Categorias
Conteúdo Udof>Grupos de Estudos>Geffut

Variabilidade de prática e formação esportiva no futebol

Novamente, este espaço será utilizado com objetivo de gerar alguns questionamentos e reflexões para todos que buscam a transcendência acerca das várias dimensões inerentes ao futebol. O conteúdo a ser hoje discutido será relativo à alguns pressupostos sobre a variabilidade de prática (conteúdo estudado nas disciplinas Aprendizagem Motora, Pedagogia e Metodologia do Esporte dos cursos de Educação Física). Entretanto, antes de dar-se início, há uma necessidade do entendimento breve de alguns conceitos que, infelizmente ainda são desconhecidos, e logicamente por pessoas que permanecem com o pensamento de que “no futebol já está tudo inventado”. TUDO inventado mesmo? Será?

Que o futebol tanto pode, quanto deve ser ensinado, não restam dúvidas. Entretanto para um ensino eficiente e com eficácia, há um fator preponderante a ser compreendido com unanimidade por todos que trabalham ou desejam trabalhar neste esporte: conhecer a natureza do futebol e entendê-lo como um fenômeno. Desta forma, será que os conteúdos ensinados vêm sendo feitos de maneira atual e cientificamente correta? E qual a relação de tudo isto com a variabilidade de prática no ensino-aprendizagem/treinamento?

Pois bem, veja-se: o futebol é um jogo desportivo coletivo de invasão. Em seu contexto, percebe-se num olhar macro a existência de situações como, equipes em constante relação de oposição e cooperação, onde o objetivo maior (ou a lógica do jogo) é de marcar o gol e evitar de levá-lo. Ao adentrar-se na visão micro, tem-se então sub-estruturas conectadas entre si. Esta observação micro pode nitidamente ser desenvolvida quando há um entendimento realmente aprofundado do futebol, por exemplo, nas observações de antecipações, tomadas de decisão, jogadas imprevisíveis, sprints com trocas de direção, passes, finalizações, enfim, constantes variáveis que estão incontestavelmente inter-relacionando-se a todo instante e são interdependentes umas das outras.

No partir então da ótica que no futebol tudo está inter-relacionado, e seus acontecimentos são de natureza não-linear, há a necessidade de se aprender o processo de interpretação destes acontecimentos não-lineares com “outros olhos”, através da luz da complexidade. Assim, com esta maneira de pensar (e que sempre deveria existir no futebol), chega-se a conclusão de que a complexidade pertencente ao jogo gera um alto nível de variabilidade prática (maneiras diferentes e inúmeras de se executar os comportamentos tático-técnico-físico-psicológico do jogo). Desta forma, usando uma dedução simples, chega-se a um núcleo comum: o treinar do futebol deve conter uma atmosfera repleta de variabilidade, especialmente na formação esportiva (entendam-se escolas de futebol).

Neste sentido, quais das duas tabelas de ensino-aprendizagem/treino abaixo contêm maior variabilidade?

 

 

 

Parece simples interpretar qual dos dois modelos possui maior variabilidade de prática, mais muitos irão interpretar com confusão as tabelas acima, de acordo com a visão e o entendimento relativo a o que é futebol? E o que deve-se ensinar em futebol? Entretanto, aprender o futebol é acima de tudo aprender a pensar! O futebol para ser ensinado necessita de alguém que o conheça bem, e que essa pessoa desenvolva nos atletas um jogar com plena autonomia. É principal lembrar que cada sessão de treinamento ou cada aula deve ser interdependente, e que durante um processo de longo prazo, a somatória dos treinamentos trará os objetivos determinados. Assim, deve-se perceber que a máxima monotonia, estereotipia, correspondendo à uma mínima variabilidade, resultará também, a mínima compreensão do contexto do futebol. Então de nada adianta cobrar veemente algo (aos “berros” escandalosos à beira do gramado) durante o jogo, se o treino não proporcionou um ambiente repleto respostas a serem escolhidas por uma tomada de decisão reflexiva, feita com um questionamento socrático , para o aluno entender e resolver os problemas diversos e imprevisíveis que o jogo apresenta, porém, embasado em uma forma de jogar.

Por fim, somando-se à variabilidade de prática, uma ação mediadora do professor, com boas instruções em forma de descoberta guiada , causará um grande engrama congitivo-motor de respostas que irão permitir aos atletas compreenderem criticamente o jogo de futebol.
 

¹Reflexão acerca de assuntos conduzindo o aluno a se questionar sobre suas tomadas de decisão e fazer com que este seja reflexivo com os companheiros de equipe.
²Espécie de mediação com intuito de hierarquizar tomadas de decisão (mais eficaz e menos eficaz), sem apresentar uma resposta pronta ao aluno.

Categorias
Sem categoria

Respeito

Respeito tem sido algo raríssimo na sociedade (civilizada?) atualmente.

Poderíamos desfilar uma série de valores e virtudes ausentes nessa mesma linha: cordialidade, gentileza, solidariedade.

Um dos grandes vetores de transformação social poderia e deveria ser o esporte. E tanto melhor o esporte mais praticado e incensado em todo o mundo, o futebol.

Entretanto, já vem de tempos que presenciamos quase que o reverso da medalha, em que os jogos e competições remontam à sanha ancestral do homem em expiar seus pecados e frustrações.
As arenas do futebol, hoje, se parecem mais com aquelas dos romanos, cujo deleite era vivido por combates sanguinários entre homens e feras.

Para escrever sobre o respeito e lhe dar a sensação mais precisa de como nos faz falta, invocamos alguns (maus) exemplos recentes.

Domenech e Parreira; Dunga e Escobar; Anelka e Domenech; Neymar e Dorival Junior.

O caso Neymar, o mais fresco na memória coletiva, denota que o futebol e as pessoas que o compõem devem se olhar no espelho e se questionar se de fato se está diante do Médico ou do Monstro.

Puritanismos à parte, Neymar, o pós-adolescente de 18 anos, deve ser orientado a se responsabilizar por todos os atos não só dentro como fora do campo, no mesmo grau em que se lhe outorga a liberdade para escolher se vai ao Chelsea, se fica no Santos, se compra um Fusca ou uma Ferrari.

Como acontece com todos nós. Respeito é uma atitude, mais do que um sentimento, e deve ser expressado, manifestado.

Os que acompanham os jogos-espetáculo da Uefa Champions League devem ter notado as mensagens nos intervalos e chamadas de TV sobre a campanha “Respeito”.

 

 

Alguns excertos de releases no site oficial da entidade dão conta da importância e envolvimento da Uefa com esta discussão:

O fair-play e o respeito têm um papel fundamental no desporto, qualquer que seja a modalidade desportiva, especialmente nas que envolvem crianças.

“As crianças precisam de valores fortes para crescer. O futebol, como desporto colectivo, permite que elas percebam a importância da disciplina, do respeito, do espírito de equipa e do fair play, tanto no desporto, como na vida em geral. A campanha de fair-play da Fifa vai muito além da promoção do fair play em campo durante uma competição”, explicou Joseph Blatter, o presidente da Fifa.

“O respeito é um princípio fundamental do futebol”, afirmou o presidente da Uefa, Michel Platini. “Respeito pelo jogo, jogadores, árbitros, adversários e adeptos. A Uefa não vai tolerar o racismo ou qualquer outra forma de discriminação, em campo, nas bancadas ou nas cidades.”

A campanha Respeito da Uefa é promovida em importantes jogos e eventos organizados pela Uefa, tendo sido lançada antes do Uefa EURO 2008 que decorreu na Áustria e na Suíça. Esta iniciativa está ligada a programas que visam combater a violência, o racismo, a xenofobia e a homofobia, isto para além de incentivar o apoio dos adeptos, o diálogo intercultural, a proteção do meio ambiente e a ajuda humanitária.

A mensagem visa fomentar o respeito para com os adversários, os adeptos das outras equipas e os árbitros em particular, isto para além do próprio jogo. “O futebol é um terreno fértil para fomentar a fraternidade e a diversidade”, continuou Platini. “Somos todos iguais com a bola nos pés e a Uefa vai continuar a promover a participação cívica, a defender grandes causas humanitárias e a combater os problemas sociais. Vamos unir-nos e mostrar respeito”.

Ronaldinho Gaúcho foi ovacionado e homenageado em Barcelona, pelo seu ex-clube, na final da Copa Joan Gamper. Puyol lhe deu o troféu de campeão de presente, como justa retribuição ao que o ídolo proporcionara em cinco anos na Catalunha.

No Brasil, o que temos feito? Quais são as iniciativas planejadas de federações, clubes, sindicatos, mídia e da CBF?

Considerar pouco grave o episódio que envolveu Neymar no Santos significa perpetuar a dicotomia entre a sociedade brasileira e o futebol aqui praticado, permitindo com que um se aproveite do outro, de costas viradas, impunemente.

Para interagir com o autor: barp@universidadedofutebol.com.br

Categorias
Sem categoria

A cultura da vitória: os campeões se constroem

Muitas pessoas me perguntam quais características comuns entre si, têm os treinadores de futebol vencedores.

A curiosidade ansiosa para tentar entender por que alguns poucos vencem tanto, e outros tantos vencem tão pouco, faz com que muitas vezes, uma busca incessante de relações causa-efeito se inicie, e tente explicar com argumentos simplistas, o que diferencia um treinador campeão, de outro que não seja.

Eu não tenho uma resposta pronta para isso – tenho sim alguns palpites e alguns apontamentos.

De qualquer forma, o que me parece muito importante, é entender que obviamente, vencer ou perder não é uma questão do acaso.

Os campeões se constroem, e por mais que isso doa para o ouvido de alguns, a conquista da vitória, nada mais é, do que a conquista do controle das variáveis que interferem direta e indiretamente no desempenho de jogadores e equipes.

Por mais abstrato que isso pareça, o “vencer”, é resultado da busca constante e permanente de um ambiente de excelência, em que as “engrenagens” do processo geram um tipo de conspiração, que se torna espontânea, de rotinas de vitória.

Em outras palavras, da mesma maneira que criamos rotinas para coisas diversas, e somos capazes de desenvolver hábitos que algumas vezes até condicionam nosso comportamento, para alcançar a vitória e “transformar suor em ouro”, é necessário que sejamos capazes de gerar uma “cultura de vitória”.

Dentro de um sistema tão elaborado e complexo quanto o futebol (com tudo que o envolve, em todos os seus níveis e categorias), gerar uma cultura de vitória não é algo tão simples.

São muitas as interações e interdependências nesse sistema. São muitos e longínquos os elementos que interferem diretamente na maneira com que ele (o sistema) se organiza.

Quando o professor e filósofo Manuel Sérgio disse, que para saber de futebol é preciso saber muito mais do que futebol, talvez tenham sido poucos, os que lhe deram ouvido. E dos que o ouviram, talvez, muito menos ainda foram aqueles capazes de entendê-lo.

A construção de uma cultura de vitória segue caminhos diversos para se estabelecer, e esses caminhos são particulares ao meio que se está inserido. Depois de instalada, ela tende com o passar do tempo e se bem administrada, a ficar cada vez mais forte.

Um treinador que seja parte fractal dessa cultura amplifica seu capital simbólico, e a partir daí está pronto para influenciar novos ambientes, com maiores chances de sucesso.

A construção da vitória, parte então do entendimento de que ela está no jogo, mas não apenas dentro do campo de 100 por 70 metros, de grama verde; ela está num jogo muito maior, que está muito além das quatro linhas.

Por isso, termino hoje com um trecho de um texto que li faz tempo, e que me parecia estranho, sem nexo; mas que hoje dia faz todo o sentido…

Trecho de “A menina que virou vento” (Tedtage Noarie)

Ela soprava enquanto o vento tocava seu rosto.
Ela soprava, soprava, soprava, enquanto o vento tocava seu rosto.
E ela soprava, soprava, soprava, soprava; e então, também virou vento…

Para interagir com o autor: rodrigo@universidadedofutebol.com.br

Categorias
Sem categoria

O BIRG, o CORF e a explicação da indústria do futebol brasileiro

Quando você vai a um estádio de futebol, você provavelmente sabe dizer por que você está indo. Agora, você sabe dizer por que os outros milhares de torcedores também estão lá?

Cada um tem lá sua razão específica pra torcer para um clube. Pode ser por influência familiar, por aversão ao time do vizinho, por causa de um atleta específico, por morar do lado do estádio e por outras tantas coisas mais. E todas essas coisas foram estudadas e identificadas.

Existem inúmeras razões pela quais uma pessoa escolhe torcer por um time. E existem outras mais que fortalecem ou enfraquecem o laço entre o torcedor e o seu clube. A mais comum delas foi denominada por alguns pesquisadores de Basking In Reflected Glory (BIRG), que significa algo como “orgulhar-se com a glória refletida”, que é o fenômeno que ocorre quando um time ganha um jogo e o torcedor diz (e sente) que “nós ganhamos a partida”. Com o BIRG, quanto mais um time ganha, mais orgulho ele gera e mais pessoas se apropriam do status de vencedor gerado pelas vitórias.

O BIRG é, evidentemente, o principal laço da relação entre clubes e torcida no Brasil. Isso acontece muito por conta da impossibilidade ambiental de desenvolver outras relações, principalmente dos laços mais profundos com a comunidade local de cada torcedor, já que as comunidades locais do Brasil são ainda muito recentes e carecem de maiores vínculos com os seus habitantes. Com isso, há pouco vínculo social entre clube e torcida, deixando que o BIRG se apodere da intermediação do processo.

Por conta do BIRG, quando o time está ganhando, a torcida se torna fanática, lota estádios e compra produtos. O grande problema é que o BIRG traz em sua essência outro processo psicológico oposto, que foi denominado de Cutting Off Reflected Failure (CORF), que significa algo como “romper com o fracasso refletido”, que ocorre quando o time perde e o torcedor diz (e sente) que “eles perderam a partida”. Com o CORF, quanto mais um time perde, mais torcedores se afastam do time para evitar absorver o status de fracasso. Ou seja, quando um time perde uma partida ou um campeonato, os torcedores param de consumir produtos e de ir aos estádios como forma de evitar parecer que eles também são perdedores. Com o BIRG, “nós ganhamos”. Com o CORF, “eles perderam”.

Como esses dois fenômenos são predominantes na relação entre times e torcedores no Brasil, os clubes ficam excessivamente reagentes ao sucesso em campo. Afinal, a derrota significa não apenas o fato esportivo em si, mas cria também um grande impacto nas receitas e na administração do ambiente político do clube. Com isso, exerce-se uma enorme pressão por sucessos imediatos e constantes, onde vitórias devem ser obtidas a qualquer custo e derrotas são suficientes para motivar mudanças completas na estrutura do clube. Isso acaba gerando uma situação em que é impossível desenvolver o mínimo controle financeiro e torna o fluxo de receitas e despesas algo absurdamente instável, impossibilitando qualquer manutenção de parâmetros de gestão de longo prazo.

O BIRG e o CORF explicam muito sobre como funciona a indústria do futebol brasileiro e por que o buraco financeiro vai ficando cada vez maior. A boa notícia é que existem métodos para tentar minimizar o impacto que esses fenômenos causam nos clubes. A má notícia é que aqueles que tem poder para aplicar esses métodos de controle são justamente aqueles que mais se deixam influenciar por eles.

Para interagir com o autor: oliver@universidadedofutebol.com.br  

Categorias
Sem categoria

A criatividade

Há algum tempo me recomendaram um livro que falava sobre o “Cirque Du Soleil” (Bacon, J. U. Cirque Du Soleil: a reinvenção do espetáculo. 8. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006) como uma ótima leitura para entender e discutir um pouco mais as questões de marketing e gestão de uma forma prática, a partir de um estudo de caso.

O fiz na semana passada e, de forma natural, vim refletindo os seus ensinamentos para a sua reprodução no ambiente do futebol. Dentro de todo o contexto de espetáculo, característico do circo e que também faz parte da indústria do futebol, duas coisas me chamaram a atenção.

Primeiro foi o fato de este circo ter conseguido apresentar uma linguagem e expressão totalmente diferente dos demais circos. Fiz, inclusive, um exercício em sala de aula e os alunos remeteram palavras como “pipoca”, “elefante”, “palhaço”, “ciganos” para o circo comum, enquanto que “excelência”, “beleza”, “espetáculo”, “rico” vieram à cabeça deles quando falado no nome “Cirque Du Soleil”.

Cabe ressaltar que nenhum deles assistiu “ao vivo” sequer uma vez a apresentação do circo, apenas de acompanhar pela TV em reportagens ou mídias do gênero. Isso nos remete a pensar a forma que comunicamos nossos negócios e a percepção que queremos oferecer para os consumidores/clientes sobre nossos produtos e serviços.

O segundo aspecto tem a ver diretamente com a questão dos recursos humanos e ligação com o título desta coluna: “a criatividade”. Ali esteve descrito ao longo de todo o livro como é trabalhado o estímulo para que os artistas tenham liberdade para criar e inovar.

Neste contexto, o ambiente, as pessoas e os desafios foram os elementos-chave de estímulo à criatividade apontados ao longo do livro. Remetendo ao futebol, o ambiente seria o local de trabalho (centro de treinamento), em que o atleta se preocupe unicamente em praticar a modalidade, discutir com os companheiros as melhores jogadas; em que o treinador e sua comissão possam se concentrar e criar as principais jogadas para neutralizar o adversário – sem querer saber se o ônibus vai quebrar no meio do caminho ou se haverá campo para treinar ao longo da semana.

Sobre as pessoas, nos referimos ao estímulo do trabalho em equipe, percebendo que cada setor do clube funciona como o “dente de uma engrenagem” e todos devem estar engajados em um único fim, proporcionando tranquilidade para aqueles que devem criar. E os desafios, cujo contexto tem relação com a natureza humana, no qual somos movidos para a busca de coisas novas e, nesta busca, devemos criar como uma ferramenta de superação aos próprios anseios.

Em síntese é isso. Vivenciamos um mundo de constantes mudanças em que as empresas que dominam o mercado têm como característica-chave a inovação. Para que a inovação chegue ao ambiente de trabalho, é preciso estimulá-la e tal premissa não pode ser diferente no contexto do futebol.

Em alguma medida, tais elementos explicam porque alguns clubes são enormes, ou crescem vertiginosamente no mercado do futebol. E outros, que o negligenciam, perdem espaço, valor de marca e qualidade de trabalho, como um processo natural de competitividade mercadológica.

Para interagir com o autor: geraldo@universidadedofutebol.com.br

Categorias
Conteúdo Udof>Grupos de Estudos>Cespef

Análise quantitativa de gols no Campeonato Brasileiro de 2006

RESUMO

O futebol é um jogo interessante, onde durante uma temporada anual, alguns clubes chegam a realizar perto de 75 partidas. Os resultados de pesquisas científicas tem mostrado, que ao utilizar exercícios específicos, pautados em dados quantitativos dos elementos do jogo de futebol, o treinador consegue fazer com que os atletas alcancem uma melhor performance técnica. Esse estudo pretende dar subsídios para treinadores e profissionais da área a darem ênfase nos treinamentos técnicos de suas respectivas equipes.

Participaram da coleta de dados 03 (três) acadêmicos de Educação Física, cada qual responsável por uma função. Esse trabalho teve como principal objetivo analisar quais tipos de finalizações originaram mais gols no Campeonato Brasileiro de 2006, através de material iconográfico.

O presente trabalho trata-se de um estudo original de campo com uma análise quantitativa de dados, sendo uma pesquisa comparativa de gols. Foram analisados 1030 gols do Campeonato Brasileiro da série A de 2006, em um total de 100%. Os resultados apresentados mostram que o percentual de gols com bola em jogo é de 69% bem mais alto que o de bola parada que é de 31%.

Através dos resultados pode-se concluir que a maior parte dos gols foi proveniente de jogadas tramadas (bola em jogo), por outro lado observou-se que muitas partidas vêm sendo decididas em bola parada; com isso a análise pode contribuir para os clubes darem ênfase nos treinamentos específicos de bola parada, visando ainda um melhor desempenho.

Para ler o artigo na íntegra, clique aqui.

Categorias
Conteúdo Udof>Colunas|Sem categoria

Polícia e futebol, uma perigosa combinação

O Estatuto do Torcedor, com o passar dos anos, pode ser considerado um marco na gestão do futebol brasileiro como negócio. Desde 2003, quando ele foi aprovado como lei, que o torcedor é tratado como uma espécie de consumidor dentro de um estádio de futebol.

A situação ainda está muito distante do mundo ideal, mas já é muito melhor do que há dez anos, quando torcedor era confundido com animal pronto para o abate. Hoje já se percebe que o clube entende que o torcedor deve ser tratado como uma pessoa importante dentro da cadeia produtiva da bola, e muito disso deve-se a algumas mudanças provocadas pela lei.

Só que ainda há uma grande lacuna nessa legislação, que passou despercebida quando da sua criação (durante o ano de 2002) e agora, em alguns outros ajustes que a lei sofreu.

Continua-se a deixar, no Brasil, a polícia militar como responsável pela segurança do evento.

A partida entre Ceará e Santos mostrou, mais uma vez, o quão despreparada é a polícia que “cuida” da ordem num evento esportivo no Brasil. A cacetada que o meia santista Marquinhos levou, apenas por estar próximo a uma discussão que acontecia na saída das duas equipes, revela dois lados cruéis de uma história marcada pela truculência da polícia brasileira.

Para quem não viu a cena, o policial se coloca atrás de Marquinhos, aparentemente para convencê-lo a seguir andando e, com uma mão sobre o ombro do atleta, usa a outra para, sem tirar o cassetete da cintura, almejar as costas do jogador. Depois, tenta sair do bolo, mas é intimado por outro atleta do Santos. Então, é convencido pelos demais policiais a descer para o vestiário, como se não tivesse cometido nenhum delito.

Num país em que a lei serve para dar poder a um e tirar o de outro, e não para que todos vivam em harmonia, é inadmissível que continuamos a ter policiais despreparados tomando conta da segurança de uma partida de futebol, ou de qualquer outro evento.

Quando o episódio envolve um torcedor, rapidamente a opinião pública vira-se a favor do policial, considerando-o vítima de uma bandidagem maior, a do violento torcedor agindo em bando. O caso de Marquinhos mostra quão desvirtuada é essa impressão.

O Estatuto do Torcedor tem sua gênese no Taylor Report, criado no início dos anos 90 na Inglaterra. Lá, a mudança de tratamento com o torcedor se deu também pela criação de leis mais severas (como por aqui), mas um dos grandes saltos de qualidade para que absurdos envolvendo a polícia nos estádios como ainda acontecem no Brasil foi a adoção de um treinamento especial de policiais que trabalham especificamente em estádios de futebol.

Hoje, os policiais do futebol na Inglaterra entendem que não se trata multidão com cacetadas, e muito menos time de futebol. Policial, aliás, só entra em campo se houver necessidade. No Brasil, o clube de futebol perde, e muito, deixando para a polícia a segurança dentro de um estádio de futebol. Não há competência dos policiais em gerenciar crises envolvendo torcedores e, como ficou evidente neste domingo, até mesmo com atletas.

Enquanto a regra for bater primeiro para depois tentar descobrir se há mesmo problema, de nada adiantará exigir mais do torcedor e do clube. A combinação entre polícia e futebol é ainda muito perigosa. Especialmente para o negócio futebol.

Para interagir com o autor: erich@149.28.100.147 

Categorias
Sem categoria

Minha casa, minha vida

O Corinthians anunciou, em meio aos festejos do Centenário, o (novo) estádio do clube, cuja localização será na zona leste da cidade de São Paulo, em Itaquera.

Até o Presidente Lula compareceu no principal evento destas comemorações, e desponta como lobista do seu clube do coração, articulando nos bastidores a aproximação entre CBF, Fifa, Ministério dos Esportes e empreiteiras.

A obra tem a previsão de conclusão ao final de 2012, e o clube, no projeto original, não demonstra pretender ser sede do jogo de abertura da Copa 2014, a despeito da exclusão do Morumbi e de não haver oficialmente alternativa para tanto até o momento.

Mesmo porque essa alteração, de 49 mil lugares para 65 mil lugares, custa alguns milhões de reais.

E, para evitar o estouro orçamentário, tido como natural – ao que parece, só no Brasil – em grandes obras de infra-estrutura e edificações, o Corinthians irá contratar uma empresa gestora de recursos, além de bonificar a empreiteira principal com a redução nos custos finais.

Mas um aspecto interessante do plano arquitetônico chama a atenção: a intenção do envolvimento dos espectadores numa atmosfera esportiva cuja experiência sensorial será privilegiada.

Por isso, todo o estádio deverá contemplar a aproximação do público ao terreno de jogo, além de camarotes, áreas especiais e espaços de convívio preparados para deslumbrar. Como costuma acontecer em estádios de ponta do futebol europeu e, principalmente, nas praças esportivas das ligas nos EUA.

O matchday é fonte de receita importante para qualquer clube, mas dela não deve depender. O que vale a pena, sim, é explorar a sazonalidade da demanda em paralelo à ocupação pelos sócios.

Fora casas de shows e alguns teatros, no Brasil, o melhor exemplo dessa tentativa de valorizar a experiência, em se tratando de esporte, é o estádio da Arena da Baixada, do Atlético Paranaense – em fase de finalização também, visando à Copa 2014.

Como bem disse o arquiteto do estádio corintiano, a concorrência do clube para atrair seus torcedores ao estádio é com o conforto dos seus lares, vendo pela TV aberta ou por pay-per-view.

O clube estuda, também, destinar a ocupação do estádio quase na totalidade para os sócios, assegurando receita ao longo do ano de forma antecipada.

Se o Corinthians, mandando jogos no Pacaembu, mantém médias históricas de público das mais altas – e a renda corresponde a 15% de todos os clubes no campeonato de 2010 – imagino quando as chaves da “casa própria” forem entregues.

Padrinho forte não falta.  

Para interagir com o autor: barp@universidadedofutebol.com.br

Categorias
Sem categoria

Riscos defensivos e o número de jogadores atrás da linha da bola

Existe uma ideia, quase um consenso, de que quando uma equipe de futebol está atacando, o número de jogadores que ela mantém atrás da linha da bola, pode definir o sucesso ou o fracasso de suas transições defensivas.

Em linhas gerais, o pensamento central é de que, mantendo um número maior de jogadores atrás da linha da bola, é possível, ao perder sua posse (da bola), correr menos riscos defensivos em um contra-ataque rápido, e até, recuperá-la mais rapidamente.

Ter mais jogadores na retaguarda da bola, porém, faz com que, necessariamente, menos jogadores estejam participando efetivamente do ataque da equipe.

A questão aqui é que com menos jogadores participando efetivamente do processo ofensivo, tanto o número de apoios absolutos, quanto as possibilidades de ação para retirar a bola de zonas de pressão (sem regredir no campo de jogo) diminuem.

Isso pode não ser um problema, se a dinâmica e movimentação criada pelo reduzido número de apoios absolutos compensar relativamente a menor quantidade de jogadores, aumentando o número de possibilidades de jogo, tanto na ocupação dos espaços (ou na indução do adversário a erros), quanto na vantagem nos confrontos 1vs1.

Há de se pensar, porém, se não seria vantajoso ter um grande número de jogadores à frente da bola, se esses forem capazes de aumentar exponencialmente o número de possibilidades de jogo dentro do processo ofensivo (sem perder minimamente os apoios de retaguarda).

Apesar de um quase consenso, de que aumentar o número de jogadores participando efetivamente dos ataques não significa aumentar as chances de que as sequências ofensivas de uma equipe resultem em finalização, proponho que relativizemos a questão.

Sob os óculos das teorias sistêmicas, ter mais, ou ter menos jogadores atrás, ou à frente da linha da bola, é apenas uma variável do problema; variável que, quando manipulada, traz a necessidade de compensações (que geram novos problemas, novas manipulações e, por fim, mais e novas compensações).

Quando o “risco” defensivo que se quer correr é o principal norteador do sistema, as decisões e os ajustes caminharão em certa direção. Se a orientação sistêmica for outra, outras também serão as decisões e os ajustes.

O fato é que o aumento ou a diminuição de riscos será sempre dependente das características dos jogadores e do tipo de jogo que pode ser construído a partir dessas características.

Posto isso, a capacidade de uma equipe em controlar o jogo sem que necessite de muitas compensações pode determinar a magnitude de seus riscos nas transições defensivas e definir as necessidades numéricas de jogadores atrás e à frente da linha da bola.

Para interagir com o autor: rodrigo@universidadedofutebol.com.br

Categorias
Sem categoria

Balanço entre o esporte e o capital

Caros amigos da Universidade do Futebol,

Recentemente o presidente da Fifa, Joseph Blatter, informou que a entidade máxima do futebol está estudando alterações nos regulamentos da Copa do Mundo para evitar excessivos empates nos jogos e a consequente monotonia e falta de gols para os espectadores.

Essa preocupação nos remete mais uma vez à discussão sobre a necessidade de os esportes, e no nosso caso do futebol, serem adequados para o seu melhor aproveitamento comercial e até que ponto essa adequação pode ser feita sem que os princípios fundamentais do esporte sejam colocados em um segundo plano.

Todos já sabemos que a Fifa sempre adotou uma postura conservadora com relação a eventuais mudanças no futebol. Sempre foi assim com relação à introdução de inovações tecnológicas na arbitragem, por exemplo. Nesse caso, para a Fifa, o erro humano da arbitragem faz parte da cultura do futebol, e, assim, não poderia deixar de existir.

Ocorre que, na última Copa do Mundo da África, erros capitais de arbitragem começam a prejudicar o espetáculo e a causar efetivos danos financeiros para diversas partes. É nessa medida que agora a Fifa já considera introduzir determinadas inovações de tecnologia para auxiliar e balizar a atividade dos árbitros.

No caso objeto desta coluna, inovações que visem aumentar a atratividade do jogo como ora divulgado pela Fifa, são, em nossa opinião, bem vindas. As constantes reduções na participação do goleiro no jogo são, por exemplo, algumas das iniciativas de sucesso para essa finalidade. No passado mais distante, a criação da disputa de pênaltis também veio nessa esteira, e também já faz parte integrante do espetáculo, sem que o futebol fosse radicalmente alterado.

O que não podemos aceitar é a pressão de patrocinadores e outras forças com grande poder financeiro no futebol para que algumas medidas que valorizem o espetáculo em termos financeiros altere as “cláusulas pétreas” do esporte.

Pequenos ajustes são sempre bem-vindos. Vivemos em uma sociedade dinâmica, e o esporte deve sim adequar-se para atender as demandas de cada época em que vivemos. E, ressalte-se, essa adequação é fundamental para que os investidores do futebol permaneçam interessados e continuem a garantir a viabilidade financeira do esporte.

Por outro lado, não podemos “vender” a integridade e a confiabilidade das competições de futebol, sem as quais o futebol não seria tão popular ao redor do mundo.

Encontrar a justa medida é difícil, mas necessária. E deve ser revista, caso a caso, sempre que houver a necessidade. Vamos aguardar as propostas concretas para alteração dos regulamentos da Copa do Mundo e torcer para que, se aprovadas, elas de fato viabilizem uma maior quantidade de gols por partidas e mais emoção aos jogos, que é o verdadeiro combustível dessa modalidade.

Para interagir com o autor: megale@universidadedofutebol.com.br