uma boa forma física, estar próximo de algum amigo ou até mesmo o prazer pela competição e pelo “estado de jogo”. Assim, além da própria filosofia do treinador nessa discussão entre treinar para ganhar ou desenvolver, é importante considerar o meio em que se encontra, e os objetivos de quem joga e de seus respectivos familiares. 

Formar para a vida ou para o futebol?

Esse não será o tema central deste artigo, mas vale a pena ressaltar que ao se discutir os objetivos do treinamento, quando nos referimos a “formação”, essa pode ser estritamente esportiva ou estar ligada à constituição de um cidadão íntegro, responsável e crítico, capaz de lidar com os pormenores da vida e de repensar o meio em que vive. Assim, ao se discutir treinar “para formar”, é importante compreender o que esse termo significa para cada um.

Note que essas definições do formar, não são antagônicas e que o esporte não precisa ter um fim em si mesmo, ou seja, em um projeto pedagógico, a formação esportiva pode acompanhar a formação pessoal, qualificando ainda mais o processo de ensino-aprendizagem.

Métodos e estilo de jogo

Os métodos empregados durante o treinamento e o estilo de jogo serão frequentemente os primeiros itens a serem discutidos em relação à formação ou ao desenvolvimento. Por exemplo, nos Estados Unidos, país onde moro, tradicionalmente existe um estilo de jogo muito direto, possivelmente por influência histórica de outros esportes como o futebol americano. Talvez por conta disso, grande parte dos treinadores de outros países que aqui trabalham (e são muitos, com predominância de europeus) se baseiam na ideia de que para desenvolver jogadores é necessário um estilo de jogo de posse de bola, com saída de jogo desde a própria meta.

Já ouvi de diversos treinadores: “eu não me importo de perder todos os jogos, o que quero é desenvolver meus jogadores. Então, nunca damos um chutão, sempre saímos jogando de trás”. A premissa parece louvável, porém existem muitas “armadilhas” frequentemente associadas nesse processo. Entre elas:

  • Desenvolver essa saída de jogo e todo o treinamento através de funções específicas: enquanto treinos “específicos” para uma função frequentemente são percebidos por pais como algo relacionado a uma metodologia eficaz de treinamento, corre-se o risco de incorrer em uma especialização precoce durante o processo de formação, limitando o desenvolvimento dos jogadores.
  • Sempre sair jogando da mesma forma tira dos atletas parte do poder de leitura do jogo e da tomada de decisão, limitando assim o desenvolvimento.
  • Na bola curta, alguns jogadores farão muitas repetições enquanto que os jogadores mais distantes quase não participarão do jogo, de modo que não serão estimulados a lidar com a bola chegando de outras formas ou distâncias.

Ou seja, mesmo quando um treinador diz que “treina para desenvolver”, é necessário cuidado para ter certeza de que os métodos empregados realmente atendam aos requerimentos das janelas de aprendizagem, por exemplo apresentando alta variabilidade durante período iniciais da formação.

Motivação e escolha das competições

No item anterior, afirmamos que alguns treinadores não se importavam em perder, pois buscavam o desenvolvimento dos jogadores. E os jogadores? Será que entendem que a derrota é um preço a ser pago para o “desenvolvimento”?

Mesmo que equipes tenham jogadores determinados a buscar o profissionalismo no esporte, para a grande maioria dos atletas, a carreira irá acabar antes de chegar à idade adulta. Então, vale a pena deixar de ganhar para “desenvolver”, para uma carreira que não irá existir para a maioria dos jogadores?  Além disso, quais os efeitos dos resultados na relação do jogador com o esporte, e as consequências dessa relação para a permanência no esporte? Será que a derrota reduz a motivação e afasta os praticantes da modalidade?

As próprias crianças, no futebol de rua, frequentemente mudam as regras ou times buscando partidas equilibradas para manter a motivação de todos. Acostumar-se com a vitória ou com a derrota pode ser desestimulante.

O nível e frequência das competições escolhidas também pode ter um peso grande na forma de treinar a equipe e na relação do atleta com o esporte. Em alguns casos, fica a critério dos treinadores ou dirigentes determinarem em quais ligas e divisões deverão participar. Uma divisão muito difícil pode gerar pressão para alcançar resultados e afetar o treinamento da equipe de forma que se busque “atalhos” para conseguir bons resultados, mas que possam afetar negativamente o desenvolvimento. Por outro lado, uma divisão muito fácil pode afetar o desenvolvimento de certas valências e ajudar a criar “hábitos ruins” nos atletas.

Desenvolvimento do time vs desenvolvimento do indivíduo

Ao começar o trabalho em uma nova equipe e sabendo que está por vir um torneio importante, é compreensível que o foco esteja na organização da equipe, buscando otimizar os processos durante o jogo para a busca de resultados. Nesse processo de organização tática, os jogadores irão se desenvolver, já que deverão aprender as funções necessárias para colocar o plano tático em prática. Mas esse desenvolvimento será limitado às funções que o atleta terá que desempenhar. Ao se pensar no desenvolvimento do atleta, na maioria das vezes, a atenção irá para os “fundamentos” do futebol, ou seja, ações técnicas com a bola.

Já os princípios de jogo (por exemplo, amplitude, profundidade, penetração etc.) também têm sido enfatizados por muitos treinadores, geralmente na perspectiva do trabalho de aspectos táticos da equipe (por exemplo, como mudar o lado do ataque, compactar-se defensivamente etc.). No entanto, poucos trabalhos enfatizam as táticas individuais e de grupo, que podem ajudar na resolução de inúmeros problemas de jogo, aumentando a autonomia e a efetividade dos jogadores, sem a dependência de uma certa formação ou estilo de jogo.

O resultado é um desequilíbrio na formação dos jogadores: as táticas de equipe, e técnicas individuais são muito mais trabalhadas do que as táticas individuais e de grupo.

Considerando a minha experiência no futsal de alto nível, onde as táticas individuais e de grupo são em geral muito trabalhadas, ou pelo menos requisitadas, não consigo deixar de assistir um jogo de futebol sem prestar atenção em como tantos jogadores têm dificuldades em solucionar problemas do jogo sem depender exclusivamente de capacidades físicas ou técnicas.  Ao treinar equipes competitivas com jogadores entre 15 e 17 anos, que estão a quase 10 anos competindo no esporte, é difícil aceitar que não estejam familiarizados ou que não tenham desenvolvido de forma ótima algumas capacidades táticas individuais, como, por exemplo, fixar um defensor, flutuar na marcação, fechar linhas de passe ou temporizar ofensivamente.  

O que muitas vezes acontece, é que trabalhar a compreensão da lógica do jogo, o desenvolvimento da criatividade e a solução de problemas através de táticas individuais ou de grupo, sem dúvida não produz resultados tão rápidos quanto a organização da equipe. Assim sendo, trabalhar priorizando o desenvolvimento do individuo se enquadraria em treinar para “formar” muito mais do que treinar “para ganhar”.

Gestão da equipe

Vamos agora mudar o foco da discussão técnico-tática para abordar o tema a partir de outras perspectivas, começando pelo gerenciamento de uma equipe, clube ou associação. A gestão engloba uma variedade de aspectos, como o manejo das substituições e até mesmo a aplicação de sanções disciplinares, que podem elucidar uma clara diferença entre treinar para ganhar ou para desenvolver. Nesse sentido, somente utilizar os melhores jogadores durante as partidas e deixar de aplicar uma ação disciplinar em razão da importância de um jogador são exemplos da prioridade na busca de resultados imediatos em competições.

Autonomia, resiliência e capacidade de investigação

É fundamental desenvolver nos jogadores as capacidades de investigação, resiliência e autonomia, as quais podem, a longo prazo, ajudar as equipes a ganharem os jogos e a manterem uma coesão grupal. No entanto, os efeitos imediatos dessas capacidades tendem a ser menores do que o foco na organização e no modelo de jogo da equipe. Considerando que muitas vezes o treinador possui poucas horas na semana, é comum que a prioridade seja otimizar o desenvolvimento físico, técnico e tático. Assim, temos outro exemplo em focar no jogador ao invés da equipe, poderia ser apontado como fator mais relacionados ao desenvolvimento do que a busca de resultados (pelo menos a curto prazo).

Capitalismo, Pagar para jogar e Categorias de Base

Não podemos deixar de considerar o capitalismo dentro dessa temática. Sob a ótica dos treinadores, os que têm o futebol como “ganha pão” precisam ter como objetivo central a manutenção do emprego ou a ascensão profissional. Muito frequentemente, serão os resultados a curto prazo o elemento principal pelo qual um treinador será avaliado. É evidente que cada cenário carrega suas particularidades, mas a situação de cada treinador interfere em suas prioridades e decisões. 

Sob a ótica do “sistema”, considerando as situações em que os jogadores pagam para treinar, precisamos considerar que escolas (ou clubes) de futebol concorrem umas com as outras, e que, por vezes, agradar o cliente para a sua retenção pode afetar negativamente o processo de formação. Assim, na perspectiva do “cliente” que paga para jogar, as decisões muitas vezes podem ser tomadas de acordo com a prioridade de se atender ao cliente, o que pode deixar ainda mais complexo o processo de decisão.

Nas categorias de base, onde atletas não pagam para treinar, e muitas vezes recebem auxílio financeiro, em geral o treinador não tem tanta pressão em “agradar o cliente”, ficando em geral esse tipo de pressão ligada aos casos de jogadores de muito destaque, que o clube não queira perder. Mas a pressão sobre a comissão técnica por resultados muitas vezes continua presente, e no curto prazo pode se sobressair a um histórico de formação de jogadores, para o time profissional ou para transferências futuras.

Conclusão

“Treinar para ganhar ou para desenvolver” é, certamente, uma discussão complexa, que pode ser analisada sobre uma infinidade de perspectivas. Neste texto, citamos alguns exemplos de assuntos pertinentes ao tema, ressaltando que muitos outros aspectos que não foram aqui citados, podem também influenciar decisões relacionadas à balança do “treinar para formar” versus “treinar para vencer”. Esperamos que este breve texto possa ajudar os envolvidos, sejam jogadores, pais, treinadores ou diretores, a refletirem sobre a complexidade do assunto e a buscar uma visão ampla do próprio ambiente de trabalho e do cenário em que se encontram, para que possam participar desse processo (seja em uma posição de liderança ou não), de maneira coerente com os objetivos e necessidades dos envolvidos.

Categorias
Artigos

Futebol e a Formação Integral – A Escola Brasileira do Talento

Crédito imagem: Antônio Cruz/Agência Brasil

O que sempre me encantou no futebol brasileiro foi o talento individual! Devo admitir. Por mais que tenha aprendido a admirar os movimentos coletivos coordenados, os princípios de jogo sendo bem executados, nada se compara a dribles desconcertantes em direção ao gol, domínios mágicos, passes que ninguém esperava ou finalizações magistrais. Na minha visão, a beleza mais nobre do futebol está na genialidade do indivíduo em perceber esse ambiente coletivo e complexo e agir de maneira criativa em função do jogo. Claro que quando tais ações são coordenadas coletivamente em um mesmo lance formam o apse, mas são tão raras de se ver que eu nem conto com elas. Resta-me esperar as genialidades individuais. E quando elas acontecem, para mim, já valeram o ingresso. Este sou eu, na minha íntima relação com a beleza presente no futebol. Respeito quem pensa diferente e devo dizer, pelos anos de estudo da tática, vejo muita beleza também em elementos mais coletivos do jogo. Só não me fascinam tanto.

Talvez, o fato de eu ser brasileiro colabore para que eu supervalorize os lances individuais. Afinal, tivemos tantos jogadores e jogadoras que desfilavam seus talentos em campo, quadra ou areia, aumentando incrivelmente nossas memórias de lances geniais daqueles que descrevi no parágrafo anterior. Concordo que não podemos resumir nosso futebol a talentos individuais. O futsal, o futebol de campo e de areia são esportes coletivos e isso jamais pode ser ignorado. No entanto, acima da excelência e eficácia de uma equipe, fui acostumado com a genialidade. Aquela que se esconde nas profundezas da intuição humana e, de repente, surge. Pronto! A paixão pelo futebol foi novamente plantada na minha alma.

Confesso que tenho medo de ver cada vez mais um futebol burocrático, que inibe qualquer desabrochar da genialidade que cada jogador ou jogadora pode possuir dentro de si. Observando a história do nosso futebol, jogadores e jogadoras, quando crianças, eram movidos a partir do que queriam explorar da brincadeira de jogar bola. Essa ignição os fazia aumentar seus repertórios de soluções dentro do jogo. Mesmo que em determinada situação não fosse a coisa mais “inteligente” a ser feita para cumprir a lógica do jogo, tentavam porque era difícil, porque era legal conseguir o que ninguém conseguia. Se errassem, apenas tentavam de novo, ou no máximo voltavam para casa, praticavam um pouco mais para tentar melhor na próxima pelada. Contudo, hoje, as crianças ao jogarem bola, quase sempre, estão sendo observadas/dirigidas/avaliadas, com uma mínima margem de erro entre serem promovidas a futuras promessas do futebol ou estarem fadadas ao fracasso de não terem gabaritado o teste de cada dia.

A sorte brasileira é que a Escola do Talento ainda permanece viva. Os meninos e meninas que vivem, sobretudo, nas periferias das grandes cidades, nas cidades litorâneas ou nas cidades pequenas e médias do interior do país, ainda aprendem a jogar futebol movidos pela descoberta do jogo, com o direito de errarem e consertarem à vontade. Esse modo de aprender, considero o Diferencial do Futebol Brasileiro, como relato na série de 4 textos que fiz sobre esse tema (Texto 1, Texto 2, Texto 3, Texto 4). É dele que emerge a base de conhecimentos aplicados ao jogo que poucos jogadores e jogadoras têm no mundo. São conhecimentos sobre o jogo que só quem o viveu de maneira plena e intensa por milhares de horas pode ter desenvolvido.

Na minha visão, os pilares para o desenvolvimento desses conhecimentos em massa, se olharmos para o Brasil, são essencialmente três:

  • (1) precisamos que a cultura do futebol influencie as crianças para que elas se apaixonem pelo futebol logo cedo, e com isso queiram gastar o tempo livre brincando de futebol;
  • (2) é preciso que cada criança que goste de brincar de futebol encontre outras que também gostem, pois quanto mais crianças brincando juntas, melhor para o desenvolvimento das habilidades e da afetividades de cada uma delas para o jogo;
  • (3) essas crianças precisam de tempo e espaço suficiente para brincarem, sem se preocuparem com outras coisas que não seja aproveitar a brincadeira da melhor maneira possível.

Dentro de uma perspectiva educacional, configurando o que seria a Escola Brasileira do Talento, esses três elementos são centrais para que continuemos formando pessoas talentosas para o jogo de futebol. Porém, para que elas se tornem jogadoras ou jogadores de futebol de excelência, isto é, tenham a sua formação mais completa possível, elas precisarão passar por mais três Escolas. Ricardo Drubscky certa vez citou a Escola do Talento e a Escola do Jogo, peço permissão a ele para adicionar mais duas, a Escola do/a Atleta e a Escola do/a Cidadão/ã. Nos próximos textos discorreremos sobre cada uma delas nesta nova série chamada Futebol e Formação Integral – A Escola Brasileira. Espero que goste e caso queira ler mais textos meus, clique no meu nome aqui abaixo! Grande abraço e nos encontramos na próxima semana!

Categorias
Artigos

Estratégias para a coesão social no futebol: aplicações a partir de “Onze anéis”, de Phil Jackson

Crédito imagem: Reprodução/NBA.com

O livro “Onze anéis: a alma do sucesso”, escrito pelo ex-treinador de basquetebol Phil Jackson com colaboração de Hugh Delehanty, aborda, dentre outros temas, algumas estratégias para promover uma elevação dos níveis de coesão social das equipes da National Basketball Association (NBA), a liga de basquetebol profissional dos Estados Unidos.

Na NBA, cada título conquistado equivale a um anel: Phil Jackson, como treinador do Chicago Bulls e do Los Angeles Lakers, conquistou seis e cinco campeonatos, respectivamente. É o treinador mais vitorioso da história da NBA, tendo se utilizado de alguns métodos pouco ortodoxos, sobretudo no que se refere às preparações social e psicológica de suas equipes.

De acordo com Jackson (2014, p. 87):


o basquete é um grande mistério. Você pode fazer tudo certo. Pode ter a combinação perfeita de talentos e o melhor sistema ofensivo no jogo. Pode elaborar uma estratégia defensiva infalível e preparar os jogadores para cada eventualidade possível. Mas de nada valem os seus esforços quando os jogadores não têm um senso de unidade enquanto grupo. E o vínculo que une uma equipe pode ser muito frágil, muito fugaz.

(JACKSON, 2014, p.87)

Assim como o basquete, esportes coletivos como o futebol também apresentam performances dependentes de algo mais que talento, técnica e táticas: esse algo mais é a coesão social entre os integrantes das equipes, denominada “unidade enquanto grupo” por Phil Jackson. Este treinador compreende que a transformação de atletas em um time campeão pode ser traduzida como um malabarismo que representa o “conhecimento das leis consagradas pelo tempo do jogo, mas também coração aberto, mente clara e aquela curiosidade atenta aos caminhos do espírito humano” (JACKSON, 2014, p. 19).

A leitura de “Onze anéis” evidencia algumas concepções e estratégias para a conquista da unidade em um grupo de atletas. São elas:

  • A compreensão do todo como algo maior que o somatório das partes (das individualidades).
  • A promoção do pertencimento dos atletas à equipe.
  • A construção da autonomia dos atletas, através da liderança e das tomadas de decisão.
  • As adversidades estruturais e conjunturais como elementos que fortalecem a coesão social.
  • A importância das contribuições particulares para a consolidação do coletivo.
  • Modelos de jogo e relacionamentos sociais como bases para o exercício da criatividade e da técnica;
  • A submissão dos egos estelares aos interesses coletivos.

Respeitadas algumas diferenças fundamentais entre o basquete e o futebol, como as dimensões dos espaços de jogo e os números de atletas na quadra / em campo, as estratégias adotadas por Phil Jackson podem perfeitamente ser aplicadas em equipes de futebol, tanto na formação (categorias de base) quanto nas equipes principais (profissionais). Através das contribuições de Jackson detalhamos a seguir cada um dos itens supracitados como instrumentos para a construção da unidade de grupo (ou coesão social) no ambiente do futebol.

Jackson (2014) diz que a união dos jovens atletas é traduzida pela devoção a algo maior do que eles próprios, algo que mobiliza suas almas e seus corações. Neste contexto compreendemos que o somatório dos indivíduos não significa o todo coletivo, uma vez que as normas da consciência coletiva podem ser constituídas a partir de fenômenos exteriores aos indivíduos. É a situação das pessoas que, ao nascerem e crescerem em um país, encontram um idioma e uma moeda pré-estabelecidos.

O mesmo pode ocorrer em um clube de futebol, que apresenta cultura, tradições e valores localizados para além das aspirações individuais de atletas contratados. A consciência coletiva, então, paira como um fetiche (uma entidade dotada de vida própria, de acordo com o pensamento marxista) que exerce influência poderosa sobre as consciências individuais. A esse respeito diz Durkheim (2008, p. 133):

quanto mais definidas as crenças e as práticas, menos elas deixam espaço para as divergências individuais. Elas são moldes uniformes em que vazamos todos, uniformemente, nossas ideias e nossas ações. Portanto, o consenso e tão perfeito quanto possível; todas as consciências vibram em uníssono.

(DURKHEIM, 2008, p. 133)

Em uma equipe de futebol existem objetivos que são compartilhados por todos os atletas: a conquista de títulos, o alcance de uma classificação para etapas posteriores das competições, a fuga de rebaixamentos para uma divisão inferior. O papel do treinador, neste âmbito, deve ser o de expor aos atletas a adaptação dos mesmos aos objetivos do clube, priorizando-os em relação às metas individuais.

Sobre a sensação de pertencimento à equipe, Jackson (2014) diz que sempre estimulou debates que contavam com as participações e expressões de todos, atletas e membros da comissão técnica. Segundo o treinador, esse método viabiliza a criatividade e a inclusão de todos, sendo especialmente importante para promover a sensação de pertencimento por parte dos jogadores que jogam pouco e/ou menos que os outros.

O futebol, de certo modo e em várias circunstâncias, é um ambiente complexo permeado pelo conservadorismo. Ainda resistem ideias incapazes de realizar a distinção entre hierarquia e autoritarismo. Jackson (2014) afirma valorizar sua própria posição no comando do elenco de atletas, mas segundo uma perspectiva que cultiva as verbalizações particulares. O respeito à hierarquia é importante, tanto quanto o diálogo. Sobre as reuniões com todos os integrantes da equipe, Jackson (2014, p. 90) diz:

compartilhávamos informações uns com os outros e nos certificávamos se estávamos todos no mesmo passo em termos de estratégia do dia a dia. Cada membro da comissão tinha um alto grau de autonomia, mas quando conversávamos com os jogadores o fazíamos com uma única voz.

(JACKSON, 2014, P.90)

Entendemos que esses procedimentos, baseados na hierarquia, na unidade da comissão técnica e no exercício do amplo diálogo, são fundamentais para que os futebolistas se sintam integrados e com sensações de contribuição e de pertencimento à complexa estrutura de um clube de futebol.

A construção da autonomia dos atletas, através da liderança e das tomadas de decisão, é também uma causa defendida por Jackson (2014). O autor / treinador afirma:

uma coisa que aprendi como treinador é que você não pode impor sua vontade sobre os outros. Se você quer que ajam de maneira diferente, inspire-os para que se transformem. A maioria dos jogadores deixa que o treinador pense por eles. Quando se deparam com um problema na quadra, olham para o lado com nervosismo, esperando que o treinador tenha uma resposta. Muitos treinadores sentem prazer em acomodar o problema. Mas eu não. Sempre procurei fazer com que os jogadores pensassem por si mesmos para que pudessem tomar decisões difíceis no calor da batalha.

(JACKSON, 2014, p.22)

Jackson (2014) afirma que chegava a evitar a solicitação de tempos durante alguns momentos críticos do jogo: dessa forma ele fazia com que os atletas tivessem que tomar suas próprias decisões em momentos de pressão e estresse agudos.

A conexão com a autonomia cognitiva dos atletas de futebol é inevitável. Existem treinadores de futebol que passam instruções para seus jogadores com frequência espantosa: são orientações em série, sendo muitas delas ordens e determinações para que os atletas executem jogadas que seriam as mais apropriadas para momentos específicos dos jogos. Trata-se, no limite, da execução de jogadas de acordo com as tomadas de decisão do treinador, o que compromete a autonomia crítica dos futebolistas.

Não propomos o extremo oposto, constituído por total apatia dos treinadores nos bancos de reservas. Sugerimos orientações pontuais que permitam aos atletas, sejam eles das divisões de base (formação) ou das equipes profissionais, o pensamento autônomo no momento de decidir entre uma ou outra opção técnica ou tática durante uma partida de futebol. Nesse contexto o treinamento tático deve ser construído segundo uma perspectiva de abertura para a inovação e a criatividade: muito além de repetições exaustivas de movimentos e manobras defensivas, ofensivas, de transições e de bolas paradas, a preparação da equipe deve conter situações-problema em que um leque de opções surge para a definição da solução por parte dos atletas envolvidos.

A liderança em uma equipe de futebol, por sua vez, deve extrapolar os limites determinados por aptidões “naturais” de um ou outro atleta: o ato de liderar um grupo passa necessariamente pela construção dessa capacidade social e psicológica (a liderança) a partir da metodologia de trabalho do treinador e da comissão técnica. A esse respeito Jackson (2014) diz que o treinador deve liderar “de dentro para fora”. Mas o que significa isso? Vários treinadores lideram “de fora para dentro”, construindo metodologias que se sustentam sobretudo na avaliação de adversários e nas estratégias para superá-los. Jackson afirma que o pilar, o sustentáculo da liderança, é a conexão das concepções pessoais com a metodologia que rege o trabalho. Jackson (2014, p. 21) afirma: “durante longo tempo acreditei que tinha de separar as convicções pessoais da vida profissional.” A metamorfose na carreira de Phil Jackson ocorreu quando o treinador buscou refúgios espirituais no cristianismo, na meditação e no misticismo dos índios da América do Norte, elaborando uma síntese entre a espiritualidade e a prática profissional esportiva propriamente dita. Ele diz:

embora a princípio temesse que talvez os jogadores achassem minhas opiniões heterodoxas ou um pouco amalucadas, com o tempo acabei descobrindo que, quanto mais falava com o coração, mais me ouviam e se beneficiavam do que era colhido por mim.

(JACKSON, 2014, p. 21)

Ora, vivemos em um país cuja cultura foi alicerçada no patriarcalismo, no coronelismo e no machismo, construções históricas que enfatizam papéis sociais masculinos desvinculados das expressões emocionais e espirituais. Em uma sociedade em que as concepções conservadoras ainda encontram razoável espaço, são requeridos do Homem a força e pragmatismo daqueles que buscam produtos (os fins) e relegam os processos (os meios) a um segundo plano.

O futebol, determinado culturalmente pelos valores hegemônicos na sociedade mais ampla, ainda se reveste do conservadorismo que pauta as relações humanas. Nesse contexto, “talvez Homem não chore” e nem revele seus sentimentos particulares. Phil Jackson nos mostra, via basquete da NBA, que a “voz do coração” pode produzir diversas repercussões benéficas para uma equipe esportiva. É algo que deve ser adotado no âmbito do futebol de alto nível (rendimento), evidentemente associado a uma metodologia de treinamento avançada, complexa e sistêmica , conforme assinalado por Medina (2021).

Além da liderança cognitiva e emocional que parte do treinador, é importante que o exercício da liderança provoque o surgimento de novos líderes. Jackson (2014) explica que sempre estimula a liderança, abrindo mão de reter a “última palavra” e promovendo as expressões verbais de todos os atletas. Assim surgem novos líderes, o que se aplica perfeitamente ao futebol. O diálogo amplo é o veículo para a formação de novas lideranças.

Jackson (2014) também afirma que as adversidades são elementos constitutivos da coesão social. O autor cita um exemplo prático de quando era um atleta de basquete jogando fora de casa contra uma equipe cujo treinador colocava uma série de obstáculos para o desempenho do time visitante. Diz Jackson (2014, p.61):

ele (o treinador adversário) sempre tornava nossa vida um inferno: éramos colocados em vestiários onde as chaves não funcionavam, as toalhas faltavam e o aquecedor era regulado acima de quarenta graus, isso sem que pudéssemos abrir as janelas. Nessa série (de jogos do playoff), ele nos colocou em vestiários diferentes a cada jogo, e o último – no jogo 7 – era um quartinho apertado do zelador, sem armários e com um teto tão baixo que a maioria de nós tinha que se abaixar para se vestir. Em vez de nos humilhar, o que certamente ele queria, o minúsculo vestiário nos enraiveceu tanto que nos fortalecemos ainda mais.

(JACKSON, 2014, P.61)

Jackson (2014) relata uma interessante experiência também da época de atleta, quando atuava no New York Knicks: os atletas tinham que lavar seus próprios uniformes, algo impensável no altamente profissionalizado esporte contemporâneo. Segundo o autor, na época não havia um gerente de equipamentos, “mas por mais estranho que pareça essa lavagem dos uniformes surtia um efeito unificador no time” (JACKSON, 2014, p. 64).

De modo independente do nível técnico do futebol a que possamos nos referir (um jogo regional da categoria sub-15 ou um confronto da série A do campeonato brasileiro), as adversidades sempre existirão, posto que são inerentes ao esporte competitivo. A ocorrência de um gol adversário, as condições climáticas ou do campo de jogo, as limitações estruturais para o treinamento da equipe ou problemas na logística para o deslocamento para um jogo são elementos que, se trabalhados de forma coerente pelo treinador e pela comissão técnica, podem surtir efeitos bastante positivos para a coesão social dos atletas de um clube de futebol. Trata-se do “efeito unificador” citado por Phil Jackson.

Jackson (2014) também entende que as contribuições particulares dos atletas colaboram para a consolidação do coletivo / para o estabelecimento da coesão social. De acordo com o monge Wayne Teasdale citado por Jackson (2014, p. 124):

o trabalho é sagrado quando se interliga à realização espiritual e representa a paixão e o desejo de contribuir para a cultura e, especialmente, para o aprimoramento dos outros. E entenda-se por paixão os talentos divididos com os outros e que moldam o destino de todos quando estão à serviço da comunidade.

(JACKSON,2014,P.124)

Este é um aspecto central da metodologia de trabalho de Phil Jackson: todos contribuem, de uma forma ou de outra, para a construção de uma cultura de alta performance. Esse conceito repercute de forma global em todos os esportes coletivos, de modo geral, e no futebol, em particular. Jackson (2014) acrescenta que os líderes – e nesse caso ele se referia ao fabuloso Michael Jordan – devem compreender que os atletas são diferentes uns dos outros, mas que todos são importantes para a construção da equipe. Nesse contexto o líder precisa saber como obter a melhor contribuição de cada um dos integrantes do time.

No futebol existem diversas formas e vários níveis de contribuições individuais para o sucesso de uma equipe: convivem em um mesmo ambiente os atletas, a comissão técnica, pessoal administrativo e os encarregados da logística. Mesmo entre os atletas persistem diferentes contribuições, derivadas da técnica individual, das características psicológicas e sociais, da aptidão física, da inteligência de jogo e das diversas funções táticas e posições ocupadas no campo de jogo. Além disso, alguns atletas atuam por mais tempo que outros. Assim, cabe ao treinador valorizar todos os esforços individuais que contribuem para a consolidação de uma cultura de alta performance em uma equipe de futebol.

Também merece atenção, no contexto futebolístico, a concepção que defende modelos de jogo e relacionamentos sociais como bases para o exercício da criatividade e da técnica. Um detalhe deve ser observado preliminarmente: de acordo com Lobo (2007), o futebol apresenta atletas geniais e imprevisíveis que podem ser considerados artistas do esporte, que interpretam a tática como formas de amarras (ou limitações). A tática não pode jamais tolher a criatividade e o caráter artístico dos atletas de futebol; ao contrário, ela deve se constituir em um instrumento (um meio) para viabilizar as exposições individuais de talento, sempre em busca dos objetivos coletivos da equipe.

Ora, a organização tática durante a execução das fases de um jogo de futebol (ofensiva, defensiva, transições e bolas paradas), sendo compreendida coletivamente e adequadamente treinada, oferece às equipes, de modo amplo, e a cada atleta, de forma específica, o domínio de um vasto repertório de movimentos e posicionamentos que constituem possibilidades concretas de desenvolvimento técnico. Assim, torna-se irracional a teoria que sustenta a tática como elemento impeditivo da técnica! Na realidade, e adotando uma licença poética, podemos dizer que “no jardim das táticas e das estratégias se destacam as flores da técnica”.

Phil Jackson sempre utilizou um sistema denominado triângulo ofensivo em suas equipes, compreendendo que a estratégia em questão viabilizava aspectos técnicos, criativos e tomadas de decisão por parte dos seus atletas. A esse respeito Jackson (2014, p. 24) diz:

o que me atraía era o caminho que o triângulo abria para os jogadores, propiciando-lhes um papel vital a desempenhar, bem como um elevado nível de criatividade dentro de uma estrutura clara e bem definida. O segredo é treinar cada jogador de maneira que possa fazer a leitura da defesa adversária e reagir de modo adequado.

(JACKSON, 2014, P. 24)

A referência de Jackson ao “elevado nível de criatividade dentro de uma estrutura clara e bem definida” revela um conceito que transcende os limites da quadra de basquete. No futebol, por exemplo, a adoção de um modelo de jogo que priorize marcação alta (por pressão) na saída de bola adversária, ações ofensivas agudas (verticais) e transições velozes requer atletas fisicamente muito bem preparados e com leitura de jogo adequada para a execução de movimentações rápidas. O modelo exemplificado requer tomadas de decisão criativas, notadamente nas manobras ofensivas que visam ataques incisivos precedidos de recuperações da posse da bola. Trata-se, então, de momentos técnicos e criativos que se destacam a partir de uma base tática anteriormente treinada.

Compreendemos também que a coesão social, segundo uma perspectiva que contemple todos os atletas e comissão técnica de uma equipe de futebol, oferece as bases emocionais e de solidariedade para que cada futebolista possa apresentar plenamente seus recursos técnicos. Em um grupo fortemente coeso os atletas podem se submeter a alguns riscos técnicos (ou jogadas ousadas) que não correriam caso fossem colocados à margem da unidade social.

Há ainda um último aspecto que deve ser considerado no processo de construção de um time de alto nível, seja ele de futebol, basquete, voleibol ou de outra modalidade: trata-se da submissão dos egos das celebridades esportivas aos interesses coletivos da equipe. Os esportes de rendimento, sobretudo o futebol internacional e o basquete americano, atingiram status e prestígio ímpares no mundo globalizado contemporâneo e se converteram em ícones da indústria midiática e do espetáculo. Nesse contexto, a mobilização de bilhões de euros ou dólares e o poder da Indústria Cultural são responsáveis pela fabricação de ídolos úteis aos interesses do mercado do entretenimento. Celebridades permanentes ou provisórias emergem desse panorama e nem sempre estão dispostas a se submeter às normas e concepções que fundamentam a coesão social, a unidade de grupo em que os fatores coletivos estão sobrepostos às questões individuais.

Phil Jackson apresenta um histórico de sucesso em relação ao trabalho com grandes estrelas do basquete americano, como Michael Jordan, Kobe Bryant e Dennis Rodman. A respeito da construção da união e da consciência coletiva de uma equipe na NBA, Jackson (2014, p. 14) afirma:

não se forma um tipo de consciência como essa da noite para o dia. São necessários anos de abnegação para que os jovens atletas deixem de lado os próprios egos e se engajem de corpo e alma na experiência de grupo. E a NBA não é exatamente o ambiente mais amigável para o aprendizado da abnegação. Embora o jogo em si seja um esporte com equipes de cinco jogadores, a cultura circundante celebra o comportamento egoísta e acentua a realização individual acima da união da equipe.

(JACKSON, 2014, P. 14)

Também no futebol temos atletas que se destacam acima da média de desempenho das equipes. Esses atletas, sejam eles celebridades que disputam competições internacionais ou talentos promissores de equipes de base (formação), precisam compreender que suas capacidades técnicas dependem dialeticamente da qualificação coletiva. Em outras palavras, entendemos que a qualidade global de uma equipe viabiliza o desenvolvimento da técnica individual, assim como o potencial técnico de cada atleta colabora para a construção ideal do todo.

O treinador de basquete Red Holzman, citado por Phil Jackson (2014, p. 39), afirma que

Em um bom time não há superestrelas. Há grandes jogadores que se mostram como grandes por sua capacidade de jogar com os companheiros como um time. E mesmo com as qualidades das superestrelas encaixam-se no bom time e se sacrificam, fazendo de tudo para ajudá-lo a vencer. O que interessa não são os números em salários ou estatísticas, e sim se os jogadores atuam em conjunto.

(RED HOLZMAN APUD JACKSON, 2014, P. 39)

A citação acima demonstra que os atletas rotulados como “acima da média” precisam do entendimento que os coloque como peças fundamentais para o funcionamento em excelência de suas equipes. Não são atletas que “jogam para si próprios”, mas que compreendem que seus protagonismos estão inseridos em uma coletividade maior. Da excelência coletiva emergem, logicamente, desempenhos individuais cada vez mais aprimorados.

Futebolistas “fora de série”, como Pelé (no Santos e na seleção brasileira), Johan Cruyff (no Ajax, no Barcelona e na seleção holandesa) e Cristiano Ronaldo (em diferentes clubes e na seleção de Portugal), sempre se destacaram individualmente e apresentaram inegáveis contribuições para os desempenhos coletivos de suas equipes. São exemplos que, dentre vários outros, devem ser expostos pelos treinadores para seus atletas.

A história do futebol apresenta algumas situações em que atletas excepcionais “se sacrificaram” individualmente em favor da construção coletiva da equipe. Na copa do mundo de 1970, na qual a seleção brasileira conquistou o tricampeonato, Tostão, à época integrante do Cruzeiro (MG), atuou na posição/função que hoje denominamos “falso 9”, que seria um centroavante com papéis flexíveis de abertura de espaços para outros atletas e de criação de jogadas. O atleta em questão foi bem-sucedido em suas tarefas técnicas e táticas no mundial de 1970, colaborando de modo decisivo para o sucesso da seleção brasileira de futebol. Trata-se de um perfeito exemplo de adequação do aspecto individual às aspirações coletivas de uma equipe esportiva.

Em síntese, podemos afirmar que as ideias e conceitos apresentados por Phil Jackson em Onze Anéis não se constituem em “receitas prontas e aplicáveis” em qualquer contexto esportivo. Adaptações são necessárias, considerando as especificidades de cada modalidade esportiva. No entanto, e para além das características específicas do basquetebol, um esporte praticado por equipes de cinco atletas em uma quadra de pouco mais de 437 metros quadrados, as estratégias de coesão social de Phil Jackson são indicadas para situações que envolvem a psicologia do esporte e a gestão de pessoas.

A adequação das concepções de Phil Jackson, extraídas de Onze Anéis, à realidade cotidiana das equipes de futebol é possível e indicada, mas deve considerar fatores que determinam a identidade cultural dos clubes, como dimensão no cenário nacional (internacional e/ou regional) e tradição, além de aspectos como o modelo de gestão, os retrospectos recentes e as características do elenco montado e das competições a disputar.

Por fim, destacamos as concepções de Touraine apud Lallement (2004, p. 239), para quem o movimento social:

é apresentado como a combinação de um princípio de identidade, de um princípio de oposição e de um princípio de totalidade. Não será necessário, para travar um combate, saber em nome de quem, contra quem e em que terreno se vai combater?

(TOURAINE APUD LALLEMENT, 2004, P. 239)

Desse modo, compreendemos que, para além de pressupostos teóricos, o planejamento e a execução das estratégias de coesão social no futebol dependem dos contextos específicos de cada clube, conforme citado anteriormente e ressaltado pelos dizeres de Touraine.

Referências

  • DURKHEIM, Émile. Da divisão do trabalho social. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
  • JACKSON, Phil; DELEHANTY, Hugh. Onze anéis: a alma do sucesso. Rio de Janeiro: Rocco, 2014,
  • LALLEMENT, Michel. História das ideias sociológicas: de Parsons aos contemporâneos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004,
  • LOBO, Luís Freitas. O planeta do futebol: em busca da alma, dos magos e das táticas que fizeram história. Lisboa: Prime Books, 2007.
  • MEDINA, João Paulo. Uma introdução ao pensamento complexo e sistêmico no futebol. Universidade do Futebol. Disponível em https://universidadedofutebol.com.br/2021/01/25/uma-introducao-ao-pensamento-complexo-e-sistemico-no-futebol/. Acesso em 27 de Novembro de 2021.
Categorias
Artigos

Táticas: restringem ou potencializam as tomadas de decisão? – Parte Final

Créditos imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Nesta terceira e última parte (Clique aqui para acessar a primeira parte ou aqui para a segunda parte), darei continuidade às discussões acerca da influência da tática nas tomadas de decisão, analisando uma outra possível abordagem do desenvolvimento tático na formação de um jogador, além de apresentar minhas conclusões sobre esse tema tão polêmico.

Princípios Táticos na Formação de um Jogador

Nessa parte, iremos discutir a formação do jogador de futebol através do desenvolvimento dos princípios táticos, usando como estratégias pedagógicas jogos condicionados e uma variedade de táticas individuais e de grupo.

Entenda por “princípios táticos” o resultado de décadas de estudos da pedagogia do esporte procurando compreender a lógica do jogo. Para Castelo (1994), citado por Costa et al. (2011), os princípios táticos são a tradução teórica a propósito da lógica do jogo, em que se busca operacionalizar os comportamentos técnico-táticos dos jogadores. Por isso, os jogadores precisam conhecê-los e saber como usá-los.

Diferentes princípios táticos, de acordo com o Glossário do Futebol Brasileiro (Fonte: CBF Academy, 2020).

Para que esses princípios possam ser compreendidos e desenvolvidos, uma opção de aprendizagem são os jogos condicionados, que envolvem atividades com mudanças nas regras (alterando o tamanho do campo, posicionamento e número de jogadores, gols etc.), procurando criar desafios para que os jogadores possam resolver os problemas do jogo (BALZANO, 2012).

Também é possível desenvolver princípios táticos específicos, através das táticas de grupo e individual, a partir do entendimento das mesmas como expressões do jogo, buscando soluções ótimas para desafios que se repetem em termos de lógica, dentro da variabilidade infinita do jogo. 

Dois exemplos de táticas individuais são a antecipação defensiva, no qual o defensor se antecipa ao atacante adversário a fim de interceptar a bola, e a antecipação ofensiva, que geralmente ocorre durante um cruzamento, no qual o atacante se antecipa ao defensor para tentar finalizar ao gol do oponente.

Para enriquecer o repertório e a criatividade dos jogadores, pode-se incluir no processo de ensino-aprendizagem características tanto da cultura brasileira, quanto de outras modalidades esportivas, especialmente o futsal.

Por exemplo, para fugir da marcação, pode-se ensinar uma movimentação típica do futsal conhecida como “dar o gato”, em que o jogador realiza rápidas mudanças de direção para criar espaço para receber a bola.

Ao pensar em táticas de grupo e combinações tradicionais como o “toca e vai” (também conhecida como “um, dois” ou “passe de parede”), pode-se adicionar variações a partir dos conceitos por trás de jogadas típicas do futsal, como os da paralela e da diagonal, para ajudar a desenvolver a capacidade de percepção das ações e as possibilidades da tomada de decisão dos jogadores (Antonelli, 2018).

Figura 2. Dentro de um modelo tático, os jogadores podem se utilizar da sua capacidade de leitura de jogo e realizar diferentes combinações para ludibriar a marcação adversária. Fonte (Antonelli, 2018).

Cada tática de grupo exigirá dos jogadores uma série de táticas individuais para serem aplicadas com eficiência. Por exemplo, durante as combinações descritas acima, o jogador poderá também decidir individualmente se faz uma corrida mais longa quando o marcador for ultrapassado ou curta com parada brusca quando o marcador se afastar (Balzano, 2020), proporcionando assim outras formas de realizar a conexão.

Para Santana (2019), as táticas individuais são uma forma de expressão da autonomia dos jogadores e representam um recurso importante na resolução dos problemas do jogo.

Dentro dessa perspectiva de adicionar elementos para o processo de leitura, tomada de decisão e execução das respostas, as táticas de grupo e individuais podem ser usadas como catalizadoras da tomada de decisão, desenvolvimento cognitivo e motor, permitindo ao jogador excelência na resolução dos problemas do jogo, podendo ser aplicadas em qualquer esquema tático e, assim, ajudando a formar um jogador “criativo”. Nessa perspectiva, um jogador com uma formação rica de estímulos que permita compreender a lógica do jogo será capaz de executar soluções eficientes dentro do universo “micro” do mesmo. E em momentos posteriores da sua formação, quando as capacidades cognitivas estiverem mais desenvolvidas, será possível aprender com maiores detalhes os esquemas táticos e as funções que irá desempenhar dentro dos modelos de jogo modernos.

Conclusões

Afinal, as táticas restringem ou ampliam as tomadas de decisão? As táticas podem tanto restringir quanto ampliar as capacidades de decisão dos jogadores. A questão não é buscar uma visão dualista e considerá-las como “boas” ou “ruins”, mas compreender o universo tático e as implicações de diferentes abordagens (didáticas-metodológicas), seja na formação de um jogador ou no aprimoramento do atleta em idade adulta.  A forma como o treinador entende, desenvolve e possivelmente exige a aplicação de cada tática pode torná-la mais restritiva ou abrangente.   

É preciso tomar cuidado para não as usar de forma a restringir o desenvolvimento de jogadores durante a sua formação, através de uma especialização precoce de “posição e função”, ou ao exigir que certas táticas (sejam elas individuais, de grupo ou coletivas) sejam utilizadas sem a compreensão das mesmas, o que pode acarretar em uma utilização fora do contexto mais apropriado.  Por outro lado, uma abordagem tática intencional e organizada, que considere os diferentes estágios de desenvolvimento, pode ajudar a desenvolver jogadores que sejam capazes de compreender e seguir esquemas e desempenhar funções específicas, e também de serem criativos e efetivos dentro dos campos, podendo ter capacidade autônoma de responder aos inúmeros problemas que emergem durante o jogo.

Referências

Antonelli 2021: O Futebol Potencializado pelo Futsal. Disponível em: https://www.soccerpoweredbyfutsal.com/livros

Balzano 2012: Metodologia dos Jogos Condicionados para o Futsal e Educação Física Escolar. 1 ed. Várzea Paulista, SP.

Balzano 2020: Dois Um Brasil: Um Método Genuinamente Brasileiro. Fontoura.

Beuker, M. (2021). Thinking differently at AZ Alkmaar. Disponível em: https://trainingground.guru/articles/marijn-beuker-thinking-differently-with-az-alkmaar

Da Costa, I. T., da Silva, J. M. G., Greco, P. J., & Mesquita, I. (2009). Princípios táticos do jogo de futebol: conceitos e aplicação. Motriz. Journal of Physical Education. UNESP, 657-668.

Santana, W. (2019). Qual o maior legado para o futebol do jogador formado no futsal? Clique aqui para acessar.

Categorias
Artigos

Principal diferença entre a aula e o treino de futebol

Crédito imagem: Marcio Vieira/ATN

No processo de iniciação esportiva, considero importante os professores perceberem que dão aulas, e não treinos. Por que me importo com isso?

Alguém pode dizer, talvez, que, comercialmente, seja mais interessante chamar minha aula de treino, para que as crianças e, especialmente, seus pais sintam um clima do tão idealizado sonho de estar em um clube de futebol profissional. Se for apenas para simular uma situação que está no imaginário tanto dos pais quanto das crianças, até entendo, embora tenhamos que conscientizá-los de que há grandes diferenças que precisam ser respeitadas.

O problema é quando não há a devida distinção por parte dos professores. Eles mesmos se enxergam como treinadores de equipes adultas e não professores de crianças ou adolescentes em etapa de iniciação. Não quero de maneira nenhuma desmerecer a categoria de professores de futebol. Pelo contrário! Quero enaltecer que para ser professor(a) de iniciação e dar uma boa aula de futebol, precisamos saber coisas diferentes daqueles que dão bons treinos de futebol para jovens e adultos. Às vezes, pode ser até o(a) mesmo(a) profissional com competência para atuar nas diferentes etapas do processo de formação, caso ele ou ela entenda que a sua postura, didática, estímulos e feedbacks devem se alterar coerentemente ao público que está trabalhando. 

Entretanto, não é apenas a questão da idade do público-alvo que diferencia se daremos uma aula ou treino, concorda? A principal diferença está no processo de ensino-aprendizagem ao qual esse momento de interação entre o educador (professor ou treinador) e educando (aluno ou atleta) está inserido. Para entendermos em qual processo estamos inseridos, precisamos nos perguntar: (1) qual é a quantidade e a qualidade de prática que o(a) aprendiz necessita para ter uma aprendizagem efetiva? (2) quais variáveis posso conduzir e controlar dessa prática no meu trabalho de educação esportiva?

Vamos utilizar o exemplo do processo de ensino-aprendizagem do futebol. Muitas vezes, os alunos e alunas que apresentam um melhor nível de jogo nas escolas de futebol são aqueles(as) que, sempre que damos a oportunidade de terem tempo e espaço livres, querem brincar de bola ou certas brincadeiras tradicionais (que também ajudam de alguma forma para as habilidades aplicadas no futebol). As crianças que frequentam escolas de futebol, e apenas possuem esse tipo de experiência lúdica nesses espaços formais, costumam ter uma aprendizagem muito aquém daquelas que brincam em ambientes informais também. Se a escola for boa, ela contribuirá para a aprendizagem efetiva dos dois tipos de crianças. Contudo, sabemos que aquelas que chegam ao alto rendimento são as que praticaram uma quantidade de horas muito além daquelas fornecidas pelas escolas de futebol.

Este exemplo nos faz pensar no papel que as aulas de futebol têm para as crianças aprenderem efetivamente o jogo. A frequente prática informal de jogos de bola com os pés (Scaglia, 2003) pode ser muito eficaz na aprendizagem do futebol, como foi extensamente observado na história do futebol mundial, sobretudo brasileiro. Então, qual a contribuição que eu, como professor de futebol, posso dar aos meus alunos e alunas para que aprendam e melhorem na prática do futebol? Posso utilizar a minha aula para ensinar coisas importantes para a vida, que reverberarão no futebol, posso ensinar a gostarem de futebol e jogos relacionados a ponto de quererem praticá-los sempre que puderem, posso ensinar a pensarem o jogo e seus componentes de uma maneira diferente da que pensavam antes da aula e, com isso, conseguirem enxergar soluções para jogar que não viam anteriormente, posso ensinar a terem bons ídolos e referências de aprendizagem, posso ensinar que podem aprender e como aprender o jogo ou qualquer outra coisa. Como irão utilizar esses aprendizados? Não posso controlar, pois não fico tempo suficiente com meus alunos e alunas para isso. Eu ensino para autonomia plena, para que façam do futebol aprendido o que quiserem.  

Agora esse cenário muda um pouco de figura quando estou inserido em um processo de treino. O treinamento esportivo tem princípios que precisam ser respeitados, são eles (Lussac, 2008):

  • Princípio da individualidade biológica.
  • Princípio da adaptação.
  • Princípio da sobrecarga.
  • Princípio da continuidade/reversibilidade.
  • Princípios da especificidade.
  • Princípio da variabilidade.
  • Princípio da interdependência de volume/intensidade.
  • Princípio da saúde.
  • Princípio da interdependência dos princípios.

Alguns deles devem ser respeitados em aulas de escolas de futebol, porém outros, são mais difíceis. Especialmente o princípio da sobrecarga e da continuidade são dificilmente atingidos pelo fato de as crianças normalmente passarem muito poucas horas semanais na escola de futebol, cerca de 2 a 4 horas, tendo em vista a quantidade de conteúdos e adaptações orgânicas que o futebol demanda para que a criança o aprenda efetivamente. Se ela não tiver uma prática extra fora da escola, ela evoluirá vagarosamente e não conseguirá chegar a um grande nível de aptidão para a modalidade. Além disso, o princípio da especificidade deve ser relativizado na etapa de iniciação para que não haja a especialização precoce.

Em processos de treinamento, todos os princípios devem ser respeitados e controlados dentro da periodização, almejando a performance esportiva crescente. Este deve ser um objetivo claro de ambos, educador(a) e atleta. Não é à toa que em determinada etapa do processo de formação de atletas de futebol, eles ou elas são impedidos(as) de praticarem a modalidade fora do ambiente formal do clube. Sempre que há um treinamento por conta do(a) atleta, este trabalho deve ser bem coordenado com a comissão técnica responsável pelo seu treinamento dentro do clube. Quanto maior a estrutura de suporte à comissão técnica, mais variáveis importantes para o desempenho devem ser controladas: estímulos, adaptações, alimentação, sono, repouso, estresse, entre outras.

Esta distinção entre a aula e o treino pode ser aplicada a qualquer contexto. Para garantir a aprendizagem efetiva de um instrumento musical, de um novo idioma, de liderança, de uma nova área de trabalho etc., se a pessoa não tiver o comprometimento de organizar as variáveis de desempenho para canalizá-las à sua performance, ela não chegará ao alto nível. Em etapas de iniciação a qualquer atividade, não é momento de haver uma preocupação tão grande com todas as variáveis que interferem no desempenho, mas sim, na relação construída entre o indivíduo e a atividade. Por exemplo, construindo uma relação de que o indivíduo se sinta bem e feliz naquela atividade e queira estar fazendo-a sempre que possível. Esta tarefa do(a) educador(a) é extremamente importante e difícil, pois cada indivíduo traz consigo uma série de medos e inseguranças sobre o desconhecido. Além do mais, sobretudo quando a pessoa começa uma atividade (etapa de iniciação a qualquer coisa), ela e ninguém sabe bem o que representará essa atividade para a vida dela. É recomendado, inclusive, que a pessoa experimente coisas diferentes para, só depois, saber em qual delas ela realmente quer dedicar mais energia e se tornar boa.

Enfim, se me permitem dizer algo aos professores e treinadores de futebol, é que todos saibamos em que etapa estamos trabalhando para identificarmos as reais necessidades de estímulos à aprendizagem efetiva e o desenvolvimento integral do indivíduo, seja o(a) aluno(a) ou o(a) atleta.  

________________________________________

Scaglia, A J. O futebol e os jogos/brincadeiras de bola com os pés: todos semelhantes, todos diferentes. Tese de Doutorado, Unicamp, 2003.

Lussac, R. M. P. Os princípios do treinamento esportivo: definições, possíveis aplicações e um possível novo olhar. EFDeportes.com – Ano 13, n. 121, 2008.

Categorias
Artigos

Versatilidade individual, triunfo coletivo

Crédito imagem: Tobias Hase

Embora análises conservadoras no futebol sejam tendenciosas a defender que jogadores permaneçam atuando em uma única posição ao longo de suas carreiras, a natureza dinâmica e interativa do esporte pode favorecer leituras mais flexíveis (tanto para quem desempenha as ações dentro de campo como para quem enxerga margens de crescimento fora dele). Talvez pela falta de alternativas na iniciação, pelo contexto que os acompanha durante o processo de formação ou até mesmo pelas circunstâncias com maior pressão no regime profissional, muitos jogadores demoram a encontrar o seu diferencial competitivo devido a repetições automáticas em uma posição rígida, que consequentemente podem limitar o rendimento esportivo.

No entanto, se nos afastarmos de um julgamento estático, será que as supostas ‘funções de origem’ refletem o real potencial de cada indivíduo? Se o jogador em questão puder opinar, quais seriam as suas preferências, a sua leitura, o conhecimento sobre as suas principais valências e lacunas? Seria possível estimular o desenvolvimento de jogadores polivalentes por meio de oportunidades em diferentes funções?

Na literatura acadêmica, enquanto estudos sobre a prática deliberada investigam o engajamento precoce ou tardio em uma modalidade específica (por exemplo, no futebol), questionamentos em torno do volume e qualidade de treinos debatem a especialização e a diversificação em atividades esportivas. Isto é, ao se envolver com o esporte, um indivíduo pode se aprimorar ao praticar exclusivamente uma única modalidade e/ou se desenvolver por meio da participação em distintas atividades. Não se trata apenas de um acúmulo de horas em treinamento, mas sim da variedade, tipos e intensidade das experiências do praticante, que também é influenciado pelo seu próprio grau de motivação, disposição e comprometimento. Dez mil horas para quê? Como? Onde? Com quem? Contra quem?

Transportando o raciocínio ao campo de futebol, independentemente da idade ou histórico, todo e qualquer jogador apresenta margens de evolução, recuperação e adaptação, pois sua curva de aprendizado não é fixa, tampouco estática. Ainda que o processo de identificação, maturação e desenvolvimento de talentos seja gradual, não-linear e específico a cada indivíduo, conforme as etapas de transição se aproximam do âmbito profissional a tendência é que oportunidades, tentativas e alternativas para testar variações sejam cada vez menores. Porém não impossíveis.

Vamos a alguns exemplos para facilitar a compreensão.

Ao seguir os passos de seu antecessor Philipp Lahm no Bayern de Munique e na seleção alemã, Joshua Kimmich se destaca atualmente como um dos principais meio-campistas da Europa, mas também permanece apto a atuar como lateral (outrora sua posição primária), adaptando suas valências na construção ofensiva e na retaguarda defensiva dependendo das exigências de cada função. Um de seus antigos companheiros de equipe, David Alaba elevou a versatilidade a níveis ainda mais admiráveis com a sua capacidade e conhecimento em se ajustar como lateral, zagueiro ou meio-campista. Caso semelhante ao do brasileiro Fabinho, um dos atletas fundamentais do recente ciclo vitorioso do Liverpool. Na Inglaterra, João Cancelo e Oleksandr Zinchenko também oferecem maior flexibilidade ao Manchester City. E retornando à Alemanha, Christopher Nkunku encontrou sua ascensão esportiva no setor ofensivo do Red Bull Leipzig após a concorrência em Paris limitar suas aparições no meio-campo e no ataque.

Fabinho, Alaba e Nkunku: exemplos de jogadores versáteis que potencializam o êxito coletivo.
Créditos: (1) Press Association / (2) Reprodução/@David_Alaba/Twitter / (3) Reprodução/@C_Nkunku/Instagram
Oleksandr Zinchenko: de meio campista no PSV a lateral no Manchester City.
Fonte: Man City/YouTube

A narrativa em questão obviamente passa longe de argumentar que todo jogador deva trocar de posição, pois as limitações de tempo reduzido, menor confiança e aversão aos riscos também dificultam eventuais inovações na camada profissional. Mas mesmo em uma única posição, a abertura ao senso crítico e criativo pode ajudar alguns jogadores a se tornarem especialistas em suas funções mediante o aprimoramento de sua percepção visual, coordenação motora e atenção às demandas de jogo da equipe.

De forma resumida, ao questionar as necessidades e pontos de melhoria para uma posição específica, despertamos o questionamento sobre as condições técnicas, táticas, físicas e psicológicas do indivíduo que executa a função, aliado às interações e características dos seus companheiros de equipe, além da capacidade de leitura das ações dos adversários. Vale lembrar que o futebol é um esporte de contato coletivo, marcado por constantes deslocamentos, coberturas e reorganização espaço-temporal.

Um centroavante, por exemplo, deve se adaptar a situações com intensa marcação, pouco espaço ou tempo disponível dentro da área, que exigem um rápido raciocínio no seu deslocamento, priorizando o equilíbrio na mecânica para finalizar a jogada com qualidade técnica. Quando o mesmo centroavante recebe um passe ou lançamento de costas para o gol, a antecipação na jogada pode afastá-lo dos defensores, permitindo que ele retenha a posse de bola girando o corpo ou facilitando a próxima jogada com um passe a um dos companheiros que visualizam o ataque de frente. Por fim, se o próprio centroavante conduz a bola em direção à área adversária, a projeção da sua corrida pode manipular os defensores a reagirem no momento em que ele optar por um passe, drible ou aceleração prévia ao chute. Em cada exemplo hipotético há variações para o centroavante executar os fundamentos técnicos, medir a velocidade necessária em seus movimentos e prever as possíveis consequências de suas escolhas táticas. Tudo em questão de segundos, considerando as interações ao seu redor.

Poderíamos ilustrar outros casos, mas a reflexão também fica a critério de como cada leitor interpreta o jogo. Talvez o ângulo mais importante seja espelhar pensamentos que traduzam a dinâmica interativa do futebol, cujas situações reais exigem versatilidade conforme o jogo acontece. Por exemplo, muitas vezes um atacante se ajusta como lateral ao acompanhar uma transição defensiva, zagueiros ajudam o setor ofensivo em oportunidades com bola aérea, enquanto meio-campistas monitoram deslocamentos com e sem bola para definir em que setor do campo devem agir ou reagir. Hoje, aliás, até mesmo goleiros apresentam maestria ambidestra para participar ativamente da construção de jogadas, representando (possivelmente) a posição que mais evoluiu na última década.

“Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas sim o que melhor se adapta às mudanças.” – Charles Darwin

Zé Roberto: versátil em campo e flexível a adaptações ao longo de sua carreira profissional.
Créditos: (1) Imago/Ulmer / (2) Paulo Pinto/AE / (3) Reprodução/SE Palmeiras

A versatilidade atrai benefícios individuais que fortalecem o diferencial competitivo de quem a protagoniza. Ainda assim, o real triunfo é coletivo.

Categorias
Artigos

O certificado de clube formador e a formação de jogadores

Nos dias 19, 20 e 21 de agosto a Universidade do Futebol promove o seminário “o ensino do futebol – uma alternativa à captação”, com o objetivo de propor uma reflexão sobre a formação de jogadores e a gestão sustentável das categorias de base no futebol.

Um dos aspectos fundamentais para o desenvolvimento de seres humanos, e consequentemente, jogadores e jogadoras mais preparados para os desafios do futebol do futuro é a garantia de seus direitos básicos nos ambientes e processo de formação.

Nesse sentido, uma das ferramentas que têm se mostrado mais promissoras para promover a melhora das condições de vida e treinamento de jovens jogadores é o Certificado de Clube Formador – o CCF. Entretanto, a análise de alguns dados sobre as emissões do documento e o número de clubes com categorias de base ativas pelo país acabam, na verdade, acendendo um alerta sobre o assunto no âmbito nacional.

Um exemplo de como apenas o certificado não garante que os direitos básicos de jovens futebolistas são respeitados, é o nome do Flamengo estar constando na lista de clubes formadores certificados pela CBF, divulgada quatro dias antes do incêndio que vitimou 10 jovens das suas categorias de base em 2019. O incêndio, além de ajudar a trazer à tona a discussão sobre as condições de vida e trabalho às quais milhares de jovens são submetidos por todo o país, também colocou uma lupa sobre a efetividade do certificado para assegurar direitos básicos de jogadores na base, razão pela qual o documento é frequentemente celebrado.

Afinal, o que é o Certificado de Clube Formador?

Regulamentado em janeiro de 2012 pela CBF, o CCF é um mecanismo previsto na lei Pelé que incentiva as confederações esportivas nacionais, no caso do futebol a CBF, a conceder uma certificação reconhecendo clubes e entidades esportivas filiadas como formadoras caso atendam requisitos mínimos. Como contrapartida, os clubes adquirem legalmente o direito à preferência na assinatura do primeiro contrato profissional dos jovens treinados na instituição ou à uma indenização caso ele chegue a um acordo com outra agremiação e também ao mecanismo de solidariedade da FIFA, muito comemorado por clubes brasileiros em grandes transferências internacionais como a de Neymar do Barcelona para o Paris Saint Germain e de Philippe Coutinho do Liverpool para o Barcelona, que geraram, respectivamente, R$ 33 mi para o Santos e R$ 15,8 mi para o Vasco. Em resumo, o CCF previne que a instituição que investiu tempo e dinheiro na formação de um jogador deixe de contar com seus serviços em um momento crucial, que é a assinatura do primeiro contrato de trabalho ou, ao menos, receba uma compensação financeira por isso. Algo muito relevante em um cenário no qual a maioria dos clubes do país tem dívidas significativas se comparadas a seus faturamentos anuais e tem na venda de jogadores uma das poucas maneiras de equilibrar as contas.

Apesar dessa garantia jurídica, o número de clubes com certificado de clube formador representa apenas uma pequena parcela dos filiados à CBF. Em agosto de 2019 eram 25 clubes com o certificado, na última lista atualizada pela CBF em abril do presente ano, o número de clubes que possuem o documento é de 33. De 2015, quando a CBF começou a divulgar a lista de clubes certificados, para cá o número variou entre 45, em 2018, e 25, em 2019.

Para Ivan Furegato, mestre em Gestão Desportiva pela Universidade do Porto, isso acontece, pois, poucos clubes têm expectativa de grandes receitas com a negociação de jogadores formados em sua base, “[quem busca o certificado] são aqueles clubes de médio ou grande porte, que vendem jogadores, ou que tem pretensões de vender. Essa pressão do mercado, vamos dizer assim, não chegou nos pequenos e médios de uma forma mais ampla”, analisa.

Pedro Smania, diretor do Movimento dos Clubes Formadores do Futebol Brasileiro e coordenador das categorias de base do São Paulo Futebol Clube, acredita que a pouca evolução no número de clubes certificados desde a regulamentação do CCF se dá por uma falta de conscientização geral sobre a relevância do documento por um lado e regras mais rígidas, que forcem sua obtenção, por outro, “o importante é que os clubes não busquem o certificado pelo certificado e sim que se tenha o entendimento da necessidade de se atingir os requisitos mínimos para uma criança estar morando em um ambiente diferente da sua casa, independentemente de sua origem ou classe social. Por outro lado, sua obrigatoriedade para participar de determinadas competições e outras medidas nesse sentido poderiam ser mais uma maneira de pressionar os clubes a buscar a certificação”, ressalta. O dirigente não acredita que flexibilizar os requisitos, como defendem alguns clubes, seja uma medida positiva “cada clube tem a responsabilidade de contemplar essas condições básicas, considero isso extremamente positivo. Um clube minimamente saudável tem condições de atingir os requisitos do certificado. Não vejo como solução abrandá-los para facilitar que outros clubes consigam se adequar. A gente precisa ter uma responsabilidade, e a responsabilidade precisa ser de todos. Se algum clube não consegue manter os requisitos ele não merece ter o certificado”, pontua.

O Estatuto da Criança e do Adolescente

Independente das pressões do mercado, um fato é que todos os clubes que se dispõem a alojar jovens em suas dependências devem respeitar o estabelecido no estatuto da criança e do adolescente, o ECA, que é uma lei federal e possui mais de 200 artigos. É o que afirma Thais Toledo, profissional do Serviço Social com 13 anos de experiência no futebol, “assim como qualquer outra instituição dentro do país que queira trabalhar com crianças e adolescentes é necessário que o clube de futebol, escolinha ou projeto social atinja requisitos mínimos, não tem como ser diferente disso”.

Um dado alarmante é que em 2019, ano pré-pandemia, 337 clubes disputaram competições sub-15 pelo Brasil sem possuir o certificado.

As condições de vida dos jovens que defendem esses clubes preocupam. O incêndio no Ninho chocou pela tragédia e atraiu holofotes pela dimensão do Flamengo, em clubes com menos recursos diversos tipos de violação são muito mais frequentes, “a gente vê muita coisa difícil de absorver. 14 meninos em um quarto, dormindo só em colchão, um banheiro para 30 garotos. Alguns clubes que só disponibilizam almoço e jantar, refeições sem nenhum valor nutricional, arroz feijão e salsicha ou coisas piores. Outros que não viabilizam a visita dos jovens às suas famílias, o garoto fica anos sem voltar para casa, isso ocorre até em alguns grandes. Sem falar dos desgastes físicos e emocionais sem que haja um responsável para zelar. Tudo isso é muito comum de ver por aí, com mais frequência nos clubes menores”, relata Thais.

CBF “certificado não substitui fiscalização”

Dias após o incêndio, a CBF divulgou uma nota afirmando que “cumpre rigorosamente suas atribuições”, ressaltando o aspecto esportivo do certificado, “a CBF atesta a qualidade dos clubes no desenvolvimento técnico de jovens atletas. Não participa, nem concorre com as funções dos órgãos públicos quanto à adequação e segurança de instalações”.

De 2012 para cá: a melhora nas condições de vida dos jovens jogadores após o CCF

Para Ivan Furegato, que acompanhou o processo de certificação do Botafogo de Ribeirão Preto, nointerior do estado de São Paulo, o documento trouxe benefícios para os jovens jogadores do clube, “foi possível perceber que não só os diretores, mas os próprios meninos da base diziam se sentir mais à vontade, render mais, depois ter acesso a psicólogo, acompanhamento social e educacional. Isso tudo aconteceu em uma época na qual o Botafogo teve resultados expressivos no campo, sendo vice-campeão sub-20 e chegando na final da Copa São Paulo, justamente com essa garotada, a primeira geração que se beneficiou da implementação do certificado”, conta.

Ivan ainda ressalta a importância do trabalho de profissionais das áreas da psicologia e do serviço social para a garantia dos direitos básicos dos jovens jogadores “se você contrata, por exemplo, uma psicóloga ou assistente social, por mais que o clube não siga o que determina o ECA, essas pessoas, até pela sua formação, acabam por conhecer essas exigências e colocando-as em prática. A existência de um profissional que está dedicado ao clube, fazendo um trabalho de prevenção é algo muito positivo. Supondo que alguém tente abusar desses garotos, se ele souber que existe um psicólogo lá dentro, um treinador profissional, que estão ali prestando atenção e conhecem o que podem denunciar, é possível inibir muita coisa e mostrar para os meninos que eles têm pessoas ali que se importam com eles e podem protegê-los”.

Thais Toledo também enxerga uma melhora na garantia dos direitos básicos após a regulamentação do certificado, “os aspectos positivos são fortes, os clubes que tem hoje o certificado estão em melhores condições, e os que não tem estão em movimento para busca-lo, isso significa que muita coisa está sendo mudada”, ela complementa destacando que o certificado também é benéfico no aspecto esportivo, “o indivíduo melhor formado vai render melhor em todas as áreas, tanto na parte pessoal, como profissional. Então, as chances dele conseguir um resultado em campo, um bom contrato e até uma transferência aumentam. Isso eu tenho visto acontecer, claro que não no ritmo que nós desejamos, mas me sinto satisfeita em sentir esse movimento”, comemora.

Possíveis caminhos

Apesar de proporcionar uma melhora nas condições de trabalho de jovens jogadores, o número de clubes certificado permanece estagnado. Em seu estudo sobre o tema Ivan Furegato traz algumas proposições que ajudariam a fazer com que mais clubes aderissem à certificação. Para ele, CBF e federações deveriam ser mais atuantes, padronizando o processo de certificação e buscando ativamente clubes que ainda não possuem o documento, incentivando a obtenção do certificado, “ajudaria muito na organização dos processos a criação de um departamento de categorias de base e ter uma pessoa responsável apenas pelo certificado, ter um maior controle, não ser uma coisa esporádica”, argumenta. Ivan acredita que as categorias do certificado e até a redação da lei podem ser aprimoradas para permitir que mais clubes busquem a obtenção do documento “uma ideia seria a de criar categorias de acordo com as possibilidades de cada equipe para fazer o certificado realmente funcionar em todo o território. Entendendo as diferenças, por exemplo, de um clube grande de primeira divisão e outro sem divisão. Hoje é muito fácil um clube pequeno falar que é impossível atingir as exigências e a CBF, por outro lado, aceitar isso e não cobrar. Aí entra um ponto que também acho fundamental que é a obrigatoriedade, se algo não é obrigatório no Brasil, e o futebol não foge à regra, a coisa não anda”, defende.

Para Thais, independentemente da certificação, a prioridade é fazer com que o clube seja um dos agentes a promover os direitos dos jovens jogadores, “o desafio é como se organizar para vincular o clube de futebol ao sistema de garantia de direitos. Para que o estado também se responsabilize por tudo isso. Para dar um tipo de registro, autorizando o clube funcionar, algo até anterior ao certificado. Afinal, se uma entidade quer trabalhar com crianças e adolescentes ela tem que desenvolvê-los de maneira responsável. O clube que tem recurso está se mexendo depois do incêndio, mas me pergunto o que está sendo feito nos clubes menores. Mesmo sabendo que vai ser fiscalizado eles não têm recursos para mudar sua realidade e os meninos continuam lá, em situação de risco”, analisa.

Thais Toledo e Ivan Furegato serão alguns dos palestrantes presentes no seminário “o ensino do futebol – uma alternativa à captação”, que será realizado nos dias 19, 20 e 21 de agosto de maneira remota. Fique atento às nossas redes sociais, é por lá que vamos divulgar todos os detalhes referentes à inscrição e participação no evento.