Categorias
Sem categoria

Objetivos ou metas no futebol?

Com os estaduais chegando ao fim, para aqueles clubes que não estão disputando as finais dos campeonatos em seus estados o ritmo é de preparação visando o campeonato brasileiro de 2015. Com isso, muitos clubes buscam estipular os resultados que desejam obter no campeonato brasileiro e consequentemente no final da temporada. E isso deve acontecer através da criação de metas claras que podem servir como referência ou guia para levar os times ao desempenho esperado.

Em relação a este ponto, acho muito interessante falarmos um pouco sobre importância das metas, mas principalmente sobre as diferenças entre um objetivo e uma meta, até por que eles são diferentes e precisamos compreender estas sutis diferenças entre eles antes de evoluir no assunto.

Esclarecendo brevemente, um objetivo pode ser definido como aquilo que se deseja obter, os resultados que um clube ou indivíduo deseja atingir. Já uma Meta está relacionada ao caminho para se chegar a um objetivo. É um marco, um desafio que se pode realizar e medir, uma etapa a ser atingida dentro de um objetivo. Aqui, alguns exemplos podem contribuir para ficar ainda mais clara essa diferença.

Exemplo 1
Objetivo: Ter uma boa classificação no Campeonato Brasileiro.
Meta: Terminar o campeonato brasileiro de 2015 nas cinco primeiras colocações.

Exemplo 2
Objetivo: Pontuar constantemente no Campeonato Brasileiro.
Meta: Conquistar 7 pontos, a cada 12 pontos disputados.

Agora com mais clareza sobre a diferença entre um objetivo e uma meta, vale a pena reforçarmos a importância das metas para os clubes, suas equipes e seus atletas.

Para os clubes e equipes podemos perceber esta importância na citação de Vicente Falconi (Consultor de Gestão): “O SUCESSO de uma organização é algo DESEJADO POR TODOS e quando acontece é uma grande FONTE DE ALEGRIA E SATISTAÇÃO. É fato amplamente conhecido que ALCANÇAR BONS RESULTADOS é uma das maiores FONTES DE MOTIVAÇÃO HUMANA.” (Vicente Falconi). Ou seja, se quando um clube ou uma equipe alcança seus melhores resultados traz satisfação aos envolvidos e se torna uma fonte de motivação, ter uma ou mais metas passa a ter grande importância devido a capacidade de mobilizar os envolvidos numa direção comum.

Para os atletas, enquanto indivíduos, as metas do clube ou coletivas ganham importância na medida em que estas são traduzidas em metas individuais para cada um dos atletas. Quando estas metas individuais estão alinhadas com as metas coletivas, o atleta demonstra empenho superior para atingi-las e ao se conquistar as metas desdobradas, caminha-se rumo ao atingimento da meta coletiva. Cabe complementar que o grande aliado para a conquista de uma meta é um bom plano de ação, que uma vez executado potencializa a as chances de se conquistar as metas estipuladas e assim atingir os objetivos planejados.

Até a próxima. 

Categorias
Conteúdo Udof>UdoF na Mídia

Auxiliar de Tite larga tudo em busca do sonho, mas não está fácil…

O que você faria se fosse auxiliar (respeitado auxiliar) do treinador campeão mundial? Se ganhasse mais de R$ 50 mil mensais e ainda tivesse direito a polpudas premiações em caso de novos títulos? Emprego do sonhos, não?
Geraldo Dellamore jogou tudo para o alto em busca de concretizar seu sonho. Chamou Tite – esse é o campeão mundial do parágrafo anterior – de lado em março de 2013 e disse que estava pronto para romper a parceira iniciada em 2000, no Caxias, quando era preparador físico.
Dellamore, em artigo escrito para a Universidade do Futebol, defende que ter conceitos futebolísticos bem definidos é mais importante do que a opção por um ou outro esquema tático. “(…) – no Brasil, supervalorizamos os sistemas de jogo em detrimento a outros fatores mais importantes. O sistema de jogo não é a essência das grandes equipes atuais: Bayern de Munique, Real Madrid, PSG, Juventus, Chelsea, entre outros. A essência do rendimento destas equipes reside no fato de elas executarem muito bem os princípios de jogo, ofensivos e defensivos. Nestas equipes, as táticas individuais e coletivas estão em acordo com aquilo que se espera de alto rendimento no futebol profissional. O sistema de jogo está à disposição da característica e da qualidade do jogador, não ao contrário! Mobilidade, amplitude, profundidade, infiltração e improviso – princípios ofensivos; equilíbrio, compactação, concentração, cobertura e controle – princípios defensivos; são os pilares que sustentam o desempenho das principais equipes do futebol mundial, clubes ou seleções.
Confira o texto na íntegra clicando aqui.

Categorias
Sem categoria

O valor do patrocínio (parte 01 de 03)

Vou iniciar uma sessão com três colunas complementares para tratar da temática “patrocínio” e o amplo debate em torno da sua aplicabilidade no esporte. A proposta não é polemizar, tal e qual está sendo o assunto do momento relacionado aos patrocínios da Crefisa para o Palmeiras e os árbitros do Campeonato Paulista. A ideia é gerar reflexões visando melhores práticas.

Vamos começar, então, com a apresentação de dois vídeos, que convido os leitores a assistir antes de continuar:

Se fizéssemos a pergunta: o que vocês viram em cada um dos vídeos? Talvez os mais viciados em marketing esportivo diriam que viram no primeiro vídeo a “Vivo”, a “Brahma”, a “Nike”, a “Batavo” ou a “Caninha 51”. O fato é que, o público em geral, olha várias vezes para o feito e enxerga “tão somente” o golaço de Ronaldo contra o Santos, com uma parcela residual de lembrança das marcas apenas se for estimulado a esta memória. Para o segundo vídeo, muito provavelmente, será consenso que as pessoas virão apenas mais uma propaganda criativa da Coca-Cola.

E qual a mensagem desta reflexão inicial em relação a patrocínio esportivo? Que um patrocínio por si só não emite efetivamente toda a mensagem comercial desejada por uma marca. É necessário, fundamentalmente, atrelar o patrocínio a um processo de comunicação amplo, que se convencionou chamar “ativação”.

Por "n" razões, seja por ausência de visão do lado esportivo ou mesmo por falta de interesse em desenvolver uma estratégia da parte das marcas é que vemos um cenário ainda inerte a grandes inovações e transformações neste meio, salvo raras exceções.

No Brasil, o único termômetro para medir a efetividade de um patrocínio continua a ser a visibilidade, motivo pelo qual as propriedades esportivas são pouco lastreadas em diferentes plataformas de modo a atingir uma maior quantidade de pessoas.

Não à toa que, no berço do marketing esportivo, o mercado americano, as marcas se associam ao cenário esportivo de uma maneira muito discreta ou de um modo que possa contribuir com o enriquecimento visual do jogo em si. Eis aí o grande valor, tanto para as marcas do esporte quanto para aquelas que se vinculam a este, construindo um verdadeiro conjunto de valores e troca de atributos intangíveis.

Nesta primeira abordagem reforçamos, portanto, um conceito muito vivo nas mesas de debates e comentários de especialistas em marketing esportivo, mas ainda pouco usual na prática. Na próxima coluna vamos abordar a relação do patrocínio com a quantidade de pessoas que uma propriedade é capaz de atingir. 

Categorias
Conteúdo Udof>UdoF na Mídia

Os 20 mil desempregados do futebol

POR EDUARDO CONDE TEGA*
Um mesmo ciclo negativo se repetirá no próximo domingo: mais de 20 mil profissionais do futebol brasileiro estarão desempregados, incluindo atletas, treinadores, assistentes técnicos, preparadores físicos, supervisores, roupeiros e massagistas, entre outros.
São profissionais que pertencem a centenas de clubes espalhados pelo Brasil e que ficarão sem atividades até o final do ano, em função do atual calendário promovido pela CBF e suas respectivas federações. Muitas destas equipes irão se despedir da temporada com menos de 18 jogos e as federações repetirão o discurso de que, sem os estaduais, a situação seria ainda pior.
Confira o texto na íntegra clicando aqui.

Categorias
Sem categoria

O novo caso Jobson e o papel social do futebol

O Botafogo disputou no último domingo (26) o primeiro jogo da decisão do Estadual do Rio de Janeiro (derrota por 1 a 0 para o Vasco no Maracanã). Jobson, não. Suspenso pela Fifa por ter se recusado a fazer exame antidoping em 2014, quando defendia o Al-Ittihad (Arábia Saudita), o atacante terá de ficar afastado dos gramados por quatro anos. Mas será que essa pena condiz com o papel social do futebol?

Em primeiro lugar, existe uma discussão em torno do caso. Jobson alega que o time árabe tinha uma dívida com ele, que já havia reclamado publicamente. O antidoping surpresa foi um pedido do próprio Al-Ittihad, e o profissional mandado ao hotel em que o atacante estava não falava português. Segundo o jogador, a recusa a se submeter àquela análise foi uma defesa para evitar qualquer tipo de armação.

No atual momento, contudo, discutir o episódio específico é apenas parte da história. Ainda que estivesse dopado e que tivesse rechaçado o exame para não ser flagrado, Jobson não podia ter sido submetido ao protocolo atual.

“Não sei [onde ele está]. Passei duas mensagens, mas até agora não tivemos resposta. Ele ficou de ir ao hotel [em que a equipe estava concentrada], mas não foi”, disse o técnico do Botafogo, René Simões, depois do jogo de domingo.

Anteriormente, o treinador já havia dito que colocaria profissionais para monitorar Jobson nesse período pós-notícia. Os advogados do atacante entrarão com um recurso na Fifa e pedirão efeito suspensivo para que ele volte a atuar – o atacante vinha sendo titular do Botafogo –, mas o medo agora não esportivo. Trata-se de um jogador reincidente no consumo de drogas, que foi alijado da profissão e que recebeu uma série de rótulos difíceis de não pespegar (“doente”, “viciado”, “indisciplinado” e “insolente”, por exemplo).

Nenhuma outra seara submete pessoas a provações públicas sobre drogas sociais. Quando esse tipo de substância foi incluído no antidoping do esporte, a alegação era criar exemplos para as pessoas que acompanham o segmento. A questão aqui é: será que o melhor exemplo é afastar Jobson da única coisa que ele sabe fazer, impor uma desilusão a ele, criar um ambiente hostil e fazer dele um pária? Talvez esse seja exatamente o roteiro para aproximá-lo novamente do vício.

Não discuti em momento algum se é correto o uso de drogas sociais. Não discuti em momento algum se esse consumo combina com o esporte, com figuras públicas ou com pessoas que são exemplos para gerações mais novas. Meu ponto é apenas um: suspender preventivamente, divulgar o fato, afastar um atleta por quatro anos e submetê-lo a um tribunal como um doping “comum” pode ser uma boa lição para outros, mas e para ele?

O tratamento destinado a Jobson pode ser exemplar, mas não tem sido exatamente a melhor abordagem do ponto de vista humano. Quem vai se responsabilizar se o atacante voltar a usar drogas ou se decidir se afastar das pessoas que estão tentando ajudá-lo?

Desde que os problemas de Jobson foram deflagrados, a única instituição que tem sido cuidadosa e tratado bem o jogador tem sido o Botafogo. O clube sempre esteve à disposição – ofereceu tratamentos e profissionais, por exemplo –, deu oportunidades e não fez publicidade sobre um drama que é extremamente pessoal. A Fifa não teve essa sensibilidade em momento algum.

Doping é um assunto relevante, obviamente, e por relevante deve ser acompanhado com minúcia pela imprensa. Agora cabe um questionamento sobre comunicação: em casos de drogas sociais, o posicionamento adotado pela Fifa é realmente o mais prudente?

Drogas sociais não adicionam ganho de performance. As substâncias flagradas em exames anteriores de Jobson não foram ingeridas porque ele queria ser um atacante melhor, mas por questões fora de campo. Para a Fifa, porém, isso sempre foi tratado como um desvio de conduta de um atleta, e não de uma pessoa.

Em primeiro lugar: é irresponsabilidade jogar doping social no mesmo balaio de outros casos. Se um atleta usou esse tipo de droga, não pode ser julgado como os que tentaram obter vantagem competitiva.

Além disso, o esporte tem uma função social. Trata-se de um agente formador (qualquer pessoa que tenha praticado uma modalidade na vida, ainda que de forma amadora, pode relatar o quanto isso influenciou no desenvolvimento de aspectos como dedicação, controle, concentração, trabalho coletivo, relação com a derrota e etc.). Estamos sendo corretos com Jobson?

Considero absolutamente absurda a divulgação de qualquer caso nesse sentido. De que serve as pessoas saberem qual droga ele ingeriu, quando foi e por que foi? De que adianta as pessoas revirarem a vida pessoal dele como se fosse um criminoso? É, não adianta.

Como agente formador e como ente social, o esporte tem um dever de dar exemplos e contribuir com as pessoas que o seguem. Mas também tem um dever de cuidar dos próprios atletas e de quem serve como pilar para a modalidade.

Agora leve o exemplo de Jobson a outros casos. Quais são as iniciativas do futebol mundial para ensinar jogadores a administrar dinheiro, por exemplo? Atletas que ganharam muito e gastaram ainda mais também são péssimas influências. O que é feito para evitá-las?

E os atletas que simulam agressões ou que tentam enganar árbitros e torcida? O que é feito para que eles não sejam exemplos para a sociedade?

O caso Jobson é um exemplo extremo do quanto o futebol (e a Fifa, de uma forma bem específica) negligencia a formação. Os bons exemplos são forças naturais amparadas por aspectos que a modalidade desenvolve, mas não por um trabalho consistente.

Enquanto tratarmos os atletas apenas como entidades a serem observadas e avaliadas, esse problema seguirá em diferentes áreas. Passou da hora de entendermos que lidamos com humanos e que humanos são sujeitos a dramas humanos. No esporte ou fora dele. 

Categorias
Conteúdo Udof>Colunas|Sem categoria

Polêmica no clássico

Mais um clássico mineiro decisivo e novamente a “guerra” de bastidores roubou a cena e tornou-se protagonista.

Previamente marcado para domingo, o Cruzeiro, mandante da partida contra o Atlético, válida pelas semi-finais do Campeonato Mineiro interessou-se na antecipação do clássico para o sábado, em virtude de compromisso importante pela Libertadores na terça-feira.

O Atlético, por sua vez, como jogou no México e teria uma longa viagem de retorno pela frente, preferiu que a partida contra seu rival ocorra no domingo.

Entre os clubes diretamente interessados havia a Federação Mineira de Futebol, organizadora da competição e a Rede Globo de Televisão, detentora dos direitos de transmissão.

O regulamento aplicado ao Campeonato Mineiro estabelece que a tabela poderia ser alterada pelo Presidente da FMF, de ofício, ou seja, sem solicitação, ou mediante requerimento formal e fundamentado dos interessados (mandante e emissora transmissora).

A alteração de ofício pelo Presidente da Federação poderia apresentar afronta ao Estatuto do Torcedor, que a exige a divulgação prévia da tabela e a inalterabilidade do regulamento, o que poderia trazer a interpretação de que eventual mudança nas datas e/ou horários de jogos deva ser excepcional e, portanto, de forma fundamentada.

Com a partida no domingo, o Cruzeiro entrou em campo na terça-feira, com intervalo inferior a 60 horas, o que corresponde a relevante fundamento.

Outrossim, a antecipação da partida, nos termos do regulamento dependeria de anuência da empresa detentora dos direitos de transmissão, no caso em tela, a Rede Globo.

Dessa forma, se Cruzeiro e Globo optassem pela mudança, ela ocorreria independente da vontade do Atlético, eis que o mando era do rival.

No entanto, a Rede Globo condicionou sua anuência à concordância por parte do Atlético que não aceitou a alteração na data da partida, assim, a empresa detentora dos direitos de transmissão optou pela manutenção da partida no domingo.

Irresignado, o Cruzeiro apresentou Mandado de Garantia à Justiça Desportiva que foi negado pelo Presidente do TJD mineiro.

Independente do resultado desse imbróglio, Atlético e Cruzeiro, novamente, transformaram o ápice do futebol mineiro em um momento menor, diminuído pela falta de diálogo e pela rivalidade nos bastidores.

Passou da hora dos dois maiores clubes de Minas Gerais entenderem que tem nas mãos um dos produtos mais valiosos do esporte brasileiro e passarem a buscar soluções profissionais e voltadas a atender aos interesses do torcedor.

Portanto, de novo, pouco importou o resultado da partida porque Cruzeiro e Atlético já foram perdedores. 

Categorias
Sem categoria

Feedback gera aprendizado?

Por muitas vezes um treinador de futebol necessita ser eficaz na orientação de seus atletas, seja para reforçar comportamentos positivos e ações bem executadas, quanto para contribuir no desenvolvimento destes através da melhoria e ajustes dos comportamentos percebidos de seus atletas na busca por melhores desempenhos.

Mas para se realizar esta ação muitas vezes se recorre de maneira isolada ao famoso feedback, muito difundido entre os profissionais atualmente em qualquer nicho de atuação. Porém dúvida em relação a eficácia do feedback como única forma de contribuir para a melhoria do desempenho dos atletas.

Na verdade para conseguirmos contribuir efetivamente para o desenvolvimento do outro, precisamos compreender que o aprendizado de algo novo é um processo que muitas vezes pode passar despercebido pela mente do atleta. Muitas vezes quando estamos tentando aprender algo novo, não percebemos como nós aprendemos a aprender estas coisas novas.

Na verdade, é muito importante conhecermos o processo de aprendizagem humana para podermos contribuir com o desenvolvimento de alguém. Ou seja, conhecer a forma que nos levará do não saber ao saber.

Para desenvolvermos algo novo, passamos por quatro estágios neste caminho que nos levará ao desenvolvimento daquilo que buscamos. São eles:

1. Incompetência inconsciente – Quando o indivíduo não sabe que lhe falta alguma competência para fazer algo, ou seja, ele não sabe que não sabe alguma coisa.

2. Incompetência consciente – Neste estágio você provavelmente passa a ter consciência de que não sabe o que precisa para executar algo novo. Ou seja, sua incompetência sobre alguma coisa está clara e sua consciência está elevada quanto a isso.

3. Competência consciente – Aqui você aprendeu o precisava e não haverá mais um grande esforço consciente para acertar e conseguir fazer bem o que se necessita.

4. Competência inconsciente – Nesta fase a pessoa de fato aprendeu o que precisava! A habilidade em fazer algo passa a ser natural e não é necessário esforço algum para atingir um ótimo desempenho.

Desta forma, pode ser valioso para todo treinador de futebol que procura ser mais assertivo em suas orientações e no incentivo ao desenvolvimento de seus atletas, que ele consiga levar o atleta do estado de incompetência inconsciente para o de incompetência consciente, pois neste momento o atleta vai compreender claramente que lhe falta algo a aprender e com isso a consciência de sua incompetência poderá leva-lo a buscar os aprendizados necessários para tornar-se competente no que necessita e com isso melhorar seu desempenho na busca pela melhor performance esportiva. 

Categorias
Conteúdo Udof>Colunas|Sem categoria

O Modelo de Jogo e a Dallas Cup – parte II

Na semana anterior foram sintetizados alguns elementos do Modelo de Jogo das equipes sub-19 do Real Salt Lake-USA, Valencia-ESP e Everton-ING. Dando sequencia ao material, nesta semana serão apresentados alguns elementos do Modelo de Jogo das equipes River Plate-ARG e Monterrey-MEX, semin-finalista e finalista da competição, respectivamente.

Abaixo, as informações do River Plate-ARG:

Princípio Operacional Defensivo Dominante: Recuperação da Posse
Forma de Marcação: Zonal
Linha de Marcação: Linha 2 – Intermediária Ofensiva

Princípio Operacional de Transição Ofensiva Dominante: Retirar a bola do setor de recuperação horizontal ou verticalmente
Número de Jogadores no Balanço Ofensivo: 2 ou 3

Princípio Operacional Ofensivo Dominante: Manutenção da Posse de Bola
Forma de Ataque: Ataque em Zona com estruturas móveis
Tipo de Ataque: Ataque posicionado
Forma de repor a bola em jogo com o goleiro: Curtas predominantemente

Princípio Operacional de Transição Defensiva Dominante: Reorganizar linhas da equipe
Número de Jogadores no Balanço Defensivo: 5 + Gr recuado

Em seguida, elementos do Modelo de Jogo do Monterrey-MEX:

Princípio Operacional Defensivo Dominante: Impedir Progressão
Forma de Marcação: Zonal
Linha de Marcação: Linha 3 – Meio Campo

Princípio Operacional de Transição Ofensiva Dominante: Retirar a bola do setor de recuperação verticalmente
Número de Jogadores no Balanço Ofensivo: 2

Princípio Operacional Ofensivo Dominante: Progressão ao Alvo
Forma de Ataque: Ataque em Zona com estruturas fixas
Tipo de Ataque: Contra-Ataque
Variação de Tipo de Ataque: Ataque rápido

Forma de repor a bola em jogo com o goleiro: Curtas predominantemente

Princípio Operacional de Transição Defensiva Dominante: Recuperação Imediata
Número de Jogadores no Balanço Defensivo: 5 + Gr recuado

Algumas conclusões podem ser feitas após a análise das equipes durante a competição:

•O espaço é uma referência de organização defensiva para todas as equipes analisadas;

•Além disso, fazem campo pequeno para defender, reduzem o espaço entre linhas e realizam coberturas permanentes para manterem superioridade numérica próxima ao centro do jogo;

•Pela análise da equipe norte-americana, fica evidente a tentativa de aplicar um jogo dominante, mesmo com sensíveis limitações técnicas, especialmente na linha de defesa. Se o Modelo aplicado estiver sendo desenvolvido com êxito nas categorias inferiores, em alguns anos, tal Academia será uma grande referência de formação.

•Um das equipes mais vistosas tecnicamente foi o River Plate. Com a técnica sul-americana usavam, por vezes em excesso, os recursos de 1vs1 ofensivo, retirando demasiadamente a velocidade do ataque. Foi a única equipe que atuou com estruturas móveis no campo de ataque, o que dificultava as organizações defensivas adversárias e permitia um grande repertorio de jogadas de ataque para a equipe argentina;

•O Valencia foi a surpresa negativa da competição. Apesar de apresentar alguns elementos ofensivos de jogo dominante, a estruturação de espaço da equipe quando em organização ofensiva (com 7 jogadores + GR no campo de defesa), além da orientação defensiva durante toda a competição para impedir progressão, não deram consistência ao jogo espanhol. A impressão que se deu é que pela maneira que defendiam, deveriam atacar de outra forma.

•A equipe inglesa foi a mais sólida defensivamente. Ofensivamente, foi a que mais alterou a forma de jogar durante o jogo. De um jogo de progressão, com passes curtos e ataque rápido no primeiro tempo, nos minutos iniciais do segundo tempo optou por um jogo direto, com diagonais para dentro dos extremos em disputas de segunda bola. Uma recaída ao antigo futebol inglês;

•Todas as equipes analisadas, inclusive a inglesa no primeiro tempo, tentavam repor a bola em jogo a partir do goleiro (seja em tiros de meta, seja em reposições) de forma curta. Como aspectos a melhorar, pode-se apontar que faltaram melhores alternativas de saída, maior dinamismo na construção da ação ofensiva, e melhor mecanismo de abertura de campo, o que dificultaria a ação defensiva do adversário;

•A melhor transição ofensiva, ou a mais perigosa, dentre as equipes analisadas foi a do Monterrey. Com eficiente mecanismo de ataque à profundidade pelo atacante e utilização de um extremo que se posicionava no balanço ofensivo próximo ao meio campo do lado direito, a equipe mexicana era muito eficiente após recuperar a posse de bola e retirá-la verticalmente do setor de recuperação.

•Os mecanismos coletivos de transição defensiva das equipes que tinham como referência operacional a recuperação imediata em muitos momentos foram falhos principalmente por dois motivos: Dificuldade de formação de um bloco ofensivo adiantado, agrupando a equipe no campo de ataque e facilitando as ações de pressão de espaço e tempo na região que se encontra a bola, além de um delay na mudança de comportamento ao perder a posse de bola;

Para concluir, esta competição foi disputada por 12 equipes de 8 países diferentes. Tais equipes estão entre as principais em seus respectivos competições. Conforme afirmou recentemente neste portal o treinador Rodrigo Leitão, não estamos atrás (dentro do campo) de muito do que se tem feito lá fora.

É válido, no entanto, nos mantermos atentos para que, no futuro, não sejamos surpreendidos. Pelo que vi, os Estados Unidos querem se tornar o país do futebol!

Aguardo críticas, comentários e sugestões. Até a próxima!
 

Categorias
Sem categoria

Patrocínio da arbitragem

Na reta final do campeonato paulista, o patrocínio da Crefisa e da FAM estampado na camisa dos árbitros chamou atenção, eis que se tratam dos mesmos patrocinadores do Palmeiras, um dos semifinalistas da competição.

O Estatuto do Torcedor determina que é direito do torcedor que a arbitragem das competições desportivas seja independente, imparcial, previamente remunerada e isenta de pressões. Além disso, é assegurado ao torcedor a transparência nas competições.

Outrossim, em se tratando de imparcialidade e da relevância do futebol no cenário sociocultural do Brasil, ser honesto não basta, deve-se parecer honesto.

Neste esteio, a FIFA, em seu Regulamento de Organização de Arbitragem estabelece que o patrocínio da arbitragem é permitido, desde que não exista conflito de interesses.

Destarte, se há um clube na competição com os mesmo patrocinadores, resta claro o conflito de interesses e violação ao princípio da independência da arbitragem.

Vale dizer que apesar da polêmica ter se instaurado no campeonato paulistas, em outros Estados os árbitros também são patrocinados.

Inclusive, em Minas Gerais, a CEMIL, empresa de bebidas lácteas patrocina Cruzeiro, Atlético e a arbitragem mineira.

Outrora inexistente, o patrocínio da arbitragem carrega consigo um importante papel de fortalecimento de uma marca, eis que o juiz de futebol, responsável pela tomada de decisões durante a partida, transmite a imagem de ética e imparcialidade.

Urge destacar que não a FIFA não proíbe o patrocínio dos árbitros, o que a instituição veda é a coexistência de patrocínios comuns com os clubes, e também de cassinos, casas de apostas, bebidas e cigarros.

Por fim, importante uma reflexão, se é proibido o patrocínio de árbitros e clubes pela mesma empresa sob pena de se levantar questionamentos éticos, não se abre precedente para conflitos entre clubes com mesmos patrocinadores? 

Categorias
Sem categoria

Galeano nos deixa. Carsughi nos leva

– Não há nada mais vazio do que um estádio vazio. Não há nada mais mudo que as arquibancadas sem ninguém.

O futebol uruguaio e mundial ficam mais vazios e mudos sem o escriba Eduardo Galeano nas tribunas e nas arquibancadas. Amigo de Obdulio Varela, ele tem uma análise mais crítica que apaixonada do 16 de julho de 1950. Para o Uruguai e para os uruguaios:

– Nós ficamos ali, naquele jogo, no Maracanazo. Às vezes, a memória atua como âncora, não como catapulta. Desde 1950 nós vivemos prisioneiros da nostalgia.

Galeano tinha a capacidade de enxergar com poesia e rebeldia. Contra o futebol moderno. Muitas vezes contra a modernidade. Mas sempre a favor do futebol, do jogo de bola, da paixão acima de tudo e de todos, com aquele saudável e incurável romantismo:

– O futebol profissional, o futebol como negócio, esse parece cada vez mais uma piada de mau gosto. Ricardo Teixeira, elevado à cúpula da Fifa, ocupando-se da justiça e do jogo limpo no futebol mundial?

Era Galeano brigando com quem não gostava do jogo, no máximo das jogadas. Era o uruguaio enfrentando até ideologicamente quem não gostava do futebol – ou do soccer.

– Os americanos chamam de “futebol” a um enfrentamento militar que se disputa com as mãos. Do outro futebol, o que se joga com os pés e não exige violência, dizem que é o esporte do futuro… Tenho pena deles. Ele é que perdem.

Nós perdemos muito sem Galeano. Tenho pena de nós. Até pelos exageros próprios de quem se emociona:

– Por sorte ainda aparece nos gramados algum descarado cara-de-pau que sai não se sabe de onde e comete o disparate de desmoralizar toda a equipe rival, e ao juiz, e ao público das arquibancadas, pelo puro prazer do corpo que se lança à aventura proibida da liberdade.

Como ele se derretia por Don Diego Armando:

– Maradona é incontrolável quando fala, mas é muito mais quando joga. Ele não se repete. Ele adora driblar os computadores que não podem processar o seu gênio. Ele tem olhos em todo o corpo.

Galeano amava o jogo e a personagem de Digo, como escreveu em 2004:

– Maradona é um mito. Porque foi um jogador excepcional e, isso, é sinal de identidade do nosso tempo; Porque foi um rebelde que desafiou os poderosos; E porque muita gente se identifica com esse santo bandido, que faz gols com a mão e se dopa com cocaína; É sujo, incoerente, louco; Ou seja: este santo é popular porque é humano; Mais parece pertencer ao Olimpo grego que ao paraíso cristão. No frígido futebol do fim de século, que exige ganhar e proíbe divertir-se, este homem é um dos poucos que demonstra que a fantasia também pode ser eficaz.

Hedonista, Galeano não dava a menor pelota às táticas e estratégias que normalmente aqui falamos:

– A história do futebol é uma triste viagem do prazer ao dever.

==========

 

Assim ficamos ao perder Galeano.

No mesmo dia em que ganhei-perdi um mestre como Claudio Carsughi, que deixou o meu novo local de trabalho, a Rádio Jovem Pan.

Carsughi ainda nos ensina só por estar mais jovem que muitos. Galeano não deixa sombras. Só a luz.

Mas a saída do imperador hertziano Claudio do local onde brilhou por 58 anos pela inteligência, sabedoria, ética, tranquilidade, correção, descrição e discrição é daquelas sensações que não temos palavras.

Só Carsughi poderia dizer quanto é clamorosa a sua despedida.

Mas, elegante como é, ele responde pelo silêncio que tantas vezes disse tudo com ele.

Ou pelas poucas palavras dele que sempre venceram a minha e a nossa verborragia.

Carsughi é um precursor no uso (inteligente) de estatísticas no esporte. Não chutava. Amortecia as melancias e jacas a ele atiradas e fazia um sumo de qualidade e força e luz.

Também não tinha sombra no jornalismo de Carsughi. Apenas o sol iluminada da Toscana onde ele nasceu há 82 anos. Na Arezzo das notas musicais de Guido de Arezzo. Tinha de ser.

Fica de lembrança inesquecível de Carsughi no rádio as tantas horas coladas no ouvido e as minhas imitações do rigor jornalístico do mais inglês dos italianos. A alegria de ele ter colaborado em um dos meus livros palmeirenses, escalando os 10 maiores ídolos palestrinos. Como eu também o escalaria fácil entre os 10 mais de tudo que se refere à notícia. Ele e outro imenso Claudio – Zaidan.

Se fosse ainda mais louco e quisesse ter um filho jornalista, talvez eu escolhesse o nome de Claudio. Não é, Zaidan e Carsughi?

O exemplo deles é eterno.

Como pra sempre vai ficar na minha memória a hora que passei com ele no Esporte em Discussão desta segunda-feira. Das 13 até 14 do dia 13 de abril de 2015. A hora que trabalhei com Carsughi.

Não sabíamos que seria a última na rádio.

Mas saberemos sempre que um microfone tão importante não se aposenta e não se desliga.

Carsughi estará sempre ON. Jamais OFF. No máximo standy. Nunca goodbye.

Clamorosa honra trabalhar uma hora com o mestre.
 

*Texto publicado originalmente no blog do Mauro Beting, no portal Lancenet.